Nacional

Uber mostra como funciona suporte para incidentes de segurança

Publicados

em

Para atender os casos mais urgentes, empresa mantém um time de especialistas em casos sensíveis que atuam 24 horas por dia, 7 dias por semana

São Paulo, 12 de novembro de 2021 – A Uber atua permanentemente para tornar sua plataforma a mais segura possível para usuários, entregadores e motoristas parceiros. Levando em conta as 16 milhões de viagens realizadas globalmente todos os dias, a empresa oferece um sistema de atendimento a todos que usam a plataforma, 24 horas por dia, 7 dias por semana: o Centro de Excelência (COE – Center of Excellence, na sigla em inglês), que conta com times especializados no atendimento de diferentes tipos de situação. É a equipe do COE que presta suporte aos casos de maior complexidade e temas que requerem conhecimento especializado.

Os casos de segurança relatados na plataforma são priorizados e direcionados a um desses times de especialistas, que entra em contato com os envolvidos, analisa o que aconteceu com base nas ferramentas disponíveis e toma as medidas necessárias. Conheça um pouco mais do passo a passo:

  • Identificação: primeiro, o time de suporte avalia se o caso é relacionado a questões de segurança, como direção perigosa, comportamento inapropriado ou violento. Se o problema estiver relacionado a um outro tipo de situação (revisão de taxa, item esquecido, entrega não feita), ele é direcionado à equipe responsável.

  • Coleta de informações: com o caso de segurança identificado, um agente do time de resposta a incidentes reúne as informações disponíveis, como o registro do deslocamento via GPS, por exemplo. Nesse momento, pode ser necessário entrar em contato com os envolvidos para entender melhor o caso e oferecer suporte. Nessa fase, ações preventivas são tomadas, como o bloqueio temporário das contas envolvidas enquanto as apurações seguem em curso.

  • Análise: a partir dos relatos, o agente analisa o caso com base nas informações disponíveis (como registro do GPS, gravação de áudio – se houver -, histórico de avaliações dos envolvidos, etc) para tomar as ações necessárias visando a segurança da plataforma.

  • Resolução: após a análise, o agente segue o protocolo relativo a cada situação, que pode incluir a desativação da conta da parte ofensora e o acionamento do seguro para acidentes pessoais que cobre todas as viagens e entregas com a Uber. Todas as informações são mantidas em sigilo, respeitando a legislação brasileira, mas podem ser fornecidas para autoridades policiais com poder de investigação ou mediante ordem judicial.
  • A equipe de resposta a incidentes de segurança é qualificada para lidar com situações sensíveis. Além de passarem por um processo seletivo específico para o tema, esses agentes têm treinamentos constantes de técnicas de comunicação e capacidade analítica. O time também é preparado para colher os relatos da melhor forma possível, ter empatia e acolher usuários e motoristas – em parceria com a Rede Feminista de Juristas (deFEMde), os agentes tiveram treinamentos voltados para violência de gênero, racismo e LGBTQfobia.

    “Todas as solicitações relacionadas a incidentes de segurança são analisadas pela nossa equipe, ou seja, são respostas humanas revisadas por uma equipe especialista, que segue processos pré-definidos. Na Uber, a tecnologia está sempre no centro das nossas soluções. Por meio dela, podemos contribuir para solucionar problemas e colaborar para a prevenção de incidentes”, explica Walter Soares, diretor de Operações do Centro de Excelência da Uber.

    A Uber investe constantemente em novos recursos e está constantemente ouvindo usuários e parceiros para aprimorar as ferramentas de segurança disponíveis antes, durante e depois de cada viagem, como:

    • Checagem de motoristas e entregadores parceiros: antes de começar a usar a plataforma, todos os motoristas e entregadores passam por uma checagem de apontamentos criminais feita por uma empresa especializada. Rechecagens periódicas são feitas pelo menos uma vez a cada 12 meses. A Uber também possui uma ferramenta que faz a verificação de identidade do motorista em tempo real. De tempos em tempos, o aplicativo pede, aleatoriamente, para que os parceiros tirem uma selfie antes de aceitar uma viagem ou de ficar on-line, para confirmar que a pessoa que está usando o aplicativo corresponde àquela da conta cadastrada.

    • Checagem de usuários: parte dos usuários que optarem por pagar sua primeira viagem em dinheiro, sem fornecer dados do meio de pagamento digital (cartão de crédito ou débito), precisarão fornecer um documento de identidade, como RG ou CNH. Esse recurso se soma ao que o aplicativo já exige do usuário que quer pagar somente em dinheiro: informar o CPF e data de nascimento – dados que são checados na base de dados do Serasa.

    • Durante as viagens: Caso aconteça uma parada longa e não prevista na rota ou se a viagem terminar fora do destino planejado, a Uber pode iniciar uma checagem,  enviando uma mensagem ao motorista parceiro e ao usuário perguntando se é necessário algum suporte, além de já direcionar as ferramentas de segurança.

    Essas ferramentas também podem ser acessadas pelo escudo azul que aparece no app durante as viagens. Por meio dele, é possível compartilhar em tempo real a localização e horário previsto de chegada com contatos de confiança, ligar para a polícia em situações de emergência e também gravar o áudio da viagem.

      • Apoio pós-viagens: Usuários e parceiros podem e devem avaliar um ao outro depois de cada viagem de forma anônima. Caso um motorista, entregador ou usuário tenha média baixa de avaliações ou adote uma conduta que viole os termos e condições de uso ou o código de conduta da comunidade, ele poderá ter sua conta desativada. Os motoristas parceiros podem ainda utilizar um número de telefone 0800 para solicitar apoio da Uber em casos de emergência, após comunicarem as autoridades e quando estiverem
      • em segurança. O time de suporte está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana pelo aplicativo e analisa caso a caso cada registro. Uma parceria recente com o MeToo Brasil também oferece apoio psicológico a vítimas de violência de gênero na plataforma. Usuárias(os), motoristas e entregadoras(es) parceiros que passem por um incidente do tipo usando o aplicativo podem ser direcionadas ao canal do MeToo após reportar o fato no aplicativo da Uber e serem atendidas pelo time de suporte do app. A assistência psicológica consiste em até quatro sessões de uma hora cada, que são conduzidas por psicólogas especializadas. O objetivo é dar um primeiro acolhimento e auxiliar a pessoa para que ela se sinta segura e apoiada ao enfrentar o trauma vivido.

    Uber

    A missão da Uber é criar oportunidade pelo movimento. A empresa iniciou suas operações em 2010 para resolver um problema simples: como conseguir um carro ao toque de um botão? Mais de 15 bilhões de viagens depois, criamos soluções para colocar as pessoas mais perto de onde elas querem estar. Ao mudar a maneira como as pessoas, a comida e as coisas se movem ou se conectam pelas cidades, a Uber é uma plataforma que abre o mundo para novas possibilidades

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Confusão nas prévias do PSDB para escolha de candidato a presidência da república tem denúncia de compra de voto e até "maçã podre"

Nacional

Senado aprova nomeação de André Mendonça para o STF após quarentena de 120 dias 

Publicados

em

Por

 

Especial para o JB News

Por Joelson Eleutério Gomes

Foto: O Globo

Alguns aspectos Jurídicos e Políticos

 

Após 120 dias (uma verdadeira “quarentena”), o Senado Federal sabatinou e aprovou por 47 votos a favor, a nomeação presidencial de André Mendonça (ex-Advogado Geral da União) para a vaga no STF, disponível a partir da aposentadoria do Min. Marco Aurélio Mello.
Quais princípios André Mendonça defenderá no STF?
Em seu discurso e respostas, André Mendonça deixou claro sua posição garantista em relação à Constituição Federal de 1988, no tocante a sua interpretação, defesa e aplicação. De igual modo, o novo ministro foi enfático ao afirmar que “juiz não é acusador e acusador não é juiz”. Uma forte “critica” aos seus pares – ministros do STF. Tal declaração é um alento para a sociedade e advocacia, bem como todo o Estado Democrático de Direito. André Mendonça também deixou evidenciado que defenderá os direitos basilares da sociedade brasileira, por exemplo, liberdade de expressão. Por fim, em sua fala, asseverou que vai defender a separação dos poderes e o não ativismo judicial, ou seja, não cabe ao STF legislar e tampouco promover política pública.

Algumas questões permeiam a Sabatina no Senado Federal, são elas:

I) A demora injustificável do Senado, leia-se do Presidente da CCJ, Senador Davi Alcolumbre, na realização da sabatina constitucional; II) A indicação de um jurista, declaradamente, cristão e apoiador do atual governo; III) As polêmicas pautas do STF, as chamadas Pautas de Costumes e IV) O julgamento dos casos da Lava Jato, no STF.

Vamos aprofundar essas 04 questões, sendo certo que tais questões englobam aspectos jurídicos e políticos:

Inicialmente, importante dizer que a demora injustificável é antirrepublicana e, ao mesmo tempo, indecorosa, indevida e interesseira.

O Sr. Davi Alcolumbre desprezou, deliberadamente, a Constituição Federal de 1988 e a tradição, ao relutar e resistir no agendamento da sabatina de André Mendonça para vaga do STF. É certo que a Carta Magna (Art. 101, CF/88) não estipula prazo mínimo ou máximo para o Senado realizar a sabatina.

Leia Também:  Abílio deixa pra decidir em janeiro seu destino partidário

Porém, igualmente, certo que a Constituição Federal não vincula a realização do ato aos interesses e o bel prazer do presidente da CCJ do Senado Federal. Ainda neste aspecto, a tradição e a práxis mostram que o prazo de realização da sabatina, no Senado, acontece em menor tempo. Portanto, adiar por 120 dias não é razoável.

Em relação ao nomeado (André Luiz de Almeida Mendonça, 48 anos, paulista de Santos/SP), há que se concluir que o EX-AGU reúne todos os predicados constitucionais para preencher a vaga de Ministro do STF.

Isto porque, possui notório saber jurídico, sendo jurista de carreira. Foi professor em Faculdades de Direito. Possui Mestrado e Doutorando pela Universidade de Salamanca (Espanha). Exerceu o cargo de advogado da Petrobrás Distribuidora. Na AGU ocupou a função de Chefe do Departamento de Patrimônio e Probidade Administrativa, sob a gestão de Dias Toffoli (AGU à época). Foi Ministro da Justiça e Advogado Geral da União, no atual governo. Como AGU recebeu o Prêmio Innovare/2011, por adotar práticas eficientes no combate à corrupção. André Mendonça é autor de diversas obras jurídicas.

No requisito constitucional da vida pregressa, isto é, reputação ilibada, o novo ministro do STF é cristão, é teólogo, foi pastor presbiteriano, é conservador, casado e pai de dois filhos. Sustenta a seu favor boa fama e não se envolveu em casos de corrupção ou outros delitos (até que se prove o contrário).

No aspecto político, destacamos que:

A nomeação de André Mendonça para Ministro do STF suscita apreensão e, até mesmo, temor em parte da classe política e os integrantes do Supremo, haja vista que a filosofia (cristã e anticorrupção) de vida do novo ministro é antagônica aos interesses daquela classe.

Leia Também:  Enxergar outros campos de atuação pode ser a solução para o mercado de arquitetura e urbanismo

Neste sentido, a dúvida é: Como será a atuação do novo ministro diante desses casos e julgamentos no Supremo Tribunal Federal? Há quem diga (parlamentares, juristas, jornalistas e população) que a atuação será ‘contaminada’ pela filosofia de vida e o apoio ao governo Bolsonaro.

Todos sabem que no Supremo tramitam pautas sensíveis para a sociedade brasileira envolvendo “temas polêmicos”, tais como, aborto; descriminalização do uso de entorpecentes; Lava Jato e criminalização de homofobia. Tais temas fazem parte da famosa “Pauta de Costumes”.

É fato, que no Brasil o STF “faz política” (atribuição estranha – inconstitucional) e, igualmente, certo que o Presidente da República (independente de quem ocupe o cargo) usa da prerrogativa constitucional (Parágrafo único do Art. 101, CF/88) para influir/intervir na composição e julgamento do Excelso Pretório.

Por outro lado, de acordo com a lei, um juiz (ministro) do Supremo deve, precipuamente, decidir/julgar de acordo com a Carta Magna de 1988 (interpretando-a e defendendo-a); obedecendo as leis; observando os princípios e fiel à sua própria consciência. Não é assim que o fazem os 10 atuais ministros da Suprema Corte, os quais são, declaradamente, iluministas e progressistas?

Os mais cautelosos e sábios ponderam que resta ao país aguardar para saber, na prática, como será o mister do novo Juiz do Supremo Tribunal Federal, o Dr. André Mendonça. Portanto, tendo sido aprovada a sua nomeação, cabe ao Presidente do STF, Min. Luiz Fux agendar a posse de André Mendonça. Segundo Fux será ainda neste ano, provavelmente, no dia 16.12.2021, no plenário do STF.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA