POLITICA

Emanuel Pinheiro nega e desconhece “rachadinha”, e diz que tentam incriminar ele sua família

Publicados

em

JB News

Por Alisson Gonçalves

Em uma coletiva de impressa nesta quarta 01.12, o Prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), tentou explicar o motivo do seu afastamento no último dia 19 de outubro, após operação Caprum, realizada pela Policia Federal (PF), que culminou com a prisão do chefe de gabinete Antonio Monreal Neto, e do ex-secretário de Saúde Celio Rodrigues, além do afastamento de sua esposa Marcia Pinheiro e de mais dois servidores.

Após o seu  afastamento, essa é a primeira  coletiva do prefeito que  acontece neste momento na secretaria municipal de Educação de Cuiabá.

Em sua fala o mesmo se diz não saber de nada de “rachadinha”, e também diz que tentaram não só incriminar ele mais também tentaram incriminar sua família.

O prefeito também fala sobre o erro da interpretação equivocada que o MPE fez induzindo ao erro judiciário.

“Sobre a contratação temporárias que sou acusado, não existe lei que Federal, Estadual ou Municipal que proíbe contratações de profissionais temporários”. Disse.

Leia Também:  Wilson garante que PSDB está focado nas proporcionais e não definiu disputa ao governo

O Ministerio Público pediu no Superior Tribunal de Justiça nesta segunda-feira 29.11, um novo afastamento do prefeito de suas funções, alegando novas provas de envolvimento do prefeito para se beneficiar politicamente.

Mais informações sobre a coletiva em instantes.

COMENTE ABAIXO:

POLITICA

Max Russi não descarta ação do Legislativo contra a Rota do Oeste: “Pedágio precisa parar”

Publicados

em

Por

JB News

 

A concessão ingressou com pedido de devolução “amigável” do trecho de 850 km. Enquanto isso, motoristas sofre com falta de investimentos e acidentes acontecem devido a problemas estruturais.

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Max Russi (PSB), não descarta a possibilidade de uma representação, por meio da Procuradoria do Legislativo, em desfavor da Rota do Oeste, concessionária que administra a BR- 163, entre os municípios de Itiquira e Sinop.

A concessão, controlada pelo grupo OTP (Odebrecht Transport), ingressou com pedido de devolução “amigável” do trecho de 850 km à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) no ano passado, dada a inadimplência das obrigações de investimentos, no entanto não interrompeu a cobrança do pedágio. Russi aguarda uma movimentação por parte do Ministério Público, tanto federal quanto estadual, sobre o caso.

“Não tem a obra, os buracos estão abrindo e o povo tá pagando. Acostamento alto, acidente toda semana, vidas se perdendo e a gente que tomar providencia”, denuncia.

Uma das soluções paliativas, apontadas pelo parlamentar, até que uma nova concessão seja licitada e os problemas estruturais em diversos trechos sejam solucionados, é a liberação das cancelas.

Max Russi citou o exemplo de rodovias do Paraná, onde praças de pedágio tiveram que interromper as cobranças, devido ao termino das concessões, que duraram 24 anos, com as tarifas mais caras do país. “No Paraná teve um problema parecido, não está cobrando pedágio e os motoristas estão passando livremente”, exemplificou.

Leia Também:  Sergio Moro é hostilizado em sua rede social

Quem concorda com essa medida, proposta pelo presidente da Assembleia, é o motorista autônomo Valdenor José da Costa (43) que utiliza o trecho entre Sorriso de Rondonópolis. O morador de Juscimeira, que também tem sofrido com problemas estruturais da rodovia, que corta o município, relata um cenário de verdadeiro descaso.

“A BR está abandonada, principalmente no trecho de Rosário do Oeste a Jangada, não tem acostamento. De Cuiabá a Rosário merecia duplicação porque ali nem acostamento tem. Em um dia de chuva tiveram 7 acidentes. Essa Rota Oeste só está arrecadando e não estão fazendo nada pelo motorista, fica tudo abandonada, sinalização toda tampada pelo mato, buraqueira”, relatou.

Outra sugestão do parlamentar é uma ação coletiva, por parte dos motoristas que estejam se sentido lesados pela Rota do Oeste. “Não é correto a empresa receber pedágio. Já era para ter entregado a obra em 2019, não entregou e está ganhando com isso”, avalia.

Max Russi vem travando lutas contra as irregularidades cometidas pela empresa desde sua primeira legislatura, quando ingressou com uma ação no Ministério Público Federal (MPF), solicitando a suspensão imediata da cobrança de pedágio no trecho entre Cuiabá a Rondonópolis, que na época não havia sido duplicado em ao menos 10%, além de apresentar muitos buracos e falta de sinalização.

Leia Também:  Neurilan cobra Pivetta aumento no valor dos repasses para o transporte escolar dos municípios

Na época, o pedido do parlamentar também foi fundamentado em relatório técnico emitido pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Mato Grosso (CREA/MT), que apontava várias irregularidades no fornecimento dos serviços pela concessionária, além de reclamações constantes de motoristas e moradores da região.

Em outubro do ano passado o deputado Max Russi chegou a coletar 15 assinaturas dos colegas deputados estaduais, para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito, com a intenção de investigar a concessão da BR-163. Desde então, a empresa decidiu pela devolução da rodovia a União.

“Eu concordo em trocar e empresa, mas seja uma concessionária que cumpra com o seu papel, faça os investimentos necessários e que de segurança e alívio aos motoristas, que utilizam a essa rodovia”, disse.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA