POLITICA

PLC tira MTI da extinção e a transforma em empresa essêncial para administração pública do Estado de MT

Publicados

em

JB News

Por Alisson Gonçalves

O debate sobre a função, necessidade, o fechamento dempresa pública, começou desde a entrada do Mauro Mendes (DEM), ao cargo de  governador de MT, na época foi criada um pacote de redução de Empresas de MT, uma delas estava a MTI e a EMPAER.

A MTI é uma Empresa pública provedora de inteligência, serviços e soluções tecnológicas eficientes e integradoras para o Estado.

E nesta quarta-feira 15.12, os deputados debateram mais uma vez as diversas possibilidades para a MTI.

Foi concovado Marcelo Paes de Barro,  funcionário da empresa de tecnologia  para  discutir o projeto, e sobre o que realmente faz a empresa, e a sua  sustentabilidade e viabilidade  para o Estado De MT.

Onde foram apresentados todo o cronograma e desenvolvimento e ganho que o Estado vem tendo com a manutenção da entidade, e o seu papel social.

De acordo com Marcelo foi apresentada pra a  Deputada Janaína Riva (MDB), ainda  nesta quarta-feira, um novo projeto de lei complementar (PLC), para retirada da PLC 42,  aprovada pelo Comissão de Justiça, que retira a empresa MTI da extinção e a transforma em empresa essêncial para administração pública do Estado de MT.

Leia Também:  Gefron apreende 67 kg de cocaína e recupera veículos roubados em região de fronteira

Hoje a empresa MTI é responsável por vários sistemas do governo sai detentores da informação Data Center que controlas os dados do cidadãos matogrossense na mãos de terceiros.

 

COMENTE ABAIXO:

POLITICA

Max Russi não descarta ação do Legislativo contra a Rota do Oeste: “Pedágio precisa parar”

Publicados

em

Por

JB News

 

A concessão ingressou com pedido de devolução “amigável” do trecho de 850 km. Enquanto isso, motoristas sofre com falta de investimentos e acidentes acontecem devido a problemas estruturais.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB), não descarta a possibilidade de uma representação, por meio da Procuradoria do Legislativo, em desfavor da Rota do Oeste, concessionária que administra a BR- 163, entre os municípios de Itiquira e Sinop.

A concessão, controlada pelo grupo OTP (Odebrecht Transport), ingressou com pedido de devolução “amigável” do trecho de 850 km à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) no ano passado, dada a inadimplência das obrigações de investimentos, no entanto não interrompeu a cobrança do pedágio. Russi aguarda uma movimentação por parte do Ministério Público, tanto federal quanto estadual, sobre o caso.

“Não tem a obra, os buracos estão abrindo e o povo tá pagando. Acostamento alto, acidente toda semana, vidas se perdendo e a gente que tomar providencia”, denuncia.

Uma das soluções paliativas, apontadas pelo parlamentar, até que uma nova concessão seja licitada e os problemas estruturais em diversos trechos sejam solucionados, é a liberação das cancelas.

Max Russi citou o exemplo de rodovias do Paraná, onde praças de pedágio tiveram que interromper as cobranças, devido ao termino das concessões, que duraram 24 anos, com as tarifas mais caras do país. “No Paraná teve um problema parecido, não está cobrando pedágio e os motoristas estão passando livremente”, exemplificou.

Leia Também:  Nova variante do coronavírus de nome Deltacron é descoberta

Quem concorda com essa medida, proposta pelo presidente da Assembleia, é o motorista autônomo Valdenor José da Costa (43) que utiliza o trecho entre Sorriso de Rondonópolis. O morador de Juscimeira, que também tem sofrido com problemas estruturais da rodovia, que corta o município, relata um cenário de verdadeiro descaso.

“A BR está abandonada, principalmente no trecho de Rosário do Oeste a Jangada, não tem acostamento. De Cuiabá a Rosário merecia duplicação porque ali nem acostamento tem. Em um dia de chuva tiveram 7 acidentes. Essa Rota Oeste só está arrecadando e não estão fazendo nada pelo motorista, fica tudo abandonada, sinalização toda tampada pelo mato, buraqueira”, relatou.

Outra sugestão do parlamentar é uma ação coletiva, por parte dos motoristas que estejam se sentido lesados pela Rota do Oeste. “Não é correto a empresa receber pedágio. Já era para ter entregado a obra em 2019, não entregou e está ganhando com isso”, avalia.

Max Russi vem travando lutas contra as irregularidades cometidas pela empresa desde sua primeira legislatura, quando ingressou com uma ação no Ministério Público Federal (MPF), solicitando a suspensão imediata da cobrança de pedágio no trecho entre Cuiabá a Rondonópolis, que na época não havia sido duplicado em ao menos 10%, além de apresentar muitos buracos e falta de sinalização.

Leia Também:  Sergio Moro é hostilizado em sua rede social

Na época, o pedido do parlamentar também foi fundamentado em relatório técnico emitido pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (CREA/MT), que apontava várias irregularidades no fornecimento dos serviços pela concessionária, além de reclamações constantes de motoristas e moradores da região.

Em outubro do ano passado o deputado Max Russi chegou a coletar 15 assinaturas dos colegas deputados estaduais, para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, com a intenção de investigar a concessão da BR-163. Desde então, a empresa decidiu pela devolução da rodovia a União.

“Eu concordo em trocar e empresa, mas seja uma concessionária que cumpra com o seu papel, faça os investimentos necessários e que de segurança e alívio aos motoristas, que utilizam a essa rodovia”, disse.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA