Saúde

Governo de MT investe em pesquisa sobre biomembrana com produtos naturais para reparo de lesões na pele

Publicados

em

A biomembrana para úlceras cutâneas contém ingredientes como borracha natural, babosa e própolis

Widson Ovando | Fapemat

Avaliação Antifúngica – Foto por: Profa UFMT Paula Cristina de Souza Souto
A | A

Um projeto de pesquisa financiado pelo Governo do Estado, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa de Mato Grosso (Fapemat), estuda produtos naturais para o reparo e cicatrização de lesões na pele na forma de uma biomembrana vegetal.

A pesquisa é coordenada pela doutora em genética e biologia molecular, Paula Cristina de Souza Souto, do campus universitário do Araguaia (UFMT), Barra do Garças. E desenvolvida pela pesquisadora e doutoranda da UFMT, Loyane Almeida Gamas Sales, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Imunologia e Parasitologia Básica e Aplicada do campus da universidade. A pesquisadora Loyane teve recurso aprovado no Edital Fapemat Nº 009/2021, de dezembro, para o projeto Membrana de borracha natural associada ao extrato de própolis e babosa: avaliação dos efeitos e mecanismos envolvidos no reparo tecidual em modelo de queimadura.

Na medicina, os resultados do estudo mostraram que a biomembrana vegetal é segura como curativo para úlceras cutâneas (feridas).  A grande ocorrência mundial de feridas cutâneas, tais como queimaduras, continua alta e com milhares de pessoas sofrendo com sequelas físicas, psicológicas e com as consequências sociais que esse tipo de lesão pode causar.

Leia Também:  Prática do ciclismo pode prevenir câncer e outras doenças garante especialista

O projeto intitulado Desenvolvimento e Caracterização de Membranas de Látex de Hevea Brasiliensis e Própolis Scaptotrigona Polysticta para Tratamento de Queimaduras busca produtos naturais de origem animal ou vegetal que possuam propriedades com ação cicatrizante e antimicrobiana em lesões de pele. A pesquisa estuda a preparação de biomembranas de borracha natural (derivada do látex de seringueira) associado à babosa e ao própolis de abelhas sem ferrão, conhecida como Bijuí.

Inovação em tratamento

O tratamento tópico ideal para lesão provocada por queimadura seria aquele que, ao mesmo tempo, controla o crescimento bacteriano, remove o tecido desvitalizado e estimula o crescimento do novo tecido. Até agora, estas três funções não se encontram em um mesmo curativo.

A inovação proposta pela pesquisa foi o desenvolvimento de uma biomembrana com a associação de dois componentes, látex e própolis, típicos da biodiversidade do Estado de Mato Grosso.

Com os resultados da pesquisa foi possível desenvolver biomembranas com características físico-químicas que indicam que elas podem ser utilizadas para o tratamento de queimadura. Em estudos em animais, as biomembranas se mostraram  eficientes, pois aceleraram o processo de cicatrização sem a necessidade freqüente de troca do curativo. Além disso, o processo inflamatório, que acontece em todo processo de cicatrização, foi controlado o que indica uma possível cicatrização da pele sem a formação extensiva de cicatrizes.

Leia Também:  Mato Grosso registrou 63.680 casos e 2.147 óbitos por Covid-19 até o final deste domingo

Tendo em vista a necessidade de tratamentos mais práticos e eficazes no tratamento das queimaduras a membrana de Látex associada ao Própolis  apresentou resultados promissores para o uso na medicina.

COMENTE ABAIXO:

POLITICA

Mauro Mendes ressalta importância de ex-secretário da SES para construção do novo Hospital de Juína

Publicados

em

Por

JB News

Por Fábio Monteiro

A nova unidade de saúde contará com mais de 100 leitos de enfermaria e 40 UTIs, entre adultas, pediátricas, neonatal e unidade semi-intensiva neonatal

 

No aniversário do município de Juína, que completou 40 anos nesta segunda-feira (09), o governador Mauro Mendes (UB), durante o lançamento das obras de construção do Hospital Regional, ressaltou a importância do ex-secretário estadual de saúde, Gilberto Figueiredo, na condução da SES nos últimos anos, para que o Governo pudesse erguer este hospital no município.

“O Gilberto foi um secretário importante na pasta. Uma das secretarias mais difíceis que existem dentro do governo. Nós enfrentamos dois anos de pandemia. Tivemos muitas dificuldades. Pegamos a secretaria com mais de R$ 600 milhões de dívidas para pagar. Gilberto entregou em abril a secretaria em dia, com todos os contratos pagos”, garante Mauro.

O governador também destacou as ações da secretaria na promoção de reformas em unidades hospitalares do Estado, além da construção de outros três novos Hospitais Regionais, como o de Tangará da Serra, no Araguaia, localizado em Confresa e o de Alta Floresta.

Leia Também:  AL aprova entrega de medicamentos com canabidiol pelo SUS

“Praticamente todos os setores da saúde do Estado de Mato Grosso estão em obra e em reforma de ampliação, de melhoria, além da construção de 5 hospitais, que foi conduzido por ele. Os quatro regionais e o hospital central. Em Cuiabá tem ainda o Júlio Müller, que está sendo tocado pela Sinfra. Então Gilberto, assim como outros parceiros, foi muito importante para o avanço que o governo está tendo hoje”, completou o governador.

O ex-secretário da SES, apontou as ações conjuntas da secretaria, do Governo do Estado e das administrações executivas municipais, para que a gestão tivesse como foco ser mais acessível, mudando o cenário da saúde em Mato Grosso.

“É uma honra estar aqui, neste momento em que a cidade completa 40 anos, dando início a uma nova história para a população de Juína. O ganho de eficiência da saúde é muito grande com essa nova unidade. O hospital regional é uma obra importante para todos nós. E mostra o compromisso deste governo com a população, que faz um compromisso e executa”, disse Gilberto.

Leia Também:  Prefeitura de Diamantino não paga contrato e hospital corre o risco de fechar

O novo hospital regional de saúde será referência em média e alta complexidade para sete municípios da região e contará com um total de 151 leitos, sendo 111 de enfermaria e 40 UTIs. O investimento será de R$ 106.728.180,30 somente na construção do hospital, que está previsto para ser finalizado em aproximadamente 22 meses, com previsão de entrega para 2024.

O hospital também vai ter 10 consultórios médicos, 2 consultórios para atendimento a gestantes, 6 salas de centro cirúrgico, além de espaços para banco de sangue, banco de leite materno e realização de exames, como tomografia e colonoscopia.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA