MEIO AMBIENTE

Pantanal Mato-grossense reduziu em 80% o número de focos de calor

Publicados

em

JB NEws

Por Caroline Rodrigues

 

No ano passado, local foi palco de uma tragédia por conta dos incêndios florestais

O número de focos de calor no Pantanal Mato-grossense reduziu entre 92% e 80% este ano em relação ao ano passado. Os dados são do Corpo de Bombeiros, que junto com os moradores locais, se mostram otimistas em relação à área, que no ano passado, foi palco de uma tragédia por conta dos incêndios florestais.

Segundo o major do Corpo de Bombeiros, Rafael Ribeiro Marcondes, atualmente, a preocupação está em torno da Baía Guató. Lá, no começo do mês, houve a ocorrência mais grave desde o começo da estiagem.

Por ser um local de mata densa e difícil acesso – se chega apenas por embarcações ou aeronaves -, o combate às chamas fica prejudicado.

“Alguns moradores continuam a nos relatar sinais de fumaça vindos do local. Porém, estamos acompanhando e, até agora, a situação está sob controle”, afirmou o major.

Em relação às propriedades rurais, Marcondes diz que a redução dos focos tem três motivos básicos. A primeira delas é a falta de material combustível, já que a biomassa foi toda consumida no ano passado.

Leia Também:  Equipes da Prefeitura de Várzea Grande alertam população sobre os riscos do descarte irregular de lixo

A segunda é a formação de brigadistas e a própria conscientização das pessoas em relação aos danos que podem ser causados pelas chamas.

Desde o começo do ano, os Bombeiros, junto com o Sindicato Rural de Poconé, Guardiões do Pantanal e demais organizações civis da região iniciaram a qualificação de moradores para lidar com o fogo.

Além de capacitar as pessoas para agir em ocorrência, os trabalhos auxiliaram a comunicação entre os envolvidos no combate às chamas.

“Muitos lugares são de difícil acesso e as equipes demoram a chegar. Então, com a descentralização, tanto a comunicação como a ação são mais imediatas, evitando a expansão das chamas”, afirmou.

O presidente do Sindicato Rural de Poconé e membro do Guardiões do Pantanal, Raul dos Santos, explica que a comunidade está mobilizada diante do problema. Participou dos cursos e está atuante diante das políticas de prevenção.

Na avaliação dele, muitos pontos avançaram este ano, como o treinamento dos brigadistas, porém há muito o que fazer. Entre as reivindicações locais está a melhoria das infraestruturas, principalmente as estradas boiadeiras e as pistas de pousos, bem como a construção de poços e represas para que as equipes não precisem se deslocar por grandes áreas para abastecerem os carros-pipa.

Leia Também:  Prefeitura de Cuiabá cria comissão de acompanhamento das metas do Desenvolvimento Sustentável da ONU

Existe ainda uma preocupação latente que são as fazendas abandonadas. Nas áreas, não são realizadas as ações preventivas, como a construção de aceiros e nem sequer a manutenção do acesso.

Os pontos foram um dos obstáculos enfrentados no ano passado, quando o bioma Pantanal teve 23 mil km quadrados consumidos pelo fogo.

Quem são os Guardiões

Os Guardiões do Pantanal são um grupo formado por integrantes das cadeias produtivas do Pantanal Mato-grossense. Eles se uniram após o desastre ambiental das queimadas, vivido em 2020, e pretendem realizar e apoiar ações que contemplem o desenvolvimento sustentável da região e a valorização da cultura pantaneira.

Também irão acompanhar e cobrar mudanças na legislação e a implantação dos projetos de infraestrutura que auxiliem a sobrevivência e evitem que a região seja consumida pelo fogo.

COMENTE ABAIXO:

MEIO AMBIENTE

Cuiabá registra redução de 63% nos focos de calor em vegetação no primeiro semestre 2021

Publicados

em

Por

Ações de prevenção e combate ao fogo se intensificam durante o período proibitivo de queimadas; Além da Capital, oito munícipios também tiveram uma expressiva queda

Carlos Celestino | Secom-MT

27 05 2021 – Inauguração da 8º Companhia Bombeiros Pontes e Lacerda
Foto por: Michel Alvim – SECOM/MT
A | A

Os focos de calor em vegetação apresentaram redução de 63% em Cuiabá no primeiro semestre de 2021, conforme mostra o relatório do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBMMT), que realizou um comparativo dos dados registrados no mesmo período do ano passado.

De acordo com o documento elaborado pelo Comando Regional I, de 01 de janeiro até 29 de julho de 2020, Cuiabá registrou um total de 63 focos de calor. Em 2021, o total registrado foi de 23 focos, o que representa uma queda de 63%.

Outra cidade que obteve bom resultado foi o município de Poconé, a 104 km de Cuiabá, que registrou uma queda de 96% nos focos de calor. De 01 de janeiro até 29 de julho, foram 782 focos. Em 2021, foram constabilizados apenas 34 focos de calor.

Os números positivos são reflexo da rápida atuação das equipes que têm conseguido combater as chamas, antes que se transformem em incêndios de grandes proporções. Para conseguir essa resposta imediata de combate, os militares têm realizado o monitoramento de todas as regiões do Estados, através das imagens via satélite.

“É importante entender que um foco de calor é registrado através do nosso sistema de monitoramento quando as chamas tenham atingido, aproximadamente mil metros, deste modo é plotado como foco. Nossas equipes têm atuado e conseguido conter esses incêndios, antes que tenha alcançado essa metragem, por isso tivemos essa redução nos focos de calor neste primeiro semestre do ano”, explicou o comandante do CRBM-I, João Paulo Nunes de Queiroz.
Os municípios de Barão de Melgaço, com 86%, Nossa Senhora do Livramento 85%, Jangada 82%, Nobres com 72%, Santo Antônio de Leverger 67%, Rosário Oeste 60%, Várzea Grande 43% e Planalto da Serra 33% também tiveram redução nos focos de calor.

Monitoramento por satélite
Créditos: Assessoria
No primeiro semestre de 2020, Mato Grosso registrou 8.550 focos de calor. Em 2021, mesmo período do ano passado, o total ficou em apenas 6.822, o que representa uma redução de 20,2%.
A comandante (BEA) Jusciery Rodrigues Marques destacou que o CBM conta apoio de pessoas qualificadas, pois durante o período de preparação ao combate dos incêndios, “nós capacitamos mais de 3 mil pessoas em todo Estado” para atuar na primeira resposta e evitar que as chamas se alastrem.
O período proibitivo de incêndios florestais em Mato Grosso vai de 1° de julho até 30 de outubro. Neste período, fica proibido o uso do fogo do fogo para manejo e limpeza de áreas. Dependendo das condições climáticas, a proibição do uso de fogo pode ser prorrogado.
Ação Estratégica
Para fase resposta à Temporada de Incêndios Florestais e desmatamento ilegal o Governo de Mato Grosso disponibilizou R$ 73 milhões com investimentos em equipamentos, viaturas helicóptero para diversas ações de combate e proteção dos biomas mato-grossense.
Com este investimento, o CBMMT e demais forças que exercem as ações de combate e controle ao e incêndios florestais no Estado estão atentos com realização de ações de combate e seguem monitoramento constantemente para identificar áreas que estão sendo destruídas de forma irregular com uso do fogo em Mato Grosso.
Denúncias e atendimentos
Para atendimento das ocorrências de incêndios florestais, deve ser acionado o número 193 do Corpo de Bombeiros. Já em caso de denúncias de queimadas nas áreas rurais o cidadão deve entrar em contato pelo 0800 647 7363.

 

Leia Também:  Incêndio florestal é registrado na Baía dos Guatós pela 2ª vez este mês

 

Outros sete municípios: Barão de Melgaço com 86%, Nossa Senhora do Livramento 85%, Jangada 82%, Nobres com 72% Santo Antônio de Leverger 67%, Rosário Oeste 60%, Várzea Grande 43% e Planalto da Serra 33% tiveram redução nos focos de calor foram.
A nível estadual, os dados de redução dos focos de calor foram de -88,42%, conforme detalhado no Informativo (13), período de 01 de janeiro a 25 de julho de 2021, compilado pelo Batalhão de Emergências Ambientais (BEA).
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA