MEIO AMBIENTE

Empresas unem esforços para combater o descarte incorreto de medicamentos  

Publicados

em

 

Visando sustentabilidade, epharma inicia instalação de coletores de remédios em lojas da rede Extrafarma
São Paulo, 04 de agosto de 2022 — A epharma, líder de planos de benefícios em medicamentos, estabeleceu uma parceria para a instalação de coletores de descarte de resíduos, os descartômetros, nas farmácias da rede Extrafarma em todo o país, com intuito de reduzir o descarte incorreto de medicamentos e a consequente poluição advinda dessa prática.
Para tanto, cada loja contará com um coletor contendo duas bocas, sendo uma para medicamentos vencidos e/ou fora de uso e outra, destinada às caixas e bulas de remédios.
“Quando os medicamentos não recebem a destinação correta, podem oferecer muitos riscos à saúde humana e ao meio ambiente, uma vez que são substâncias químicas e possuem grande potencial para contaminar o solo e a água. Um de nossos pilares é conectar todo o ecossistema da saúde e ações que auxiliem nesse processo, estão entre as nossas prioridades”, explica Marcos Inocencio, Diretor Corporativo da epharma e responsável pelo projeto ESG.

Leia Também:  Presidente do Comam, conselheiro Sérgio Ricardo vistoria lixão de Barra do Garças
imagem

Segundo dados do Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana (ISLU)[i], cerca de 50% das cidades brasileiras despejam seus resíduos em lixões e, no caso dos remédios, esse descarte chega a ser realizado até no vaso sanitário das residências.
“Somos o segundo maior grupo de farmácias do país e, com essa iniciativa, acreditamos que, além de facilitar a vida de nossos clientes, podemos ainda, contribuir com a redução da poluição no meio ambiente”, finaliza Diogo Sobrinho, gerente executivo de planejamento de operações da Extrafarma.

 

 


[i]Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana — Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana. Acesso em 22/06/2022. Disponível em: Link 

 

Sobre a epharma

A epharma é a plataforma líder de programas e planos de benefícios em medicamentos do país. Fundada há 22 anos, atua como um elo, unindo os ecossistemas de tecnologia e saúde, e criando conexões inteligentes entre os seus principais públicos: indústrias farmacêuticas, farmácias e drogarias, operadoras de saúde, corretoras, healthtechs e empresas privadas de diversos segmentos. Pioneira ao lançar o Programa de Medicamentos no Brasil em 1999, conta com mais de 35 mil farmácias e 2 mil clínicas e laboratórios de diagnóstico credenciados em todo o país, beneficiando 30 milhões de pessoas e gerando economia nas compras de medicamentos de R$ 1,4 bilhão em 2021.
Sobre a Extrafarma

Leia Também:  Secretaria de Meio Ambiente acata recomendação do MPF sobre PCH Inxu, Baruito e Garganta da Jararaca em MT

Há 61 anos, a Extrafarma atua no mercado de varejo farmacêutico com o propósito de dar acesso a saúde e bem-estar para as pessoas viverem o seu melhor. Com cerca de 400 lojas e 6 mil colaboradores diretos, a rede conta com mais de 6 milhões de participantes em seu programa de fidelidade, o Clube Extrafarma.

COMENTE ABAIXO:

MEIO AMBIENTE

Supostos organizadores do Dia do Fogo são alvos de operação em Colniza

Publicados

em

Por

JB News

Da Redação

Sete mandados de buscas e apreensão, expedidos pelo Poder Judiciário em Colniza, município distante 1.042 km de Cuiabá, estão sendo cumpridos neste sábado (13), na Operação Jomeri. Os alvos são pessoas físicas e jurídicas responsáveis, em tese, pela organização da ação criminosa conhecida como “Dia do Fogo”.

A Operação é um desdobramento da ação fiscalizatória realizada no dia 05 de agosto. A iniciativa é desenvolvida de forma conjunta pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco Ambiental), Promotoria de Justiça de Colniza, Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), Delegacia Regional de Juína, Delegacia Municipal de Colniza, Grupo de Operações Especiais (GOE), Batalhão de Proteção Ambiental da Polícia Militar e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

De acordo com as investigações, um grupo de indivíduos estaria se organizando para provocar, de forma coordenada, queimadas em áreas de floresta nativa em vários pontos da região de Colniza. O modo de agir seria o mesmo utilizado há três anos, no Estado do Pará, quando a fumaça gerada por queimadas criminosas percorreu milhares de quilômetros pelo território brasileiro.

Leia Também:  Gefron apreende mais de 8 toneladas de drogas entre janeiro e agosto de 2020

A área total das propriedades investigadas ultrapassa 300 mil hectares, dos quais já se constatou um desmatamento de 50 mil hectares. Os envolvidos na ação poderão responder pelos crimes de associação criminosa, desmatamento e queima Ilegal, crime contra a administração ambiental, dentre outros. A investigação teve início no ano de 2021.

Além das medidas de busca e apreensão, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso instaurou dezenas de procedimentos de natureza cível, buscando a reparação socioambiental pela degradação já ocorrida. O valor total das indenizações é de R$ 421.731.922,05.

Desde a notícia de que ocupantes de uma das fazendas da região promoveriam incêndio criminoso na área, a Sema, por meio da Superintendência de Fiscalização e o Núcleo de Inteligência, Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental e Batalhão de Emergências Ambientais do Corpo de Bombeiros Militar, posicionaram suas equipes na área de forma ostensiva a prevenir e impedir a ação dos infratores, bem como identificar as pessoas ligadas à incitação lesiva ao meio ambiente. Já foram lavrados 18 autos de infração pela prática de desmate ilegal, que correspondem a 50% do desmate para o município de Colniza.

Leia Também:  Diretoria Executiva e Conselho Fiscal toma posse na AMM

De 08 a 12 de agosto, o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental aplicou em quatro pontos da região multas de R$ 200 mil por quebra de embargo e de R$ 450 mil desmate ilegal, totalizando R$ 650 mil. Ao todo, foram fiscalizados oito alertas.

Em Mato Grosso, o uso do fogo está proibido desde o dia 1º de julho e a vedação segue até o dia 30 de outubro.

SIGNIFICADO – A denominação da operação faz referência ao nome do antigo psicólogo que estudou sobre o problema da piromania (caracterizada por atear fogo de forma intencional e compulsivamente) e deu origem a todos os recentes estudos e tratamentos sobre citada síndrome.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA