Política Estadual

Indicações de Faissal propõem obras às cidades de Luciara e Porto Alegre do Norte

Publicados

em


Foto: Marcos Lopes

O deputado estadual Faissal Calil (PV) apresentou, na semana passada, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso, as Indicações Nº 3732/2021 e 3734/2021, que propõem obras da Secretaria de Estado de Infraestrutura e Logística aos municípios de Luciara e Porto Alegre do Norte. As propostas foram solicitadas  pelo vereador Rusley Alves Luz, representando a Câmara Municipal de Luciara.

 A primeira matéria propõe pavimentação asfáltica do trecho de cinco quilômetros da  rodovia MT-100, que dá acesso ao centro urbano do município  luciarense.

“A rodovia foi construída para facilitar acesso às cidades circunvizinhas, diminuindo o percurso em mais de 100 km (cem quilômetros) entre as cidades de Luciara  e Porto Alegre do Norte, tornando essencial a trafegabilidade da mesma. Também se faz necessária a instalação de manilhas em vários pontos da estrada, para que no período em que os rios, lagos e lagoas estejam com vazão mais intensa, não ocorra o rompimento do aterramento da rodovia”, disse o parlamentar. 

Segundo Faissal, desde sua fundação em 10 de maio de 1964, Luciara é  considerada “mãe de todas às demais cidades da região do Araguaia”,  mas que pouco se desenvolveu.  “Nos últimos anos, inúmeros são os esforços dos gestores em dar um novo contexto histórico para o município, e alavancar o seu desenvolvimento em todas as áreas econômicas, que podem ser exploradas”, completou.

Leia Também:  Deputado participa de debate sobre a instalação de um Centro de Detenção Provisória em Diamantino

 Já a segunda proposta trata da instalação de manilhas, construção de galerias e bueiros celulares na rodovia MT-412, que também liga os dois municípios.

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:

Política Estadual

Audiência pública debate medidas para prevenção de nova catástrofe anunciada

Publicados

em

Por


Foto: Helder Faria

“Faltou planejamento. Se os órgãos responsáveis dos governos de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul observassem o monitoramento pluviométrico na região pantaneira e a ocorrência cíclica de grandes cheias ou grandes secas, a catástrofe ambiental do ano passado poderia ter sido prevista e até evitada, ou pelo menos minimizada”, sentenciou o deputado Lúdio Cabral (PT) durante a audiência pública realizada pela Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) na manhã de terça-feira (17) para debater as medidas de prevenção e combate a incêndios no Pantanal. 

A audiência havia sido requerida pelo deputado petista e foi por ele conduzida, com a presença do presidente da Comissão de Meio Ambiente da Casa, deputado Carlos Avallone (PSDB) – também compareceram os deputados Valmir Moretto (PRB) e Eduardo Botelho (DEM), que logo se ausentaram em razão de outros compromissos parlamentares. Presente ainda a deputada federal Rosa Neide (PT). 

Por videoconferência, participaram representantes de diversas instituições governamentais – entre universidades, Corpo de Bombeiros Militar, Defesa Civil Ministério Público Estadual e órgãos ambientais do Estado e União -, organizações de defesa ambiental de Mato Grosso e do vizinho estado do Sul, além de populações pantaneiras tradicionais. 

Leia Também:  Deputado participa de debate sobre a instalação de um Centro de Detenção Provisória em Diamantino

BRIGADAS E AVIÕES 

O titular da Diretoria Operacional do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBM/MT), coronel Agnaldo Pereira de Souza destacou a instalação de dois pelotões da corporação em pontos estratégicos – Poconé e Santo Antônio de Leverger, este último preparado para operações com aeronaves. O militar também elencou as ações educativas em parceria com as comunidades locais e o treinamento de 400 brigadistas nativos da região pantaneira. 

O coordenador da Defesa Civil, coronel César Vieira de Brum anunciou licitação da Casa Civil para a contratação de 700 horas de voo de aeronaves de pulverização agrícola para caso de emergências ambientais, ao custo de R$ 9 milhões. Também assinalou a instalação de uma unidade da Defesa Civil na localidade de São Pedro de Joselândia, no município de Barão de Melgaço. 

ALERTA 

Participaram também da audiência a professora Solange Ikeda, integrante do Programa de Ciências Ambientais da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), assim como o professor Rodrigo Marques, do departamento de Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). 

Leia Também:  Deputados aprovam programa Ser Criança em redação final

Marques fez um alerta preocupante, com base em números do Instituto Nacional de Meteorologia e análise dos índices pluviométricos na região pantaneira nos últimos dez anos. Observou que a seca avassaladora de 2020 foi provocada pelo deslocamento de correntes de ar frio mais para o sul – não houve a ‘quebra’ do anticiclone que atua neste período sobre o centro-oeste brasileiro e sopra o ar seco para baixo, impedindo a formação de nuvens chuvosas. 

Caso o fenômeno volte a ocorrer neste ano, o risco de catástrofe ambiental é considerável – incêndios florestais à parte. Isso porque depois da tragédia de um ano atrás a seca promete ser pior em 2021 – de janeiro a junho choveu apenas metade do volume esperado para o chamado ‘período das águas’.  

Em outras palavras: o Pantanal chega à seca ainda sem ter sequer refeito parte da cicatriz ambiental passada, já esgotado e com pouca água. 

Fonte: ALMT

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA