Nacional

Confusão nas prévias do PSDB para escolha de candidato a presidência da república tem denúncia de compra de voto e até “maçã podre”

Publicados

em

Eleições 2022

Confusão nas prévias do PSDB para escolha de candidato a presidência da república

JB News

Da Redação

Foto: Divulgação PSDB

Como já era esperado nos bastidores para escolha do pré-candidato à presidência da república nas eleições de 2022 pelos correligionários tucanos, uma confusão e denúncias de compra de votos, além de um mal funcionamento no aplicativo de votação marcaram o debate.

Entre os nomes estão o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio, que destilou ódio a Eduardo Leite, dizendo sobre a incapacidade de fazer política do governador Gaúcho, e também o governador Doria de São Paulo.

As previas que estava marcada para acontecer as 07h da manhã de domingo 21.11, está suspensa, não tem ainda uma data confirmada para acontecer.

A suspenção foi por conta de um problema na plataforma de votação. Em nota, o partido disse que o aplicativo “não comportou a demanda dos votantes das prévias”, que os votos registrados neste domingo estão preservados e que a data de retomada da votação ainda será definida (veja abaixo a íntegra da nota).

“O PSDB definirá nova data para reabertura do processo de votação para que todos os filiados que não puderam votar neste domingo possam, com tranquilidade e segurança, registrar o seu voto e concluir a escolha do nosso candidato às eleições presidenciais de 2022”, diz o documento.

Leia Também:  Abílio deixa pra decidir em janeiro seu destino partidário

O presidente do partido, Bruno Araújo, disse neste domingo (21) que está prevista nesta segunda-feira (22) uma reunião com representantes dos três pré-candidatos.

Mas desde então as denúncias não pararam de acontecer, a deputada Marta Rocha, protagonizou uma confusão ainda quando estava na fila de votação, avisou que deixará a legenda para apoiar o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Segundo a deputada o presidente da sigla no Acre, Manoel Pedro de Souza Gomes estava pedindo voto para outro candidato, “é um falso tucano”. Disparou.

“Não admito que um presidente (do PSDB do Acre), que estava pedindo voto para outro candidato, um falso tucano, venha dizer que sou bolsonarista para me intimidar. Sou Bolsonaro mesmo, vou para o PL”, disparou. O PL é o partido que deverá abrigar o projeto de reeleição de Bolsonaro. Disse.

Para a deputada, o governador do Acre, Gladson Camelli (PP), foi para São Paulo, falou com o governador João Doria e “vendeu” a candidatura do partido para apoiar o PSB.

Para Arthur Vigilo, Aécio neves seria a “maçã podre” dentro da sigla, que está estragando o partido, “Considero o PSDB um caminhão carregado de maçãs boas, mas tem uma que está estragando as outras. E dou nome e sobrenome: Aécio Neves”

Leia Também:  Deputado diz que Bolsonaro terá palanque com Balbinotti em MT

Com tentativa de burlar as eleições internas por  um de seus filiados; o caso foi parar no Ministério Público de São Paulo.

COMENTE ABAIXO:

Nacional

Senado aprova nomeação de André Mendonça para o STF após quarentena de 120 dias 

Publicados

em

Por

 

Especial para o JB News

Por Joelson Eleutério Gomes

Foto: O Globo

Alguns aspectos Jurídicos e Políticos

 

Após 120 dias (uma verdadeira “quarentena”), o Senado Federal sabatinou e aprovou por 47 votos a favor, a nomeação presidencial de André Mendonça (ex-Advogado Geral da União) para a vaga no STF, disponível a partir da aposentadoria do Min. Marco Aurélio Mello.
Quais princípios André Mendonça defenderá no STF?
Em seu discurso e respostas, André Mendonça deixou claro sua posição garantista em relação à Constituição Federal de 1988, no tocante a sua interpretação, defesa e aplicação. De igual modo, o novo ministro foi enfático ao afirmar que “juiz não é acusador e acusador não é juiz”. Uma forte “critica” aos seus pares – ministros do STF. Tal declaração é um alento para a sociedade e advocacia, bem como todo o Estado Democrático de Direito. André Mendonça também deixou evidenciado que defenderá os direitos basilares da sociedade brasileira, por exemplo, liberdade de expressão. Por fim, em sua fala, asseverou que vai defender a separação dos poderes e o não ativismo judicial, ou seja, não cabe ao STF legislar e tampouco promover política pública.

Algumas questões permeiam a Sabatina no Senado Federal, são elas:

I) A demora injustificável do Senado, leia-se do Presidente da CCJ, Senador Davi Alcolumbre, na realização da sabatina constitucional; II) A indicação de um jurista, declaradamente, cristão e apoiador do atual governo; III) As polêmicas pautas do STF, as chamadas Pautas de Costumes e IV) O julgamento dos casos da Lava Jato, no STF.

Vamos aprofundar essas 04 questões, sendo certo que tais questões englobam aspectos jurídicos e políticos:

Inicialmente, importante dizer que a demora injustificável é antirrepublicana e, ao mesmo tempo, indecorosa, indevida e interesseira.

O Sr. Davi Alcolumbre desprezou, deliberadamente, a Constituição Federal de 1988 e a tradição, ao relutar e resistir no agendamento da sabatina de André Mendonça para vaga do STF. É certo que a Carta Magna (Art. 101, CF/88) não estipula prazo mínimo ou máximo para o Senado realizar a sabatina.

Leia Também:  Emanuel Pinheiro nega e desconhece “rachadinha”, e diz que tentam incriminar ele sua família

Porém, igualmente, certo que a Constituição Federal não vincula a realização do ato aos interesses e o bel prazer do presidente da CCJ do Senado Federal. Ainda neste aspecto, a tradição e a práxis mostram que o prazo de realização da sabatina, no Senado, acontece em menor tempo. Portanto, adiar por 120 dias não é razoável.

Em relação ao nomeado (André Luiz de Almeida Mendonça, 48 anos, paulista de Santos/SP), há que se concluir que o EX-AGU reúne todos os predicados constitucionais para preencher a vaga de Ministro do STF.

Isto porque, possui notório saber jurídico, sendo jurista de carreira. Foi professor em Faculdades de Direito. Possui Mestrado e Doutorando pela Universidade de Salamanca (Espanha). Exerceu o cargo de advogado da Petrobrás Distribuidora. Na AGU ocupou a função de Chefe do Departamento de Patrimônio e Probidade Administrativa, sob a gestão de Dias Toffoli (AGU à época). Foi Ministro da Justiça e Advogado Geral da União, no atual governo. Como AGU recebeu o Prêmio Innovare/2011, por adotar práticas eficientes no combate à corrupção. André Mendonça é autor de diversas obras jurídicas.

No requisito constitucional da vida pregressa, isto é, reputação ilibada, o novo ministro do STF é cristão, é teólogo, foi pastor presbiteriano, é conservador, casado e pai de dois filhos. Sustenta a seu favor boa fama e não se envolveu em casos de corrupção ou outros delitos (até que se prove o contrário).

No aspecto político, destacamos que:

A nomeação de André Mendonça para Ministro do STF suscita apreensão e, até mesmo, temor em parte da classe política e os integrantes do Supremo, haja vista que a filosofia (cristã e anticorrupção) de vida do novo ministro é antagônica aos interesses daquela classe.

Leia Também:  Para Blairo a vinda de Bolsonaro ao PL reforça Weligton mas não dá garantia de vitória nas urnas e reforça apoio a Neri Geller

Neste sentido, a dúvida é: Como será a atuação do novo ministro diante desses casos e julgamentos no Supremo Tribunal Federal? Há quem diga (parlamentares, juristas, jornalistas e população) que a atuação será ‘contaminada’ pela filosofia de vida e o apoio ao governo Bolsonaro.

Todos sabem que no Supremo tramitam pautas sensíveis para a sociedade brasileira envolvendo “temas polêmicos”, tais como, aborto; descriminalização do uso de entorpecentes; Lava Jato e criminalização de homofobia. Tais temas fazem parte da famosa “Pauta de Costumes”.

É fato, que no Brasil o STF “faz política” (atribuição estranha – inconstitucional) e, igualmente, certo que o Presidente da República (independente de quem ocupe o cargo) usa da prerrogativa constitucional (Parágrafo único do Art. 101, CF/88) para influir/intervir na composição e julgamento do Excelso Pretório.

Por outro lado, de acordo com a lei, um juiz (ministro) do Supremo deve, precipuamente, decidir/julgar de acordo com a Carta Magna de 1988 (interpretando-a e defendendo-a); obedecendo as leis; observando os princípios e fiel à sua própria consciência. Não é assim que o fazem os 10 atuais ministros da Suprema Corte, os quais são, declaradamente, iluministas e progressistas?

Os mais cautelosos e sábios ponderam que resta ao país aguardar para saber, na prática, como será o mister do novo Juiz do Supremo Tribunal Federal, o Dr. André Mendonça. Portanto, tendo sido aprovada a sua nomeação, cabe ao Presidente do STF, Min. Luiz Fux agendar a posse de André Mendonça. Segundo Fux será ainda neste ano, provavelmente, no dia 16.12.2021, no plenário do STF.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA