Economia

Lucimar antecipa 13º Salário para hoje e já planeja deixar na conta pagamento de janeiro de 2021

Publicados

em

JB News

Reunida com a equipe econômica de sua gestão, a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Sacre de Campos, anunciou que antecipou o pagamento do 13º Salário e do vencimento de dezembro para essa segunda-feira, 14 de dezembro o para 22 deste mês, respectivamente.
Somente essas duas folhas somam R$ 58,7 milhões e com este anúncio a atual gestão cumpre rigorosamente com o calendário salarial anunciado no início deste ano de 2020.
Lucimar Sacre de Campos assinalou ainda que trabalha para tentar fechar o ano de 2020 com o valor da folha de pagamento do salário de janeiro depositado em conta para ser quitado no final do primeiro mês de gestão de Kalil Baracat que assume em 1º de janeiro próximo.
“Quero agradecer o apoio de todos os servidores públicos municipais nestes quase seis anos de parceria. Muito avançamos em termos da carreira do funcionalismo. É claro que não foi o ideal, mas foi aquilo que era possível realizar, respeitando nos parâmetros da legislação, quanto ao limite de gastos com salários que devem respeitar os 54% das Receitas Correntes Líquidas”, assinalou Lucimar Sacre de Campos.
A prefeita sinalizou que além da definição anual de um calendário salarial por dois anos consecutivos, foi realizado o maior concurso público recente para mais de 2,6 mil cargos nas áreas essenciais ou administrativas. Também foram concedidas as reposições de perdas inflacionárias (RGAs); enquadramentos realizados após levantamentos quanto a legalidade dos mesmos, aumento salarial acima da inflação, entre outras vantagens.
“Fizemos o que estava ao nosso alcance e dentro da lei e da ordem, lembrando que o tempo de não se cumprir com o que está na legislação ficou no passado”, disse a prefeita.
A Secretária de Gestão Fazendária, Lucinéia dos Santos Ribeiro, frisou que a gestão que se encerra neste mês foi além do seu tempo ao promover a recuperação paulatina das finanças públicas com a credibilidade da prefeita Lucimar Sacre de Campos e o compromisso de fazer uma gestão voltada para atender aos anseios populares.
“A dinâmica do Poder Público sempre exige inovações e principalmente avanços e isto foi concretizado através das promessas feitas pela prefeita Lucimar Sacre de Campos e cumprida para atender a população da segunda maior cidade de Mato Grosso e que está entre as 100 maiores do Brasil que tem mais de 5,7 mil cidades”, disse a titular da Fazenda Municipal lembrando que em nenhum momento destes seis anos de gestão, a Prefeitura de Várzea Grande adotou políticas de aumento ou criação de novos impostos, indo em busca de reverter a sonegação de impostos, taxas e contribuições por parte daqueles que deixaram de honrar seus compromissos com a cidade, o que prejudica a todos indistintamente.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Ágio da arroba do bezerro sobre boi gordo pressiona poder de compra do pecuarista

Economia

Projeto de viveiros contribuirá para reestruturação de áreas degradadas no Pantanal de MT e geração de renda para comunidades 

Publicados

em

Por

 

Iniciativa do Sesc Pantanal e Wetlands International será desenvolvida em Poconé e Barão de Melgaço 

Com a produção de sementes nativas do Pantanal, o projeto “Rede de mudas e sementes pantaneiras” irá contribuir com a regeneração das matas ciliares e a reestruturação de áreas e ecossistemas degradados na porção norte do bioma. A inciativa do Polo Socioambiental Sesc Pantanal e da Wetlands Internacional conta com sete parceiros para o desenvolvimento dos viveiros comunitários em Poconé e Barão de Melgaço, em Mato Grosso, que terá início ainda este ano.

A implantação de dois viveiros permanentes permitirá produzir mudas de alta qualidade e sistema de manejo para coleta de sementes de espécies vegetais nativas. A primeira etapa do projeto, com duração de 10 meses, prevê a produção de 40 mil mudas por viveiro, em uma área de meio hectare, empregando mão-de-obra de famílias em cada comunidade, com dedicação de meio período por dia, todos os dias na semana.

De acordo com a superintendente do Sesc Pantanal, Christiane Caetano, a instituição consumirá cerca de 20 mil mudas por comunidade na primeira produção. “O restante será comercializado para fazendas, parques e outras áreas privadas e públicas”,

Leia Também:  Campus deu início ao projeto "Nosso Palco”

explica.

A produção de mudas em viveiros será complementada com a criação da rede de sementes, que permitirá a inclusão de mais famílias no sistema de manejo para coleta de sementes. O ciclo de obtenção das sementes é menor, cerca de quatro meses, e permitirá geração de renda entre os ciclos de produção das mudas. A produção pretendida de sementes é de 2 toneladas ao ano. Para a coleta, serão cadastradas, além das unidades do Polo socioambiental Sesc Pantanal, áreas privadas do entorno dos viveiros e públicas de Poconé e Barão de Melgaço.

Em reunião realizada nesta quarta-feira (7 de abril), a superintendente do Sesc Pantanal apresentou o projeto ao prefeito de Poconé, Tatá Amaral, para o planejamento das atividades. “Ficamos satisfeitos por sermos lembrados pelo Sesc para mais uma parceria, que vai atender a Comunidade Capão do Angico, onde já tem um trabalho firmado com a cerâmica. Ou seja, só vai fortalecer a renda das famílias. Agradecemos pela parceria e desejamos que venham outras mais, para atendermos as demandas do município”, avalia o prefeito.

Leia Também:  MPE recorre de decisão e requer cumprimento de decreto estadual em Cuiabá

Projeto desenvolvido pelas comunidades 

Os dois viveiros serão construídos por meio de parcerias, em áreas públicas cedidas pelas prefeituras na Comunidade Capão do Angico (Poconé) e em São Pedro de Joselândia (Barão de Melgaço), para uso comunitário das famílias participantes do projeto. Além dos viveiros, serão construídos poços para irrigação e depósito para armazenamento e beneficiamento das sementes.

“O projeto oportunizará às famílias das duas comunidades fonte de renda à curto prazo para prover seus meios de vida, por meio da comercialização da produção estimada. A médio e longo prazo, o projeto da rede de mudas e sementes pantaneiras poderá ser uma alternativa para a manutenção e sustentabilidade das pessoas que vivem nessas comunidades, evitando o êxodo para áreas urbanas”, ressalta a superintendente do Sesc Pantanal.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA