Saúde

Fonoaudióloga Samia Ribeiro orienta sobre casos de surdez súbita

Publicados

em

JB News

A surdez súbita é a perda repentina da audição ou a piora de uma alteração auditiva já existente em uma pessoa. Segundo a fonoaudióloga da empresa cuiabana Audax Aparelhos Auditivos, Samia Ribeiro, sua ocorrência é maior em pessoas com mais de 40 anos e pode acontecer em apenas um dos ouvidos ou em ambos.

Em média, 70% dos casos apresentam, como principais sintomas, os zumbidos que podem persistir por um longo período, e 30%, as vertigens, que geralmente reduzem com o tempo. A idade também é um fator preponderante para a melhora do paciente. Quanto mais jovem, maior a possibilidade de uma recuperação completa da audição.
De acordo com Samia, quando o paciente percebe que está com essa surdez repentinamente, ele deverá buscar um médico otorrino, onde é feito é feito um exame clínico, seguido de audiometria. Confirmado o diagnóstico de surdez súbita, podem ser prescritos medicamentos corticoides, anti-inflamatórios ou vasodilatadores para tratar o problema. Estima-se que um terço dos pacientes tenham alguma melhora.

Leia Também:  Campanha ‘Oxigênio Solidário’ arrecada R$ 1,13 milhão em cilindros e cargas para atender unidades de saúde

“Em alguns casos o remédio acaba não conseguindo ter o melhor resultado com o paciente então o uso de aparelho auditivo pode ser encaminhado pelo médico otorrino. Hoje temos modelos de aparelhos discretos e modernos, que garantem maior qualidade de vida e inserção social para o paciente que usa”, disse a fonoaudióloga, especialista em aparelhos auditivos.

COMENTE ABAIXO:

Saúde

Governo, ALMT e empresas entregam cilindros de oxigênio que serão doados a hospitais

Publicados

em

Por

 

JB News

Por Denise Niederauer

O Governo de Mato Grosso, em uma ação solidária coordenada pela Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), reúne entidades representativas, empresas de diversos setores e a Assembleia Legislativa para doação e compra de cilindros de oxigênio para os hospitais do Estado. A força tarefa arrecadou 200 cilindros de oxigênio, uma doação equivalente a R$ 1 milhão.

A demanda de oxigênio hospitalar aumentou muito devido a pandemia, e as empresas fornecedoras estão com dificuldade de distribuir o produto especialmente por causa da falta de cilindros. Por isso, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o uso de cilindros industriais para o envase, desde que sejam de oxigênio, argônio ou gases inertes.

“Iniciamos a articulação junto às usinas de Mato Grosso, oficinas mecânicas, todos aqueles que utilizam cilindros e pedimos que devolvessem os frascos vazios para os fornecedores. Esta mobilização começou a ganhar corpo e, como sempre, uma série de setores começou a nos procurar para ajudar comprando também cilindros novos, já com oxigênio, e criando uma grande corrente de solidariedade”, explica César Miranda, secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico.

Leia Também:  Rede privada diz que 97% dos leitos exclusivos para o tratamento da Covid-19 já estão comprometidos

Um carregamento de 370 cilindros de oxigênio está chegando da China nos próximos dias e será destinado a Mato Grosso. A ação Oxigênio Solidário já contribuiu com a compra de 220 cilindros e a Assembleia Legislativa vai adquirir 200 cilindros. “É uma ação extremamente importante para darmos suporte, principalmente, aos hospitais do interior do Estado. Além da compra deste carregamento, vamos também trabalhar para outras compras”, explica Carlos Avallone, deputado estadual e coordenador do Observatório Socioeconômico da Assembleia Legislativa.

“É um momento de cooperação de todos. Sabemos que há dificuldade de atender o interior do Estado com os cilindros de oxigênio devido às barreiras logísticas e grandes distâncias. Por isso, trabalhamos para este produto essencial neste momento chegue a todos os hospitais de Mato Grosso”, diz Sílvio Rangel, vice-presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) e presidente do Sindalcool MT.

Além da doação dos cilindros, Governo do Estado e empresários também trabalham para a compra de cargas de oxigênio. “Caso não encontremos mais cilindros disponíveis no mercado, a sugestão é que possamos converter o valor em cargas de oxigênio. Cada pessoa utiliza, em média, quatro cilindros por dia e a rotatividade é muito grande”, explica o secretário César Miranda.

Leia Também:  Governador visita fábrica da vacina Sputnik e busca compra direta para Mato Grosso

Aproximadamente 100 empresas e entidades representativas de Mato Grosso já fizeram suas doações. Para doar, basta ligar (65) 98444-8206 e falar com Eulália Oliveira, secretária adjunta Executiva de Desenvolvimento Econômico da Sedec.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA