O VOO DE REGINA PENA

Exposição virtual e documentário sobre Regina Pena

Publicados

em

 

 

Média-metragem e exposição virtual resgatam vida e obra da artista plástica Regina Pena 

 

Pintora, desenhista, poetisa e objetista. Faltam predicados para descrever a importância de Regina Pena para a cena cultural mato-grossense e brasileira. Durante décadas a artista plástica dedicou seu tempo para refletir através de suas obras o seu cotidiano singular e também seu estado de espírito.  

Em suas telas, principalmente aquelas anteriores aos anos 1985, é possível perceber críticas socioeconômicas através do retrato de cuiabanos pobres, marginalizados e esquecidos pelo poder público.  A trajetória deste ícone será retratada em filme e também em uma exposição virtual com obras inéditas. 

 

O voo de Regina Pena foi um dos projetos contemplados pelo edital Mestres da Cultura, da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer de Mato Grosso. O edital conta com recursos da Lei Aldir Blanc e até o final do mês de abril os apaixonados pela história da arte poderão assistir e visitar locais e amigos que fizeram parte da história de Regina. 

 

Com depoimentos de Gervane de Paula, Vera Capilé, Aline Figueiredo, Humberto Espíndola e muitos outros, o diretor Laércio Miranda destaca que ao entrevistar os artistas, diferentes conexões entre os entrevistados iam surgindo e o roteiro do filme ia sendo moldado de acordo com as novas descobertas. 

 

“Cada entrevista foi surpreendente. A equipe ia com uma ideia pré-fixada de roteiro, mas a cada depoimento, novos fatos iam aparecendo e forçando um realinhamento da história que estamos montando com muito amor e respeito à história dessa que, na minha opinião e na opinião de vários críticos de arte, levou o nome do nosso estado e da nossa arte a vários cantos do país”, disse Laércio.  

 

Além do filme, uma exposição virtual está sendo organizada e deve apresentar obras inéditas ao público. Sob a curadoria de Ruth Albernaz, um acervo riquíssimo de telas, poemas, poesias, assemblages e pinturas digitais ficará disponível em um site para visitação de toda comunidade. 

 

Para acompanhar os bastidores, basta curtir a página do projeto no Facebook e seguir a conta no Instagram. 

 

HISTÓRIA DE REGINA 

Nascida em Cuiabá, em 1952, Maria Regina Curvo Alvim Penna começou a explorar o universo das artes plásticas de maneira autodidata e, em 1972, foi ao Rio de Janeiro estudar pintura e desenho no Instituto de Belas Artes. Foi orientada por Humberto Espíndola e estudou História da Arte com Aline Figueiredo em 1974. Participou de várias exposições coletivas no Museu de Arte e de Cultura Popular da UFMT e também promoveu exposições solo, além de lançar o livro “Voo Solo”, em 2015.  

Diagnosticada com esclerose múltipla em 2006, Regina foi aos poucos aposentando as tintas e os pinceis e transferindo seus conhecimentos artísticos para novas plataformas. Começou a desenhar digitalmente com a ajuda de tablets e destacou-se como uma das grandes artistas digitais do país. 

Faleceu em agosto do ano passado e deixou um legado de superação, resiliência e de amor à terra em que nasceu. 

 

Por Laura Meireles
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Cuiabá ganha espaço para impressão e exposição de fotografias belas-artes 

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA