Economia

Foliões movimentam 8 bilhões em consumo de bebidas no Carnaval

Publicados

em

Foliões movimentam a economia e elevam vendas de bebidas no Carnaval 
 
A data festiva mais famosa do Brasil, o Carnaval, começou oficialmente neste fim de semana. Quanto à movimentação econômica, R$ 8 bilhões devem ser gastos pelos foliões desde o pré até o pós-carnaval, segundo previsão da Confederação Nacional do Turismo (CNC).
 
Essa movimentação pode ser positiva para os atacarejos, onde a procura por cerveja, por exemplo, tende a crescer, tanto pelo consumidor final, que estará curtindo folga em meio ao calor do verão, quanto pelos ambulantes, que vão vender o produto nas principais folias de Carnaval. “Eu já garanti várias caixinhas de cerveja”, diz o estudante João Vitor Pandolfo Leite, de Cuiabá. 
 
Ele, a namorada e amigos vão participar do desfile do tradicional bloco carnavalesco “Confraria do Bode”, engrossando o coro dos analistas de que com o real desvalorizado frente ao dólar e euro, muitos brasileiros que poderiam viajar no feriadão vão aproveitar a festa no Brasil e nos seus estados. “É uma forma de se divertir em casa, gastando pouco”, completa João Vitor. 
 
Com duas lojas em Cuiabá e uma em Várzea Grande, o Fort Atacadista espera um aumento nas vendas da seção de bebidas durante o Carnaval. A previsão da rede é que a tradicional cerveja do tipo Pilsen seja a mais procurada, por ser mais leve e agradável de beber nos dias mais quentes, além de destilados como gin e vodca, que prometem grande procura pelos foliões.  
 
As unidades do Fort Atacadista estão presentes nas Avenidas Fernando Corrêa e Miguel Sutil, em Cuiabá, e na Avenida da FEB, em Várzea Grande, com grande variedade de cervejas, inclusive, especiais.
 
Luciane Mildenberger
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Jogos Estudantis iniciam nesta quinta-feira em Campo Verde

Economia

Governador assegura fornecimento de gás natural a MT em reunião com ministro de Hidrocarburos e presidente da YPFB

Publicados

em

Por

Durante a reunião, nesta sexta-feira (15.10), Mauro Mendes também tratou da ampliação no fornecimento de gás para o Estado

Noelisa Andreola | Secom-MT

Governador Mauro Mendes em reunião com ministro de Hidrocarburos e presidente da YPFB – Foto por: Assessoria

O governador Mauro Mendes esteve na Bolívia, nesta sexta-feira (15.10), em reunião com o ministro de Hidrocarburos, Luis Alberto Sánchez Fernández, e o presidente da estatal Yacimientos Petroliferos Fiscales Bolivianos (YPFB), Oscar Barriga Arteaga, para assegurar que o gás natural continue a ser fornecido para Mato Grosso.

De acordo com o chefe do Executivo Estadual, apesar da queda no fornecimento do produto, devido ao desmoronamento de um dos poços bolivianos que atingiu não só Mato Grosso, mas também a Argentina e a Petrobrás, não há interrupção no fornecimento de gás no Estado.

“Conseguimos garantir que não haja interrupção no fornecimento, graças aos importantes investimentos que estamos fazendo para desenvolver a cadeia do gás, tanto veicular, como a construção da rede de distribuição para as indústrias, que vai ser alocada lá no Distrito Industrial”, esclareceu.

Leia Também:  Outubro Rosa: a importância do tratamento precoce

Mauro Mendes pontuou ainda que o Estado tem uma posição estratégica no mercado nacional de gás e grande potencial de desenvolvimento também para o mercado de ureia.

“Conversamos de forma bastante positiva e esperamos até a próxima semana uma resposta firme para uma possível ampliação no fornecimento de gás, em 2022, para Mato Grosso. Mais uma vez nós acreditamos que vamos fortalecer e consolidar essa matriz energética no nosso Estado”, destacou o governador.

Estiveram presentes na reunião o presidente da Companhia Mato-Grossense de Gás (MT Gás), Rafael Reis, e o suplente de senador Fábio Garcia.

Contrato firme

Em junho deste ano, o governo assinou contrato firme para fornecimento de gás natural da Bolívia com vigência de cinco anos, a partir de janeiro de 2022.

O contrato permite que Mato Grosso receba até 3,5 milhões de m³ de gás natural ao mês durante o ano de 2022, podendo chegar até 6,5 milhões de m³ até 2027.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA