CUIABÁ

Processo licitatório para revitalização do Parque de Exposição Senador Jonas Pinheiro é republicado

Publicados

em

A sessão pública de abertura da concorrência está marcada para a próxima terça-feira (14), às 9h, no Palácio Alencastro

BRUNO VICENTE

A Prefeitura de Cuiabá republicou nesta sexta-feira (10) o aviso de abertura de licitação para execução da obra de revitalização do Parque de Exposição Senador Jonas Pinheiro. O processo é coordenado pela Secretaria Municipal de Obras Públicas, em parceria com a Secretaria Adjunta Especial de Licitações e Contratos. A sessão pública de abertura da concorrência está marcada para a próxima terça-feira (14), às 9h, no Palácio Alencastro.

Para serem consideradas habilitadas, as empresas interessadas devem seguir todas as especificações e condições estabelecidas no edital e anexos disponíveis no Site de Licitação da Prefeitura de Cuiabá. As exigências fixadas visam atender o contrato de repasse nº 865935/2018 , firmado entre o Município, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e a Caixa Econômica Federal (CEF).

Seguindo a determinação do prefeito Emanuel Pinheiro, a intervenção na tradicional estrutura de eventos será feita contando com a participação ativa do Sindicato Rural de Cuiabá, Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), Nelore MT e outras entidades que utilizam o espaço. Em 2019 as entidades entregaram ao prefeito Emanuel Pinheiro o projeto de reestruturação, que foi analisado e aprovado pelo Município.

Leia Também:  Prefeito Emanuel Pinheiro solicita estudo para começar a imunização de idosos com a dose de reforço em Cuiabá

“A gestão Emanuel Pinheiro tem colocado em prática um grande plano de valorização dessa região. Já entregamos o Viaduto Murilo Domingos, a Avenida Beira Rio foi recapeada e recebeu nova iluminação, estamos requalificando o Mercado do Porto, e ainda vamos retomar as obras da Orla do Porto II e do Cais do Porto. São ações conjuntas que valorizam nossa cidade”, destaca o vice-prefeito e secretário de Obras Públicas, José Roberto Stopa.

O recurso destinado para a revitalização é de R$ 18.048.248,46. A verba é fruto de convênio entre a Prefeitura, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e a Caixa Econômica Federal. Conforme a divisão, R$ 17.260.617,76 são oriundos do Orçamento Geral da União, conseguidos por meio de articulação do ex-ministro da Agricultura, Blairo Maggi, e outros R$ 787.630,70 de contrapartida do Município.

A ideia é potencializar o uso da área de mais de 140 mil metros quadrados, que já abriga durante todo o ano a realização de diversos eventos voltados para o setor do agronegócio. A partir desse processo, o Parque de Exposições deve tornar-se mais uma imprescindível ferramenta dentro do trabalho desenvolvido pela Prefeitura de Cuiabá, visando fomentar e impulsionar a economia da Capital.

Leia Também:  Conexão TCE será lançado no próximo dia 23 em Primavera do Leste

 

COMENTE ABAIXO:

CUIABÁ

Mercado do Porto é reconhecido como patrimônio histórico, artístico e cultural

Publicados

em

Por

 

Foto: MAURICIO BARBANT / ALMT

Já está em vigor a Lei 11511/21, que declara como patrimônio histórico, artístico e cultural imaterial, o Mercado do Porto, de Cuiabá. Numa iniciativa do primeiro-secretário da Mesa Diretora da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), defensor ferrenho de melhorias aos feirantes e trabalhadores da agricultura familiar.

Popularmente chamado de Campo do Bode, o Mercado do Porto se tornou um dos pontos turísticos da Capital, com estrutura coberta que abriga 480 boxes, que oferecem imensa variedade de produtos de qualidade, como peixes, verduras, legumes, cerais e frutas.

De acordo com o Jorge Antônio Lemos Junior, presidente da Organização do Mercado do Porto, entidade que representa os permissionários desse espaço oferecido aos feirantes, a iniciativa é o reconhecimento aos trabalhadores e frequentadores do local.

“A lei do deputado Eduardo Botelho é uma grande conquista para nós porque, além de termos o reconhecimento simbólico, teremos muito mais possibilidades de captar recursos públicos para melhorar o Mercado do Porto, as condições de vida e de trabalho dos permissionários e a qualidade do serviço prestado ao consumidor”, comemorou Lemos Junior.

Botelho já trabalhou nas feiras livres e agricultura familiar, e tem gratidão por tudo que vivenciou à época. “O reconhecimento do Mercado do Porto como Patrimônio Histórico, Artístico, Cultural e Imaterial tem o objetivo de proteger, preservar e difundir a riqueza cultural do local, que é, sem dúvida, uma referência em Cuiabá e Mato Grosso”, avalia Botelho.

Leia Também:  Cuiabá joga contra o Fluminense nesta segunda-feira na Arena Pantanal

HISTÓRIA – Na justificativa do projeto que virou lei, Botelho fez uma retrospectiva sobre a história do Mercado do Porto. Confira:

As primeiras lembranças do que é hoje o Mercado do Porto de Cuiabá, surgem em meados de 1960, conforme registro da memória oral de feirantes remanescentes da primeira grande feira pública e popular da capital de Mato Grosso.

A feira nasceu na região central de Cuiabá, na praça Rachid Jaudy, no meio da avenida Isaac Póvoas, com pouco mais de 10 feirantes, expondo seus produtos em charretes e algumas poucas barracas improvisadas e, ao longo dos anos, foi mudando de lugar, de acordo com o aumento dos feirantes e o crescimento dos consumidores.

Embora sejam raras as pesquisas históricas, feirantes mais antigos relatam que a feira saiu da praça Rachid Jaudy, na década de 50, para o espaço entre o estádio Presidente Dutra e o Arsenal de Guerra, depois foi para a Avenida da Prainha, atrás do Quartel da Polícia Militar, onde hoje é o Shopping Popular. Funcionou no bairro Verdão; na praça Maria Ricci, no Porto; Mercado do Peixe, atual Museu do Rio. E, em 10 de fevereiro de 1995, foi instalado na avenida 8 de abril, no local chamado popularmente de Campo do Bode, entre o córrego Mané Pinto e o Rio Cuiabá.

Leia Também:  Medeiros destaca atuação de ministra na defesa da criança e do adolescente

Hoje é um complexo comercial varejista composto por 167 permissionários divididos por setores de pescados, açougues, frios, doces, lanchonetes, restaurantes, hortigranjeiros, rações e similares, confecções e utilidades domésticas. O Mercado funciona de terça-feira a domingo, embora alguns comércios abram nas segundas-feiras. Em média, 120 mil pessoas frequentam o mercado por mês.

Além de importante entreposto comercial, o Mercado do Porto de Cuiabá desponta como um dos principais ambientes de circulação. Mantém o método tradicional de preparo de peixes, retirando a espinha e fazendo cortes especiais. Também oferece raridades da gastronomia cuiabana, como o pixé, o furrundú, o doce de caju, as bananinhas fritas, além de frutos típicos da região do cerrado, como o pequi, dentre vários outros ícones da cultura regional.

Fonte: ALMT
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA