Policial

Dupla é condenada por morte de homem e criançaem Rondonópolis

Publicados

em

Após 21 horas de julgamento, terminou na manhã desta quarta-feira (28) a sessão do Tribunal do Júri em Rondonópolis (a 212km de Cuiabá) que resultou na condenação de dois homens pela morte de um homem e uma criança de um ano de idade. Victor Hugo da Silva Santos e Eduardo Moraes da Silva foram condenados, respectivamente, a 53 anos e quatro meses e a 65 anos de reclusão pelos homicídios qualificados por motivo fútil e recurso que dificultou a defesa das vítimas. Victor Hugo ainda recebeu a pena de 3 anos de reclusão por porte ilegal de arma de fogo. O terceiro réu, Ulisses Henrique dos Santos, foi absolvido pelo Conselho de Sentença.

Atuaram no júri os promotores de Justiça Marcelo Domingos Mansour, da 6ª Promotoria de Justiça Criminal, e Reinaldo Antônio Vessani Filho, da 5ª Promotoria de Justiça Criminal de Rondonópolis. Algumas testemunhas e os réus foram ouvidos por videoconferência. Em plenário, os membros do Ministério Público de Mato Grosso pugnaram pela condenação dos acusados nos moldes da pronúncia. Por unanimidade, os jurados decidiram prosseguir com o julgamento até o fim dos trabalhos, sem interrupção. A sessão, que teve início na manhã de terça-feira (27), foi encerrada às 5h40 desta quarta. A decisão é passível de recurso.

Leia Também:  PF apreende carros de luxo e joias em mansão na capital no combate ao tráfico de drogas

O crime aconteceu em julho de 2017, no bairro Jardim Liberdade. “Cumprindo ordem do denunciado Eduardo Moraes da Silva, os denunciados Ulisses Henrique dos Santos e Victor Hugo da Silva Santos, em união de desígnios e divisão de tarefas, com consciência e vontade, por motivo fútil, e mediante recurso que dificultou a defesa, mataram as vítimas Paulo Fabrício Ortega Guimarães e David Felipe da Silva, este de apenas um ano de idade e, na mesma ação, tentaram matar a vítima Nathália Gabriela da Silva, não se consumando o intento criminoso por circunstâncias alheias à vontade dos agentes”, narra a denúncia do MPMT.

As vítimas estavam em uma motocicleta quando foram seguidas e cercadas pelos acusados, que desembarcaram do carro e efetuaram disparos de arma de fogo. Acriançafoi atingidana região frontal da cabeça e Paulo Fabrício Ortega Guimarães em várias regiões do corpo. Na mesma ação, os denunciados ainda tentaram matar a adolescente Nathália Gabriela da Silva, que foi atingida no pé, mas conseguiu fugir.

Leia Também:  Feminicida é condenado a 32 anos de reclusão pela morte de companheira 

O crime teria sido motivado pelo fato de Paulo Fabrício ter passado a integrar a facção criminosa Comando Vermelho, a convite do denunciado Eduardo, e depois tentado deixar a organização. Assim, Eduardo teria mandado Ulisses e Victor Hugo executarem o desertor.

COMENTE ABAIXO:

Policial

Jornalista é flagrada dando empurrão e socos em jovem num bar na região do Zero Quilômetro em VG na manhã desta quinta-feira

Publicados

em

Por

JB NEws

Da Redação

A jornalista Nildes de Souza presa somente nesta quarta-feira 13.10, duas vezes pela Policia Militar por descumprimentos de ordem judicial, por ter jogado cerveja no rosto de um PM na madrugada da última segunda-feira 11.10, em um bar na Praça Popular em Cuiabá, foi flagrada na manhã desta quinta-feira 14.10 em um outro  bar na região do Zero Quilômetro em Várzea Grande.
Outros vídeos foram gravados e mostra a loira totalmente fora de controle, discutido e brigando com várias pessoas no bar.
A jornalista vem tomando conta dos noticiários desde a madrugada do último da última segunda feira, por conta das confusões que vem protagonizando por onde passa.
A saga começou quando Nildes foi detida por ter jogado cerveja no rosto de um policial que estava em serviço, detida, Nildes teve sua liberdade vigiada e com várias restrições, entre elas a proibição de frequentar bares e restaurantes por seis meses, além de ter que participar do Alcoólicos anônimos (AA), a réu também está portando uma tornozeleira eletrônica.
Mesmo com as medidas, a loira foi detida por volta das 19:h em um bar, próximo ao local onde foi presa pela primeira vez na Praça Popular. Após sua soltura Nildes foi presa novamente em outro bar.
Na delegacia Nildes deu entrevista a alguns veículos de comunicação que faziam a cobertura do ocorrido. Arrependida, a jornalista dizia em sua entrevista que era pessoa de bem, e que estava sendo julgada de maneira errada pela população e pela justiça.
Nesta quinta feira 14 por volta das 08:30 da manhã a Jornalista foi vista novamente no meio de uma confusão, onde chegou até mesmo a empurrar por várias vezes um jovem que frequentava o mesmo recinto.
Na gravação é possível ouvir uma pessoas dizer que Nildes não teme nem a polícia e nem bandidos e parte pra cima de qualquer um.
Ainda não há informações se a polícia fez a prisão novamente da jornalista.

Leia Também:  Integrantes do Comando Vermelho que filmaram morte de taxista em Cuiabá são condenados pelo tribunal do Júri

Veja o vídeo:👇

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA