Cidades

Presidente do Crea-MT homenageia profissionais ao inaugurar auditórios no interior de MT

Publicados

em

 

O presidente do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (Crea-MT), engenheiro civil Juares Samaniego, inaugurou no último dia 22 de julho, o auditório eng. Ronaldo Faria da inspetoria do município de Diamantino. E no dia 23 de julho, o auditório Luiz Alberto Castilhos de Souza da inspetoria do município de Nova Mutum.

Nos dos municípios, o presidente Juares homenageou o engenheiro agrimensor Ronaldo Faria e o arquiteto Luiz Alberto Castilhos de Souza, ao entregar aos familiares dos profissionais a placa em “In Memorian” pelos relevantes serviços prestados por Ronaldo Faria e Luiz Alberto do Sistema Confea/Crea e a comunidade Mato-grossense.

“ É com orgulho e satisfação que o Crea Mato Grosso presta homenagem a esses profissionais que desenvolveram brilhantes trabalhos em prol da sociedade. Ao levar o nome do engenheiro e arquiteto marca história dos relevantes serviços prestados por esses profissionais”, disse Juares.

Ainda segundo presidente do Crea-MT, os auditórios atenderão os profissionais da Engenharia, Agronomia e Geociências dessas regiões, através de espaço amplo para cursos, palestras e eventos ligados ao Sistema Confea/Crea.

Leia Também:  Empreendimentos de 30 municípios de MT serão alvo da fiscalização do Crea-MT em setembro

“ O filho do engenheiro Ronaldo, Renato Faria expressou a grande importância do trabalho do pai na Engenharia. “ Desde quando era criança acompanhei os trabalhos do meu pai na Agrimensura. Profissão desempenhada com amor e honestidade”, disse Renato.

O evento contou com a participação do diretor-financeiro do Crea-MT conselheiro, engenheiro civil, André Luiz Schuring, inspetores chefes de Diamantino engenheiro sanitarista Alberto Duailibi Junior e de Nova Mutum, engenheiro civil Ricardo Bernardi, profissionais das regiões, familiares e amigos de homenageados e outros convidados.

 

 

Cristina Cavaleiro/ Gerência de Relações Públicas, Marketing e Parlamentar (GEMAR)

COMENTE ABAIXO:

Cidades

MPMT destina R$ 46 mil a projeto de castração solidária em Sinop

Publicados

em

Por

O Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da 3ª Promotoria de Justiça Cível de Sinop (a 500km de Cuiabá), destinou R$ 46.287,30 à Associação Atitude Real de Carinho e Amor (Arca) – Castração Solidária, nos últimos cinco meses, para aplicação na Campanha de Seleção para Castração de Animais de Tutores Carentes. Os recursos são oriundos de Termos de Ajustamento de Conduta (TACs) e outros acordos firmados pela instituição. A Arca, que é cadastrada no Banco de Projetos e Entidades (Bapre) do MPMT, já castrou mais de 100 animais em Sinop, entre gatos e cachorros, fêmeas e machos.

A iniciativa seleciona tutores com renda familiar de até trêssalários-mínimos. Após aprovada a solicitação e autorizada a castração, o tutor é encaminhado para uma das clínicas credenciadas, onde é agendado o dia da castração. O projeto custeia o transporte, até dois exames pré-cirúrgicos, cirurgia com anestesia inalatória, medicação pós-cirúrgica, avalia a necessidade individual de cada animal sobre itens de segurança (cones e roupinhas) e o transporte de volta para casa. Animais de rua também são beneficiados, desde que um tutor se responsabilize por ele.

O promotor de Justiça Pompílio Paulo Azevedo Silva Neto destaca a importância da iniciativa para a saúde pública. “A castração de animais de rua ou que tenham como tutores pessoas de baixa renda ajuda a fazer um controle da quantidade de animais em circulação, evitando assim o abandono e a propagação de zoonoses. Como a população de baixa renda muitas vezes não tem acesso a esse serviço em razão do custo elevado, a iniciativa ganha também um viés social. Assim, o Ministério Público está cumprindo com o seu papel na defesa da cidadania e dos direitos sociais”, argumentou.

Conforme a presidente da associação, Caroline Perin, a parceria com o MPMT é essencial para o projeto. “Um dos nossos problemas é a falta de verba. Durante a pandemia, tivemos que parar as ações, como venda de rifas e de biscoitos. Os recursos destinados pelo Ministério Público permitem que a iniciativa caminhe”, contou. Ela argumenta que a castração evita crias indesejadas, doenças zoonóticas e doenças nos animais, além de diminuio número de animais nas ruas e, em alguns casos, reduzir comportamentos indesejados como territorialismo e agressividade.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Juiz indefere pedido da CDL e mantém “passaporte ante-covid” para entrar no comércio em Rondonópolis
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA