CULTURA

Dos antepassados aos dias atuais: Livro contará história de Vera Capilé 

Publicados

em

Em seus encontros com Vera Capilé, o historiador Luiz Gustavo Lima tem aplicado a metodologia da Tecnologia Social da Memória para realizar pesquisa

Com base nas diretrizes da Tecnologia Social da Memória, metodologia de pesquisa e registro utilizada pelo Museu da Pessoa (SP), o historiador Luiz Gustavo Lima realiza imersão pelas memórias da artista Vera Capilé. O resultado poderá ser conferido em breve, em livro proposto em projeto documental que a homenageia e que foi selecionado no edital Mestres da Cultura.

Luiz Gustavo tem se encontrado regularmente com Vera e também, participou como ouvinte das gravações do documentário. Este, dirigido por Juliana Capilé. Um terceiro produto é uma coletânea com clássicos da carreira de Vera.

“Nesse processo, começamos pelos antepassados dela. Nossa sorte foi que o pai de Vera, seo Sinjão Capilé, e o irmão Júlio, escreveram um livro que conta a saga da família, desde a saída dos Capilé, do interior de São Paulo até chegar em Dourados, Mato Grosso do Sul, quando com Mato Grosso, formava um único Estado. Isso foi lá pelo final do século 19”.

Leia Também:  Mais um casal de brasileiros são diagnosticados com a variante Ômicron

Então, o registro ancestral é bem fiel. “Sinjão, por exemplo, nasceu na década de 1920 já em Dourados. Então, ela tem esse conhecimento dos primórdios da família, desde Mato Grosso do Sul até a transição para Cuiabá quando bem cedo, ela já começa seu precoce envolvimento com as artes, sempre com o canto, com o teatro”, conta Luiz Gustavo.

O livro segue contando a história de Vera até os dias atuais. As conversas que levavam em média duas horas, foram se desdobrando ao longo de quatro encontros.

Segundo o historiador, dentre os pontos mais marcantes dos relatos de Vera, está a presença muito marcante do pai em sua vida. “Ela esteve sempre muito conectada a ele. Uma figura muito expressiva, um grande orador, político e ainda, um homem das artes, seresteiro, gostava de cantar e tocar violão. Então, há essa facilidade na comunicação, uma das grandes heranças dele para Vera”.

A sensibilidade artística de Vera é tão presente em sua vida que alcança até mesmo a carreira que construiu na Psicologia. “Vera é especializada em psicogerontologia, ciência que se dedica aos cuidados dos idosos e ela se orgulha muito disso e faz com arte”.

Leia Também:  Lavagem das escadarias de São Benedito, patrimônio imaterial do Pantanal

Luiz Gustavo conta que ao ouvir Vera, se emocionava constantemente. “Vê-la construindo a narrativa foi emocionante. Ela carrega uma força descomunal. Tem uma dinâmica da pessoa que entende o valor de sua história. Ao falar e ao seu ouvir, ela vai de certa forma se empoderando ainda mais”.

Para arrematar a coleta de dados, o historiador considera que acompanhar as gravações do documentário foi fundamental. “Ouvi depoimentos de amigos muito próximos, como Ivens Scaff, Jaime Okamura, Vitória Basaia, Glória Albues, Lúcia Palma e o companheiro Waldir Bertúlio, além de amigas de infância e as irmãs que convivem muito perto dela. Os relatos acrescentaram dados complementares”.

O projeto proposto pela produtora cultural Tatiana Horevicht, foi contemplado pelo edital Mestres da Cultura, idealizado pelo Governo de Mato Grosso via Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), em parceria com o Governo Federal via Secretaria Nacional de Cultura do Ministério do Turismo.

  Por Lidiane Barros

COMENTE ABAIXO:

CULTURA

De 02 a 05 de dezembro Festival Satyrianas transforma MT uma das sedes da cultura nacional

Publicados

em

Por

Por Yod Comunicação 

Em 2021 o tema do festival será “Onde o tempo não para”

De 02 a 05 de dezembro Mato Grosso será uma das sedes do Festival Nacional Satyrianas, que em 2021 traz como tema “Onde o tempo não para”, inspirado na música de Cazuza (O Tempo não Para), em formato híbrido, ou seja, apresentações virtuais e presenciais, no Cine Teatro Cuiabá, Casa Cuiabana e Cine Xin, em Cáceres. São, ao todo, 400 atrações de 9 países, de quase todos os estados do Brasil.

De acordo com a coordenadora administrativa e coordenadora de produção da MT Escola de Teatro, Flávia Taques, para esta edição, estima-se um público em torno de 1000 pessoas de forma presencial e mais de 3 mil online. “Em 2020, o festival foi totalmente online, em razão da pandemia. Esse ano, será híbrido e em diversas cidades, entre elas Cuiabá e Cáceres”, explica.

O festival acontece há muitos anos em São Paulo, Capital. Desde 2017, com a criação da MT Escola de Teatro, em parceria com a Associação Cultural Cena Onze, Secel-MT, Unemat e Adaap, os alunos e artistas de Mato Grosso se apresentam nas Satyrianas, presencialmente.

A inspiração na música de Cazuza surgiu como forma de representar o sofrimento pelo qual os brasileiros estão passando. “Se prestarmos atenção na letra, ela expressa muito do que estamos sentindo atualmente. É uma mobilização dos artistas em um momento difícil”, explana Flávio Ferreira, diretor do Cena Onze.

Fazem parte da programação local, a Inclusão Literária, de Clovis Matos, que acontece na frente do Cine Teatro Cuiabá, lançamento do Single Dias de Sombras, da Banda Lord Crossroads, com  Charles Luciano Martins Pereira, na Casa Cuiabana, apresentação  do conto Corá, de Eduardo Mahon no Youtube do CTC e a peça Bereu, do Cia Cena Onze de Teatro, na sala Anderson Flores. A programação completa pode ser acompanhada no site http://www.satyrianas.com.br/

Em suas últimas edições, o festival contou com a participação de mais de 5 mil artistas, em média anual, ofereceu 600 atrações e atingiu um público de cerca de 50 mil espectadores. Com ingressos pague quanto puder o público pode retirar o ingresso gratuitamente ou pagar qualquer quantia para cada artista, sendo a opção totalmente livre.

A Secretaria de Estado, Cultura e Lazer (Secel-MT), está apoiando o evento. Os polos alinhados são Cuiabá e Cáceres que contam com a parceria da Associação Cultural Cena Onze, MT Escola de Teatro e Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Tudo será possível através dos Satyros com a Associação dos Artistas Amigos da Praça de São Paulo (Adaap).

Serviço

O que: Festival Satyrianas

Quando: De a 02 a 05 de dezembro

Onde: Cine Teatro Cuiabá, Casa Cuiabana e Cine Xin, em Cáceres

Quanto: ingressos pague quanto puder

Sobre a MT Escola de Teatro

A Escola de Teatro – A MT Escola de Teatro é um polo de formação da gestão do Cine Teatro Cuiabá firmada entre Secretaria de Estado, Cultura e Lazer (Secel-MT), Associação Cultural Cena Onze. O curso de tecnologia em Teatro tem a parceria da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat) e da Associação dos Artistas Amigos da Praça (Adaap/SP).

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Mineração movimentou mais de R$ 4,6 bilhões em um ano apenas em Mato Grosso
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA