Pandemia

AMM recomenda aos prefeitos a não realização de eventos que gerem aglomeração

Publicados

em

JB News

Por Alisson Gonçalves

 

O presidente da Associação Mato-grossense dos Municípios-AMM, Neurilan Fraga, enviou um comunicado aos prefeitos recomendando que não realizem eventos que provoquem aglomeração de pessoas, principalmente nas festividades de fim de ano e no Carnaval de 2022, tendo em vista a chegada de variante do coronavírus no país. O alerta é fundamentado em recomendações da Organização Mundial de Saúde-OMS, de autoridades da área de saúde pública nacional, além de registros oficiais de aumentos de casos confirmados de covid-19 no Brasil.
Fraga observa que o momento é de prudência para evitar o descontrole das contaminações pelo novo coronavírus, que vitimou fatalmente mais de 600 mil pessoas no país, das quais mais de 14 mil eram de Mato Grosso. “Estamos acompanhando o aumento de casos na Europa e na Ásia. E neste período de incerteza os gestores públicos têm que ser bastante cautelosos para adotar medidas que garantam a proteção da população e a eficiência do sistema público de saúde. Estamos fazendo as recomendações, mas a decisão sobre a realização dos eventos cabe a cada prefeito e prefeita”, assinalou.
O Boletim Observatório Covid-19 da Fiocruz, publicado este mês, adverte que a atual “nova onda” de coronavírus, em decorrência do surgimento de variantes na Europa, deve servir como alerta ao Brasil, que tem pouco mais de 60% da sua população totalmente vacinada. No comunicado aos prefeitos, a AMM reforça que “a gestão municipal tem como seu norteador a promoção ao bem estar da população do município, devendo dessa forma resguardar até a última instância o maior bem que um ser humano pode ter: a vida”, cita o documento.
O presidente da AMM ressalta que é extremamente necessário que os gestores e técnicos municipais estejam sempre atualizados e trabalhando em consonância, seguindo as orientações não só governamentais como da OMS, e de poderes para melhor orientar a prevenção e cuidado da população, diante da covid-19, uma vez que a capacidade de propagação da doença é considerada rápida, o que exige maior atenção para a notificação, confirmação e a intervenção oportuna dos casos.
Desde o início da pandemia, no começo do ano passado, a AMM vem orientando os gestores sobre medidas restritivas, de biossegurança, prestação de contas sobre a aplicação dos recursos recebidos, além de realizar várias reuniões por videoconferência para orientar os gestores sobre temas relacionados ao enfrentamento da emergência em saúde.

Leia Também:  Ministro Marcelo Queiroga anuncia vacinas para crianças na segunda quinzena de Janeiro

Foto: Divulgação

COMENTE ABAIXO:

Pandemia

Ministro destaca papel de senador na produção de vacina nacional

Publicados

em

Por

Vacina 100% nacional iniciou hoje os testes clínicos, em Salvador (BA)

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marcos Pontes, reconheceu hoje (13) o papel do senador Wellington Fagundes (PL-MT) e do Congresso Nacional no desenvolvimento da vacina contra a covid-19 com tecnologia 100% brasileira. O reconhecimento foi durante o lançamento, na Bahia, dos testes clínicos do imunizante desenvolvido pelo Senai-Cimatec com tecnologia 100% brasileira.

“O papel do senador e de todo o Congresso foi fundamental para garantir os recursos, recompor o orçamento do Ministério e, dessa forma, possibilitar o desenvolvimento da vacina, disse o ministro.

“O ato que se realiza neste dia, seguramente, traz motivos de sobra para nos orgulhar. Em primeiro lugar, como Nação, porque o que estamos presenciando agora nos recoloca na trilha do protagonismo – a qual o Brasil sempre foi predestinado… protagonista de sua própria história, de sua grandeza territorial e humana” disse o senador mato-grossense.

O senador, que foi relator da Comissão Temporária da Covid-19 no Senado, a vacina 100% nacional é o caminho para o país se transformar em um grande colaborador mundial para o combate da covid-19.

Leia Também:  ANVISA divulga lista de recomendações para vacinação de crianças de 5 a 11 anos

Os testes clínicos lançados hoje foram autorizados pela Vigilância Sanitária e se tornam ainda mais importantes no momento em que o Brasil e o mundo enfrentam uma nova variante do coronavírus – a ômicron – com grande capacidade de transmissão, o que pode levar a um novo colapso do sistema público de saúde.

“Desenvolver uma vacina com tecnologia nacional é estratégico e fundamental para a saúde pública”, avalia o senador. “Por isso, desde o início, insistimos em viabilizar recursos para os estudos que estão sendo feitos no país”, disse.

O ministro Pontes ressaltou que a vacina está sendo desenvolvida por cientistas brasileiros em parceria com cientistas americanos e se trata de um imunizante importante para o desenvolvimento desse tipo de tecnologia, não só para a pandemia de Covid-19, mas também para outras pandemias. “É importante o Brasil dominar essas tecnologias”, afirmou Pontes.

A tecnologia possibilitará também novos estudos para produção de vacinas para enfrentamento de doenças como zika, febre amarela e câncer.

Participam desta fase 90 voluntários, com idades entre 18 e 55 anos.

Leia Também:  Ministério da Saúde pede a ANVISA autorização para que as pessoas possam fazer auto teste em casa

O imunizante integra um plano de desenvolvimento global que está sendo realizado no Brasil, Estados Unidos e Índia, por meio da parceria entre as três instituições: SENAI CIMATEC, HDT Bio Corp e Gennova Biopharmaceuticals (Índia). O estudo de Fase I custará R$ 6 milhões.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA