Economia

Comércio várzea-grandense ultrapassa saldo de empregos em relação a Cuiabá

Publicados

em

 

Em Várzea Grande, segundo os Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged), divulgados pelo Ministério da Economia, o município teve em 2020, cerca de 21.612 admissões, contra 19.442 desligamentos, o saldo é positivo em 2.170 vagas de empregos.

Se comparar com Cuiabá no saldo de empregos acumulados no ano, Várzea Grande saiu na frente, pois na Capital o saldo é de apenas 7 empregos, 71.316 admissões contra 71.309 desligamentos.

Em Várzea Grande, o comércio foi responsável pela contratação de 9.243 colaboradores, e teve 8.446 demissões.

Para o presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Várzea Grande, David Pintor, o cenário é positivo devido à crise enfrentada em decorrência da Covid-19.

“A previsão não era boa em relação ao futuro econômico do comércio, quando começou a pandemia, e o isolamento social foi imposto, mas os números positivos trouxeram alívio para todos.”

Somente em dezembro foram feitas 1.686 admissões e 1.430 demissões, resultando no saldo  de 256 empregos, já em novembro foram 2.060 contratações, e 1.433 desligamentos, totalizando 627 empregos com carteira assinada.

Os dados também mostram que Várzea Grande encerrou o mês de outubro com 2.147 admissões contra 1.681 desligamentos, o que resultou num saldo positivo de 466 postos de trabalho.

Em setembro os números também foram positivos com 1.926 admissões contra 1.544 desligamentos,  o que trouxe um saldo de 382 postos de trabalhos.

O mês de agosto fechou com 361 novos empregos, pois tivemos  1.863 admissões  contra 1.502 desligamentos.

Os dois meses anteriores: junho e julho, também tiveram números favoráveis num período em que a economia começava a superar o momento mais crítico da pandemia de Covid-19.

Respectivamente, os saldos de empregos foram de 463 e 85 vagas criadas, já descontados os desligamentos registrados em cada mês.

Em maio as contratações foram 1.354, e demissões, 1439,  o saldo foi negativo -85, o mês mais critico foi em abril, onde o saldo foi negativo, – 838, devido ao número de demissões, 1.678 ser maior que contratações, 840.

No primeiro trimestre do ano (janeiro, fevereiro e março) o número de contratações foi respectivamente de 1.884, 2.143 e 2.164, as demissões foram de 1.882, 1.877, e 2.038, seguindo a mesma ordem.

Em janeiro o salde de empregos foi de 02 vagas, em fevereiro 266, e em março de 126.

Em Mato Grosso, conforme os números do Novo Caged, o acumulado dos 12 meses foi de 353.057, contra 331.087 demissões.

Stephanie Romero
COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Risco de inflação alta não freia intenção de consumo dos cuiabanos, que registra mais um aumento em setembro

Economia

Risco de inflação alta não freia intenção de consumo dos cuiabanos, que registra mais um aumento em setembro

Publicados

em

Por

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF) na capital mato-grossense registrou alta de 5,5% em setembro sobre o mês anterior e chegou a 73,4 pontos, patamar próximo do verificado no início do ano (73,5 pontos).

A análise do Instituto de Pesquisa e Análise da Fecomércio (IPF-MT) sobre os dados da Confederação Nacional do Comércio (CNC) destaca o percentual bem superior do registrado em setembro de 2020, quando atingia 59 pontos, uma alta de 24,4%.

A pesquisa apresentou a quarta melhora consecutiva, mantendo a série de alta que começou em maio deste ano, quando apresentava 66,3 pontos. O bom desempenho foi puxado pelas famílias que recebem até 10 salários mínimos, com alta de 5,7% na variação mensal e de 24,5% no comparativo anual.

Para o presidente da Fecomércio-MT, José Wenceslau de Souza Júnior, a situação da economia está entrando em tendência de crescimento. “Os últimos indicadores são ótimos para a economia, como pode ser observado na questão da empregabilidade, onde menos pessoas disseram estar sem emprego”, explicou. Em maio deste ano, 16,1% disseram estar desempregadas, contra 9,6% verificado neste mês na pesquisa. O levantamento foi feito com 500 pessoas na capital mato-grossense.

Leia Também:  Crea Mato Grosso marca presença na Soea Connect

Com relação aos impactos da pandemia por Covid-19, o diretor de pesquisas do IPF-MT, Maurício Munhoz, frisou que, aparentemente, a economia já não é tão influenciada pela pandemia. “Acreditamos que (a economia) voltou ao seu ritmo normal”. No entanto, Munhoz ressaltou o risco da alta inflação no país. “O bom desempenho da pesquisa pode ser afetado por uma nova ameaça: a inflação, que registrou a maior alta dos últimos 19 anos no Brasil”.

A alta mencionada pelo diretor de pesquisas refere-se ao mês de julho, que apresentou alta de 0,96% sobre o mês anterior, acumula aumento de 4,76% no ano e de 8,99% nos últimos 12 meses, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA/IBGE).

O Sistema S do Comércio, composto pela Fecomércio, Sesc, Senac e IPF em Mato Grosso, é presidido por José Wenceslau de Souza Júnior. A entidade é filiada à Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), que está sob o comando de José Roberto Tadros.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA