AGRONEGÓCIOS

Produtores rurais avaliam que plantio de soja até fevereiro reduzirá custos em Mato Grosso

Publicados

em

 

O plantio de soja em Mato Grosso agora pode ser realizado até o dia três de fevereiro de 2022, tendo janela iniciada no dia 16 de setembro. A novidade traz boas expectativas aos produtores rurais que podem utilizar o maior tempo de plantio para poder produzir a própria semente, o que deve reduzir os custos com a compra do insumo e com a quantidade de defensivos agrícolas utilizados em seu cultivo.

A possibilidade de plantio de soja em fevereiro se dá a partir da Portaria nº 389, de 1º de setembro de 2021, publicada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), que atendeu ao anseio da maioria dos produtores representados pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja MT).

Para o presidente da Aprosoja-MT, Fernando Cadore, a nova regra é uma grande conquista para o produtor de soja do Estado. “A calendarização anterior foi estabelecida em 2015, não representava a realidade prática vivida pelo produtor no campo, o que foi comprovado cientificamente, inclusive mostrando uma sanidade e uma qualidade melhor do grão, quando plantado para semente em fevereiro”, afirma.

Leia Também:  Aliança Agroeconômica lança relatório do 3° trimestre de 2021  

Para o presidente do Sindicato Rural de Canarana, Alex Whish, essa possibilidade de plantio da soja até fevereiro deve ampliar o número de agricultores que vão produzir a própria semente, grupo que hoje é formado por pelo menos 30% dos sojicultores mato-grossenses.

“Existe uma lacuna com a falta de sementes em Mato Grosso, além de encontrarmos problemas de germinação e vigor nos grãos para plantio disponíveis no mercado. Para a agricultura mato-grossense, plantar a soja para semente será fundamental para o desenvolvimento da nossa cultura”, avalia.

Whish destaca que uma das vantagens do plantio até fevereiro é que se reduz a necessidade de utilização de defensivos agrícolas, principalmente, fungicidas, já que é um período de menor umidade. Essa possibilidade de menor custo tem gerado interesse em muitos produtores, principalmente, em razão da precificação do custo de produção influenciado pelo dólar em alta, e pelos problemas de produção de insumos já anunciados pela China, que podem encarecer ainda mais os defensivos.

Leia Também:  Fórum reforça a importância de compartilhar responsabilidades para prevenir a febre aftosa

O produtor rural em Matupá, Leonardo Luiz Oss, também aposta na redução direta de custos com a nova janela de plantio. Ele ainda avalia se já vai plantar soja para semente ainda nesta safra, e que a decisão dependerá também da oferta do grão no mercado. Ele reforça que outros fatores também pesam em torno dessa questão, como a estrutura para armazenar a semente.

O presidente do Sindicato Rural de Vera, Rafael Bilibio, explica que o custo por quantidade de semente suficiente para o plantio de um hectare, quando comprado das sementeiras tem girado em torno de R$ 500 a R$1 mil. Com o plantio dessas sementes feito pelos próprios produtores rurais, esse custo deve se situar em torno de R$ 400, incluindo o pagamento do royalty. “A alternativa de plantio vai trazer enorme benefício, criando estoque regulador no mercado, e garantindo liberdade para os produtores produzirem sua própria semente”, pontua.

CRÉDITO DAS FOTOS: LUCAS NINNO.

COMENTE ABAIXO:

AGRONEGÓCIOS

Custo de produção salta 84% em 3 anos e torna-se o maior desafio dos suinocultores de Mato Grosso

Publicados

em

Por

Estudo divulgado pelo Imea no 1º Simpósio da Suinocultura de Mato Grosso, mostra que o milho é o maior responsável pelo aumento, com valorização de 70% na relação de troca do quilo do suíno com a saca de 60 kg do grão

O custo de produção tem tirado o sono dos criadores de suínos em Mato Grosso. O vilão desta vez é o milho, principal componente da alimentação dos suínos. De acordo com especialistas, o custo da produção da proteína mais consumida no mundo deve ser o maior desafio para suinocultores estaduais no próximo ano. O assunto, de suma importância para a viabilidade da atividade no Estado, foi debatido na manhã desta terça-feira (30.11), no 1º Simpósio da Suinocultura de Mato Grosso, realizado pela Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat).

De acordo com estudo realizado em parceria entre o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), Embrapa Aves e Suínos e a Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat), o custo para produzir um quilo de suíno vivo em Mato Grosso subiu 84% entre 2018 e 2021. Para o diretor geral da Agroceres PIC e diretor presidente da Associação de Genéticas de Suínos (ABEGS), Alexandre Rosa, o cenário futuro é de melhora para o setor, mas é essencial que neste momento de elevado custo a gestão das granjas seja prioridade para os produtores.

“Nossa previsão é que devido à boa safra de milho deste ano o custo de produção para os próximos meses deve pesar um pouco menos no bolso dos produtores, e a demanda doméstica deve aquecer à medida que a pandemia for diminuindo. Isso dá sinais de um cenário mais favorável aos suinocultores. Mas, neste momento, em que o custo de produção preocupa os produtores, a melhor orientação é manter o foco na gestão de ganhos em eficiência dentro das granjas, minimizar custos e aumentar produtividade”, pontua.

Leia Também:  Algodão: nova biotecnologia promete maior proteção contra ataque de lagartas

Ainda de acordo com o Imea em outubro de 2018 eram necessários 7,13 kg de suíno para aquisição de uma saca de 60 kg de milho, enquanto que em outubro de 2021 são necessários 12,3 kg de suíno para compra da mesma quantidade do cereal, uma alta superior a 70% em três anos. O superintendente do Imea, Cleiton Gauer, que palestrou sobre o panorama da atual da suinocultura em Mato Grosso no Simpósio, apontou que o aumento no custo de produção desestimula a produção no Estado, o que pode impactar no desempenho da proteína no mercado nacional e nas exportações.

“Temos alguns pontos que podem auxiliar o segmento neste momento, como a criação de novos mecanismos que possam aliviar o custo dos produtores com a ração, possibilitando a compra do milho a preços menores. Além disso, existe a necessidade de abrir mais rotas comerciais, pois apesar de sermos o 4º maior exportador de carne suína do Brasil, Mato Grosso possui 40 parceiros comerciais a menos que o Paraná, que é o 3º maior exportador do país, por exemplo”, explica.

Leia Também:  Técnicos do projeto FPS percorrem propriedades para validação de dados da pecuária

Para o presidente da Acrismat, Itamar Canossa, as palestras sobre o panorama da suinocultura servem para nortear os produtores e municiá-los de informações para que possam tomar as melhores decisões para seu negócio. “Recebemos muita informação sobre o atual cenário da suinocultura no Brasil e no mundo, principalmente com informações dos grandes players neste segmento, como a China e os Estados Unidos, além de projeções para o curto e médio prazos da atividade aqui no Mato Grosso e no país”, diz ao acrescentar que o Simpósio estimulou o debate sobre as alternativas possíveis para manter o setor competitivo no mercado nacional, especialmente neste momento de alto custo de produção.

Raio-X da Suinocultura

Segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2020, a suinocultura mato-grossense produziu mais de 315 mil toneladas de carne suína e possui um rebanho de aproximadamente 2,6 milhões de cabeças. Ainda de acordo com o Instituto, apenas 20,8% da produção são destinados para o consumo doméstico (dentro do Estado), enquanto 66,2% são destinados para o mercado interestadual e apenas 13% são exportados.

De acordo com a Secretaria de Comércio Exterior (Secex), entre janeiro e até o início de outubro deste ano, Mato Grosso exportou carne suína para 23 países, enquanto o Rio Grande do Sul, 2º maior produtor do país, embarcou a proteína para 72 países no mesmo período.

Paola Carlini
Fabiana Reis
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA