POLITICA

Neri Geller integra comitiva oficial que viabiliza Arthur Lira à presidência da Câmara Federal

Publicados

em

 

Na Região sul do Brasil

JB News

Da Redaçã

Na Região sul do Brasil

O deputado Neri Geller do PP de Mato Grosso, vem se mostrando um grande articulador na Câmara Federal, após assumir vice-presidência da frente Parlamentar da Agricultura (FPA) uma das mais importantes comissões de debate no Congresso Nacional, agora se mostra grande articulador para eleger o deputado Arthur Lira (PP/AL), presidente da Câmara Federal.
Neri integrou nesta segunda-feira 18, a comitiva oficial que viabiliza a presidência da Câmara Federal tendo como candidato o líder do PP, deputado Arthur Lira.

A eleição para escolha do novo presidente acontece no próximo dia 01 de fevereiro. A mesa diretora da Câmara decidiu agora a pouco que a eleição irá acontecer de maneira presencial. O deputado Arthur Lira fez um post nas redes sociais onde afirma que “Prevaleceu o que é regimental, o que está na constituição”.


A eleição para escolha do novo presidente tem também o deputado baleia Rossi do MDB que também tem apoio de um grupo de deputados.
Na semana passada o deputado Neri Geller articulou uma reunião com toda a bancada federal de Mato Grosso em Cuiabá-MT. A reunião teve como pauta o pedido de apoio da bancada de Mato Grosso a candidatura de Arthur Lira, com presença da maioria dos parlamentares que hipotecaram apoio ao líder do centrão.

Leia Também:  Reunião entre Mauro e Bezerra sela apoio do MDB a Neri ao senado

A vinda articulada pelo líder de bancada deputado Neri, demostra alinhamento politico do Estado com o modelo de gestão defendido por Lira. Tido em Brasília como um grande articulador, extremamente hábil na condução de temas difíceis.
A partir de hoje a comitiva que viabiliza a presidência estará reunindo com os deputados de Porto Alegre na da região Sul do Brasil, a comitiva irá reunir com o governador Eduardo Leite e os deputados da bancada, em seguida darão entrevista na sede do PP.

Ao JB News Neri Geller, defendeu que “A Câmara precisa de voz, e que essa voz seja independente, que tenha autonomia para falar em nome dos deputados e levar à uma condução tranquila. Esse tem que ser o perfil do novo presidente da Casa, e Lira possui qualidades importantes de um líder: cumpre palavra, tem bom senso e é aberto ao diálogo. Pronto! Esse é o perfil que o novo presidente da Casa precisa ter, além de coragem para o enfrentamento de temas delicados, porém essenciais”.
Geller ainda avalia, que a agenda proposta por Lira vem diretamente ao encontro de temas essenciais não apenas para a economia brasileira, mas principalmente para por fim aos gargalos impostos aos estados produtores, como Mato Grosso, responsável por sustentar grande parte do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. O enfrentamento de temas como o licenciamento ambiental, a reforma agrária e a própria reforma tributária têm puxado para baixo o avanço do Brasil. “Mesmo com todos os entraves o Brasil, e no caso, Mato Grosso tem conseguido avançar porque somos pujantes, porque nossos produtores não recuam diante das dificuldades. Agora imagina se os produtores pudessem trabalhar em condições favoráveis?”, destacou Geller.

Leia Também:  Stopa assina termo de transmissão temporária das funções de prefeito

No tocante à má condição das rodovias em Mato Grosso, Lira defendeu que o avanço do tema somente ocorrerá diante de uma articulação forte e independente em Brasília, a exemplo da implantação da Ferronorte e da conclusão das obras de duplicação da BR-163 até os portos do Contorno Norte.

Veja a defesa de Arthur Lira em prol da agricultura:👇

COMENTE ABAIXO:

POLITICA

A pedido de Max Russi, ALMT vai instaurar CPI pra apurar concessão da BR-163

Publicados

em

Por

 

Parlamentar alega alto número de acidentes, no sentido Posto Gil, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde. O presidente da Assembleia Legislativa cita insegurança, com a falta de investimentos, e defende interrupção na cobrança dos motoristas, enquanto problemas perdurarem.

A Assembleia Legislativa deve instaurar, nos próximos dias, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), para apurar a concessão da BR-163 à Rota do Oeste. A proposta é do presidente do Parlamento, deputado Max Russi (PSB), e já tem aval de boa parte dos deputados estaduais.

“É um BR que é dentro do nosso estado, que foi dada uma concessão, que está faturando aí mais de R$ 500 milhões, por ano, cobrando pedágio, que toda semana você vê um acidente, uma insegurança muito grande”, argumentou.

Max Russi refere-se ao trecho no sentido Posto Gil, Nova Mutum e Lucas do Rio Verde, que, nos últimos meses, tem registrado alto índice de acidentes, principalmente com vítimas fatais.

O presidente do Parlamento contesta a cobrança do pedágio, que chega a custar R$ 7 reais em uma das praças. “Não é possível, essa duplicação já devia estar pronta em 2019 e não vemos avanços”, complementou.

Leia Também:  Virginia Mendes apresenta ações e programas sociais do Governo para prefeitas e primeiras-damas

No último sábado (16), em entrevista a uma rádio de Sorriso, o deputado Max Russi reforçou a cobrança por uma solução. Ele alega que os motoristas pagam a taxa para utilizar a rodovia, no entanto não recebem um serviço de qualidade por parte do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) e da concessionária responsável pela manutenção.

“A gente tem que saber quem está ganhando com isso, porque essa obra não sai. A Assembleia pode fazer esse papel e eu não posso estar nessa sozinho. Queríamos não precisar fazer isso, que já tivéssemos uma solução”, destacou.

Após a manifestação de Max Russi, na busca de uma justificativa, tanto da cobrança dos motoristas, quanto da falta de investimentos na rodovia por parte da concessionária, a Rota do Oeste emitiu uma nota, alegando a tramitação de um Termo de Ajustamento de Conduta, junto a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), apontado como uma solução para o reinicio dos trabalhos.

“O Termo de Ajuste de Conduta (TAC), parte importante da solução para a retomada das obras de duplicação na BR 163, de Mato Grosso, segue seu curso administrativo na Agência Nacional de Transportes Terrestres, ANTT. Não há risco de perda de validade do documento antes da assinatura pelas partes, que deve ser efetivada após a aprovação de seu conteúdo final pela diretoria do órgão federal. A concessionária ressalta ainda que confia na efetivação da proposta pela Agência e acredita que esta é uma solução melhor para os usuários da rodovia, independentemente da data exata da assinatura, o reinício das obras para o próximo período seco não se altera”, diz a nota oficial.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA