POLITICA

Wener Santos tem se espelhado nos feitos políticos do irmão, o ex-senador Cidinho

Publicados

em

 

Habilidoso e jeitoso

JB News

Da Redação

Wener Santos tem se espelhado nos feitos políticos do irmão, o ex-senador Cidinho Santos. Bem articulado, ele conseguiu conquistar de vez o respaldo do governador Mauro Mendes e a confiança do presidente do Intermat, Francisco Serafim, viabilizando recursos expressivos para atender mais de 4 mil famílias – só em Tangará da Serra – com a entrega de títulos definitivos de propriedades.

Chegou em nossa redação que esse será o maior programa de regularização fundiária urbana da região centro-sul de MT. A parceria foi firmada nos últimos dias de dezembro, e atenderá, além de Tangará da Serra, outras 15 cidades que fazem parte do Consórcio do Alto do Rio Paraguai.

Os trabalhos serão feitos nos municípios em formato de mutirão com equipe composta por integrantes da MT PAR, Intermat, Consórcio e Prefeituras. A expectativa é que os títulos sejam entregues em tempo recorde graças à tecnologia empregada neste programa, tudo por meio digital.

Vale lembrar que esses títulos serão entregues de forma gratuita e registrados em cartório, ou seja, um documento definitivo que dará garantia da propriedade às famílias.

Leia Também:  Max Russi não descarta ação do Legislativo contra a Rota do Oeste: “Pedágio precisa parar”

Para aqueles que apostaram que Wener Santos estava fora da disputa a uma vaga na Assembleia Legislativa, essa foi uma jogada de mestre, que lhe coloca na cara do gol.

MTPAR
Presidente – Wener Santos
Dir.Adminstrativo – Wagner Ramos
Dir. Projetos – Marcela Porto

COMENTE ABAIXO:

POLITICA

Max Russi não descarta ação do Legislativo contra a Rota do Oeste: “Pedágio precisa parar”

Publicados

em

Por

JB News

 

A concessão ingressou com pedido de devolução “amigável” do trecho de 850 km. Enquanto isso, motoristas sofre com falta de investimentos e acidentes acontecem devido a problemas estruturais.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB), não descarta a possibilidade de uma representação, por meio da Procuradoria do Legislativo, em desfavor da Rota do Oeste, concessionária que administra a BR- 163, entre os municípios de Itiquira e Sinop.

A concessão, controlada pelo grupo OTP (Odebrecht Transport), ingressou com pedido de devolução “amigável” do trecho de 850 km à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) no ano passado, dada a inadimplência das obrigações de investimentos, no entanto não interrompeu a cobrança do pedágio. Russi aguarda uma movimentação por parte do Ministério Público, tanto federal quanto estadual, sobre o caso.

“Não tem a obra, os buracos estão abrindo e o povo tá pagando. Acostamento alto, acidente toda semana, vidas se perdendo e a gente que tomar providencia”, denuncia.

Uma das soluções paliativas, apontadas pelo parlamentar, até que uma nova concessão seja licitada e os problemas estruturais em diversos trechos sejam solucionados, é a liberação das cancelas.

Max Russi citou o exemplo de rodovias do Paraná, onde praças de pedágio tiveram que interromper as cobranças, devido ao termino das concessões, que duraram 24 anos, com as tarifas mais caras do país. “No Paraná teve um problema parecido, não está cobrando pedágio e os motoristas estão passando livremente”, exemplificou.

Leia Também:  Prefeitura de VG abre investigação para apurar morte de jovem após sofrer hemorragia durante o parto em maternidade

Quem concorda com essa medida, proposta pelo presidente da Assembleia, é o motorista autônomo Valdenor José da Costa (43) que utiliza o trecho entre Sorriso de Rondonópolis. O morador de Juscimeira, que também tem sofrido com problemas estruturais da rodovia, que corta o município, relata um cenário de verdadeiro descaso.

“A BR está abandonada, principalmente no trecho de Rosário do Oeste a Jangada, não tem acostamento. De Cuiabá a Rosário merecia duplicação porque ali nem acostamento tem. Em um dia de chuva tiveram 7 acidentes. Essa Rota Oeste só está arrecadando e não estão fazendo nada pelo motorista, fica tudo abandonada, sinalização toda tampada pelo mato, buraqueira”, relatou.

Outra sugestão do parlamentar é uma ação coletiva, por parte dos motoristas que estejam se sentido lesados pela Rota do Oeste. “Não é correto a empresa receber pedágio. Já era para ter entregado a obra em 2019, não entregou e está ganhando com isso”, avalia.

Max Russi vem travando lutas contra as irregularidades cometidas pela empresa desde sua primeira legislatura, quando ingressou com uma ação no Ministério Público Federal (MPF), solicitando a suspensão imediata da cobrança de pedágio no trecho entre Cuiabá a Rondonópolis, que na época não havia sido duplicado em ao menos 10%, além de apresentar muitos buracos e falta de sinalização.

Leia Também:  Max Russi comemora congelamento do IPVA e continuidade do abono aos profissionais da saúde

Na época, o pedido do parlamentar também foi fundamentado em relatório técnico emitido pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (CREA/MT), que apontava várias irregularidades no fornecimento dos serviços pela concessionária, além de reclamações constantes de motoristas e moradores da região.

Em outubro do ano passado o deputado Max Russi chegou a coletar 15 assinaturas dos colegas deputados estaduais, para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, com a intenção de investigar a concessão da BR-163. Desde então, a empresa decidiu pela devolução da rodovia a União.

“Eu concordo em trocar e empresa, mas seja uma concessionária que cumpra com o seu papel, faça os investimentos necessários e que de segurança e alívio aos motoristas, que utilizam a essa rodovia”, disse.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA