MEIO AMBIENTE

Exército reforça combate ao desmatamento ilegal em Mato Grosso

Publicados

em

O reforço atende de forma temporária as operações de combate aos crimes ambientais a pedido do governador Mauro Mendes

Lorena Bruschi | Sema-MT

Chegada do Exército para reforçar combate aos crimes ambientais em Mao Grosso
– Foto por: Assessoria

A Operação Amazônia, que combate os crimes ambientais em Mato Grosso, recebeu na manhã deste último sábado (17.07) o reforço de 61 soldados do Exército Brasileiro.

O efetivo faz parte dos esforços integrados entre Estado e União para coibir crimes ambientais nos municípios que mais desmatam em Mato Grosso.

Parte do efetivo dos  soldados irão ficar na cidade de Colniza, 1.022 quilômetros de Cuiabá, onde possui o maior índice de desmatamento do Estado, e só no primeiro semestre já recebeu pouco mais de R$ 120 milhões em multas ambientais de órgãos estaduais, conforme dados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema-MT).

O reforço atende de forma temporária as operações de combate aos crimes ambientais a pedido do governador Mauro Mendes ( DEM).

Mato Grosso acionou a Operação de Garantia da Lei da Ordem (GLO) após a publicação do decreto federal 10.730, de 28 de junho de 2021, pelo qual o governo permite o emprego das Forças Armadas contra o desmatamento nos estados da Amazônia, por meio da Operação Samaúma.

Leia Também:  Dia 1º de agosto, os eleitores de Acorizal, Matupá e Torixoréu irão às urnas novamente para eleger um novo prefeito e seu vice

Chegada do Exército para reforçar combate aos crimes ambientais em MT
Créditos: Assessoria

Colniza recebe uma sede sede provisória da do Exército Brasileiro, que atuará como base de apoio para as equipes com cozinha e utensílios, refeitório, salas de aula que permitem ser utilizadas como alojamento e área de estacionamento de viaturas. O efetivo é do Comando de Fronteira Jauru, 66° Batalhão de Infantaria Motorizado. Serão utilizados pela tropa viaturas, caminhões, micro-ônibus, cisterna de combustível, guincho pesado, e ambulância.

O secretário de Estado de Meio Ambiente em exercício, Alex Marega, avalia como de extrema importância o apoio do Exército ao combate dos crimes ambientais no Estado. “É essencial que as forças de segurança estejam de forma constante em regiões como esta, em que o combate ao crime ambiental exige emprego da força, para que possamos avançar no trabalho de monitoramento, fiscalização, e responsabilização que vem sendo realizado pelo Estado de Mato Grosso”, afirma.

A prevenção e repressão de crimes ambientais pela pelo Exército tem foco nas terras indígenas, em unidades federais de conservação ambiental, em áreas de propriedade ou sob posse da União e, mediante requerimento de governadores, atua em outras áreas dos estados abrangidos: Amazonas, Mato Grosso, Pará e Rondônia.

Leia Também:  Live Dança Brasil será apresentada neste domingo

Operação Amazônia

A operação Amazônia integra órgãos estaduais e federais, sob coordenação da Sema-MT, para coibir crimes ambientais, monitorar e fiscalizar mudanças na vegetação, promover o embargo de áreas, apreensão e remoção de maquinários flagrados em uso para o crime, e a responsabilização de infratores.

Os 10 municípios que mais desmatam são os principais alvos das ações coordenadas pela Operação Amazônia. São eles: Colniza, Nova Bandeirantes, Aripuanã, Peixoto de Azevedo, Apiacás, Querência, União do Sul, Marcelândia, Juara, e Rondolândia.

O Estado de Mato Grosso já aplicou mais de R$ 808 milhões em multas ambientais neste primeiro semestre, por meio da Operação Amazônia. A ação faz parte da política de tolerância zero aos ilícitos ambientais determinada pelo governo.

Integram a iniciativa as Secretarias de Estado de Meio Ambiente, de Segurança Pública, Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), Corpo de Bombeiros Militar (CBMMT), Instituto de Defesa Agropecuária (Indea), Ministério Público de Mato Grosso (MPMT), Ministério Público Federal (MPF) e Ibama.

Chegada do Exército para reforçar combate aos crimes ambientais em MT
Créditos: Assessoria
COMENTE ABAIXO:

MEIO AMBIENTE

Cuiabá registra redução de 63% nos focos de calor em vegetação no primeiro semestre 2021

Publicados

em

Por

Ações de prevenção e combate ao fogo se intensificam durante o período proibitivo de queimadas; Além da Capital, oito munícipios também tiveram uma expressiva queda

Carlos Celestino | Secom-MT

27 05 2021 – Inauguração da 8º Companhia Bombeiros Pontes e Lacerda
Foto por: Michel Alvim – SECOM/MT
A | A

Os focos de calor em vegetação apresentaram redução de 63% em Cuiabá no primeiro semestre de 2021, conforme mostra o relatório do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBMMT), que realizou um comparativo dos dados registrados no mesmo período do ano passado.

De acordo com o documento elaborado pelo Comando Regional I, de 01 de janeiro até 29 de julho de 2020, Cuiabá registrou um total de 63 focos de calor. Em 2021, o total registrado foi de 23 focos, o que representa uma queda de 63%.

Outra cidade que obteve bom resultado foi o município de Poconé, a 104 km de Cuiabá, que registrou uma queda de 96% nos focos de calor. De 01 de janeiro até 29 de julho, foram 782 focos. Em 2021, foram constabilizados apenas 34 focos de calor.

Os números positivos são reflexo da rápida atuação das equipes que têm conseguido combater as chamas, antes que se transformem em incêndios de grandes proporções. Para conseguir essa resposta imediata de combate, os militares têm realizado o monitoramento de todas as regiões do Estados, através das imagens via satélite.

“É importante entender que um foco de calor é registrado através do nosso sistema de monitoramento quando as chamas tenham atingido, aproximadamente mil metros, deste modo é plotado como foco. Nossas equipes têm atuado e conseguido conter esses incêndios, antes que tenha alcançado essa metragem, por isso tivemos essa redução nos focos de calor neste primeiro semestre do ano”, explicou o comandante do CRBM-I, João Paulo Nunes de Queiroz.
Os municípios de Barão de Melgaço, com 86%, Nossa Senhora do Livramento 85%, Jangada 82%, Nobres com 72%, Santo Antônio de Leverger 67%, Rosário Oeste 60%, Várzea Grande 43% e Planalto da Serra 33% também tiveram redução nos focos de calor.

Monitoramento por satélite
Créditos: Assessoria
No primeiro semestre de 2020, Mato Grosso registrou 8.550 focos de calor. Em 2021, mesmo período do ano passado, o total ficou em apenas 6.822, o que representa uma redução de 20,2%.
A comandante (BEA) Jusciery Rodrigues Marques destacou que o CBM conta apoio de pessoas qualificadas, pois durante o período de preparação ao combate dos incêndios, “nós capacitamos mais de 3 mil pessoas em todo Estado” para atuar na primeira resposta e evitar que as chamas se alastrem.
O período proibitivo de incêndios florestais em Mato Grosso vai de 1° de julho até 30 de outubro. Neste período, fica proibido o uso do fogo do fogo para manejo e limpeza de áreas. Dependendo das condições climáticas, a proibição do uso de fogo pode ser prorrogado.
Ação Estratégica
Para fase resposta à Temporada de Incêndios Florestais e desmatamento ilegal o Governo de Mato Grosso disponibilizou R$ 73 milhões com investimentos em equipamentos, viaturas helicóptero para diversas ações de combate e proteção dos biomas mato-grossense.
Com este investimento, o CBMMT e demais forças que exercem as ações de combate e controle ao e incêndios florestais no Estado estão atentos com realização de ações de combate e seguem monitoramento constantemente para identificar áreas que estão sendo destruídas de forma irregular com uso do fogo em Mato Grosso.
Denúncias e atendimentos
Para atendimento das ocorrências de incêndios florestais, deve ser acionado o número 193 do Corpo de Bombeiros. Já em caso de denúncias de queimadas nas áreas rurais o cidadão deve entrar em contato pelo 0800 647 7363.

 

Leia Também:  Cetrap define estratégias para enfrentar impactos sociais

 

Outros sete municípios: Barão de Melgaço com 86%, Nossa Senhora do Livramento 85%, Jangada 82%, Nobres com 72% Santo Antônio de Leverger 67%, Rosário Oeste 60%, Várzea Grande 43% e Planalto da Serra 33% tiveram redução nos focos de calor foram.
A nível estadual, os dados de redução dos focos de calor foram de -88,42%, conforme detalhado no Informativo (13), período de 01 de janeiro a 25 de julho de 2021, compilado pelo Batalhão de Emergências Ambientais (BEA).
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA