Economia

Evento debate novos rumos do consumo com reabertura da economia

Publicados

em

JB NEWS
Num cenário de retomada econômica em diversos segmentos, quais tendências de consumo começam a se estabelecer no mercado e podem influenciar o posicionamento das marcas? Esta será a temática central do Geotrends, maior evento de inteligência geográfica do país, promovido pela Geofusion, que chega à sua 14 edição, entre os dias 28 e 29 de setembro.

– O objetivo do encontro, que será realizado inteiramente online, é debater o novo comportamento do consumidor desde a chegada da pandemia e a importância dos dados para que o negócio possa sempre estar à frente da concorrência – explica Valéria Duarte, Diretora de Operações da Geofusion, a maior empresa de inteligência geográfica no Brasil.

O Geotrends contará, entre outros, com representantes de grandes empresas no mercado, como Itaú BBA, Ibevar, Live University, SMZTO e Semrush Brasil.- O consumo passou por mudanças significativas neste mais de um ano e meio.

– As empresas vão precisar ter em mãos dados estratégicos para entender para onde o seu cliente em potencial foi, qual o seu comportamento enquanto consumidor, para fazer um planejamento seguro sobre os próximos meses. Talvez esse seja o grande desafio da reabertura que vivemos agora – conclui Duarte.
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Duelo entre professores de tênis marca finais da Copa Gotardo Pneus Open de Tênis

Economia

Gás GLP para uso industrial e comercial vendido em Mato Grosso terá a menor alíquota de ICMS do País

Publicados

em

Por

Projeto de Lei idealizado pelo Estado equipara o valor do tributo ao percentual praticado pelos estados da Bahia, Goiás, Amapá, Rondônia, Sergipe, Tocantins, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal

Érika Oliveira | Secom-MT

Governo de Mato Grosso reduz alíquota do gás GLP – Foto por: Assessoria

Assim como os demais produtos que dependem da política de preços praticada pela Petrobras, o gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso industrial e comercial tem sofrido constantes altas, impactando fortemente setores já penalizados pela pandemia da Covid-19. Em Mato Grosso, a partir de janeiro de 2022, o GLP industrial terá um corte de 5% na alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que passará a ser de 12%, a menor do País.

A proposta do Governo do Estado que prevê a redução de impostos sobre itens como a energia elétrica, gasolina, comunicação, gás GLP e diesel foi encaminhada para a Assembleia Legislativa e aguarda aprovação dos deputados.

Com o pacote de redução de ICMS, o Governo de Mato Grosso deve deixar de arrecadar cerca de R$ 1,2 bilhão por ano, valor que permanece no bolso dos contribuintes.

Leia Também:  Governo de MT simplifica emissão de notas fiscais para laticínios e cooperativas de leite cru

Diferente do popular gás de cozinha que é comercializado por meio de botijões, o GLP é encanado e tem papel fundamental como combustível sustentável, eficiente e versátil.

A maior parte de empresas, indústrias e também o agronegócio podem se beneficiar do GLP, como a têxtil, na secagem de tecidos e fixação de pigmentos; a alimentícia, na pasteurização e preparo de alimentos e bebidas; agropecuária, na secagem e torrefação de grãos e aquecimento de ambientes; automotiva, na secagem da tinta usada para pintar os veículos; mineradora, como fonte de energia para esteiras e bombas d’água; e gráfica, na secagem do papel preso em máquinas rotativas.

Sujeito ao valor do barril do petróleo e à cotação do dólar, o GLP industrial teve reajuste médio de 8% por parte da Petrobrás este ano. As constantes altas se devem à política de preços praticada pela empresa, que faz com que os valores dos combustíveis sofram reajustes de acordo com a variação cambial.

Gás de cozinha

O Estado de Mato Grosso já aplica a menor alíquota de ICMS do Brasil sobre o gás de cozinha. Vale destacar, ainda, que o imposto cobrado a título de ICMS em Mato Grosso caiu. No mês de maio, conforme tabela da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o valor do tributo foi de R$ 11,68, um dos mais baixos do País.

Leia Também:  Geller reúne embaixadas do Irã e da Rússia para discutir custo da produção

A composição do preço do gás de cozinha no Estado é de 12% do ICMS; 38,7% é o índice da revenda e lucro pelas distribuidoras; e 49,3% é o valor cobrado pela Petrobrás.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA