Internacional

Trabalhadores e autônomos italianos terão que ter o  Green Pass para poder desempenhar sus atividades e gera revolta no país

Publicados

em

JB News

Da Redação

Foto: Tiziana FABI / AFP

Iniciou nesta sexta-feira 15.10 na Itália, uma das medidas mais polemicas, que já tem gerado ondas de protesto pelos quatro cantos do país.

A partir de hoje, os trabalhadores italianos terão que ter e portar o  Green Pass  para poder desempenhar sus atividades, O Green Pass é o certificado de vacinação expedido pelo governo  confirmando que a pessoas já foi vacinada, e que possibilita a locomoção.

A decisão atinge não só os funcionários como também os autônomos, tantos as empresas domesticas, quanto as multinacionais.

O certificado obrigatório também serão exigidos nos bares, restaurantes, museus, academias e em praticamente todos os órgãos públicos e privados.

A ideia é que seja banido da Itália o sentimento antivacina.

Diante da atitude radical tomada pelo Primeiro Ministro Mario Draghi, já tem lhe custado um grande desgaste. A oposição política realizada pelos partidos, Liga, e Irmão da Itália tem liderados os protestos contra o certificado obrigatório, Segundo os representantes dos partidos a medida é inconstitucional.

Leia Também:  Mineração movimentou mais de R$ 4,6 bilhões em um ano apenas em Mato Grosso

13 pessoas foram detidas nesta sexta por tentar invadir a sede do governo, segundo informações são de que os manifestantes pertencem a e partidos fascistas.

Além do Salvo Conduto, as pessoas terão de apresentar aumentos um documento de que já recebeu pelo menos a primeira dose da vacina. Pelo menos três milhões de trabalhadores ainda não vacinaram.

Caminhoneiros e estivadores anunciaram uma greve para os próximos dias, a preocupação do governo é com o bloqueio do trafego naval, que impulsiona o país.

Para os comentaristas políticos, essa é primeira vez que Draghi terá dificuldades de implementar uma medida.

 

COMENTE ABAIXO:

Internacional

Brasileira é destaque nos Estados Unidos levando a sua arte

Publicados

em

Por

JB News

Por Ana Barros

Ao olhar para trás, Flávia Carvalho Jackson, artista plástica, relembra tudo que passou para ter um encontro com sua vocação profissional e artística. De natureza empreendedora, aos 16 anos já vendia doce na escola. Em sua vida já empreendeu várias vezes, porém foi na arte que encontrou sua verdadeira vocação.

Filha de socióloga, sua mãe criou seus três filhos sozinha, com muito esforço e dedicação. Aos 23, começou a viajar mundo afora. Aos 30 anos abriu uma agência de turismo e aos 37 anos mudou-se para Miami.
Ao chegar em Miami, uma situação completamente diferente do Brasil, Flavia precisou empreender novamente ao aprender um novo idioma e se redesenhar profissionalmente mais uma vez.

 

Flávia Carvalho Jackson, artista plástica.

Flávia vive na América há 7 anos e além da arte, o país lhe apresentou o amor, foi lá que conheceu seu esposo. De forma entusiasmada, a artista nos revela que o marido contribuiu para se conectar ainda mais com a arte, a convivência, conversas sobre música, cultura e arte onde ficou evidente a afinidade pelos mesmos gostos, aproximando-os cada vez mais. Porém há apenas um ano começou a pintar e hoje se sente realizada por tudo que vem acontecendo em sua vida.

“Na vida a gente tem a oportunidade de ser coadjuvante ou protagonista” e Flávia conta que sempre tentou ser protagonista da sua história, sempre buscando o verdadeiro sentido da vida e o que realmente vale a pena, nesta vida tão linda e breve.

A conexão

Leia Também:  Governador de MT se reúne com príncipe Charles e ministro do Meio Ambiente da China

Apesar de já ter uma forte conexão com a arte e ser apaixonada, o despertar veio ao receber de presente do seu sogro, um baú de madeira que pertenceu a mãe dele, que foi professora de arte, ela conta que quando abriu o baú foi tomada de muita emoção, pois havia objetos, recibos, pincéis, e especialmente uma pintura em papel datada de 1960, que ao olhar, sentiu-se inteiramente tocada.

As lembranças do momento ainda são fortes, Flávia conta que imediatamente parou tudo

o que estava fazendo e foi enquadrar, ao voltar para seu escritório, com a pintura em mãos, colocou atrás da mesa de escritório, e era como se a imagem se comunicasse com ela de forma muito forte. “Me perguntei como pode um pedaço de papel com algumas cores e formas e uma assinatura ter me tocado tanto e como pode a pessoa que o fez a mais de 60 anos atrás, estar aqui tão presente, em forma desta arte. Imediatamente voltei na loja que enquadrei a arte e comprei suplementos para eu começar a pintar. Naquela noite fiz meu primeiro quadro e eu não consigo descrever tamanha a satisfação e alegria em só poder olhá-lo”, relembra.

A oportunidade

Flávia conta que nunca estudou arte, é auto-didata e foi aprendendo com as pinturas que ia fazendo, expondo suas obras no Instagram. De abril para cá, pintou mais de 100 peças até que foi convidada para expor junto com outras mulheres no Mark arts, museu que pertence à família kock, referência em arte no mundo. Foi nesse evento que o inesperado aconteceu, em meio a tantas artes maravilhosas de grandes artistas, uma obra sua foi elogiada por um artista renomado, James Gross (Jim Gross), que tem suas peças em museus importantíssimos ao redor do mundo.

Leia Também:  Acordos na Cop 26 selam compromisso de MT com o meio ambiente, avalia Max Russi

A brasileira descreve o elogio, como algo surreal, Jim elogiou a sua arte e no meio artístico, quando um artista renomado faz esse tipo de elogio, em especial á um artista novo, abre-se grandes portas, “Ele viu talento na minha arte, e isso é como uma chave garantida para o sucesso de um novo artista”, além do elogio, ela conta que também nessa exposição vendeu a sua maior peça para uma colecionadora de artes. Esses dois fatores geraram oportunidade e portas abertas para novas exposições em galerias e tem impulsionado sua carreira artística.

Com alegria e gratidão, ela pontua que o fato de ter sido convidada tão rapidamente para expor em um evento desse porte, sua arte ter sido elogiada e ter vendido sua peça para uma grande colecionadora, foram os elementos que juntos impulsionaram a carreira de forma tão rápida, inclusive com convites para expor em Miami e no Brasil.

Aos 44 anos, com ascensão no mercado internacional, a artista diz que quer levar sua arte para o Brasil, sua terra natal e participar de projetos sociais. “Aonde a minha arte puder chegar eu quero estar. Tudo que você faz com amor e dedicação é impossível não dar certo”, finaliza Flávia.

Instagram- https://www.instagram.com/p/CWTF24elN38/?utm_medium=copy_link

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA