Economia

Blockmeet começa nesta quinta com programação voltada para a agroindústria

Publicados

em

Por Dialum

Evento voltado para líderes empresariais e executivos possibilita networking com especialistas no mercado

O Blockmeet Mato Grosso começa nesta quinta, 14, com uma programação voltada para o uso das ferramentas tecnológicas emergentes na agroindústria. Esse setor tem se firmado como um dos mais empenhados em buscar implantar a tecnologia de blockchain na indústria por garantir efetividade de rastreabilidade no processo produtivo, além de viabilizar confiabilidade na implantação de medidas de sustentabilidade.

Serão dois encontros, o primeiro na quinta-feira (14), será virtual e aberto ao público, a partir das 18h30 (horário de Brasília) com o tema: Agronegócio, logística e indústria 4.0. Nomes como Eduardo Figueiredo, CEO da SBR Prime; Daniel Gennari, da Tech Arch Manager Accenture e Rodrigo Campos Vieira, especialista em Corporate Venture Capital, tratarão dos temas “Rastreabilidade de Grãos e Sementes com Blockchain”, “Blockchain Of Things e inovação Aberta na Agroindústria, respectivamente.

Já na sexta-feira (15) será realizado o primeiro encontro executivo presencial, a partir das 16h. Bernardo Madeira, que é CEO Interchains e especialista e arquiteto Blockchain será uma das atrações que dialogarão com o público sobre como de fato implementar as tecnologias emergentes na sua indústria. Os convites limitados já estão disponíveis e os interessados podem se inscrever no site do Blockmeet Mato Grosso.

Leia Também:  Boi x Indústria x Varejo

“Trouxemos para o evento temas que mostram como o blockchain já está sendo utilizado nos mercados e como isso garante que uma empresa saia na frente dos seus concorrentes na disputa comercial. Serão nomes importantes de cada setor para evidenciar isso ao público. São oportunidades de valor inestimável para líderes e executivos”, pondera Rafael Martins idealizador e CEO do Blockmeet.

O blockchain é uma forma de salvar e armazenar dados e sua principal característica é a segurança. Isto porque as informações que são inseridas nele são criptografadas, distribuídas para vários servidores ao redor do mundo e seria preciso um esforço computacional gigante para alterar algum dado. Por isso, esse instrumento está sendo considerado o futuro de dados no mercado

Para ter acesso a grade de programação do Blockmeet Mato Grosso 2021 acesse aqui. Esse é um evento patrocinado pelas empresas Everblock, SBR Prime, RS2 Automação Industrial, Horus Solutions, Interchains, Tecnoon Tecnologia & Inovação e Balanças Cuiabá, Campos Vieira Advogados. Além disso conta com apoio da Schenneider Eletric, Agrihub, Instituto Senai de Tecnologia Mato Grosso, Blacknews, Brazil Swiss Inovation Hub e Blockchain Hub Brasil.

Leia Também:  Max Russi homenageia vítimas de Covid e reforça atuação em Jaciara: 17 mi já foram destinados

Serviço: 
O Blockmeet Mato Grosso 2021 será realizado virtualmente nos dias 14,21 e 28 de outubro, sempre às 18h30 (horário de Brasília). Além destes, nos dias 15 e 29 de outubro ocorrerão os encontros executivos presenciais, que contarão com presença de nomes renomados do mercado de tecnologia, e primeiro no AgriHub e o segundo encontro no Instituto Senai de Tecnologia Mato Grosso.

COMENTE ABAIXO:

Economia

Gás GLP para uso industrial e comercial vendido em Mato Grosso terá a menor alíquota de ICMS do País

Publicados

em

Por

Projeto de Lei idealizado pelo Estado equipara o valor do tributo ao percentual praticado pelos estados da Bahia, Goiás, Amapá, Rondônia, Sergipe, Tocantins, Rio Grande do Sul e no Distrito Federal

Érika Oliveira | Secom-MT

Governo de Mato Grosso reduz alíquota do gás GLP – Foto por: Assessoria

Assim como os demais produtos que dependem da política de preços praticada pela Petrobras, o gás liquefeito de petróleo (GLP) para uso industrial e comercial tem sofrido constantes altas, impactando fortemente setores já penalizados pela pandemia da Covid-19. Em Mato Grosso, a partir de janeiro de 2022, o GLP industrial terá um corte de 5% na alíquota do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que passará a ser de 12%, a menor do País.

A proposta do Governo do Estado que prevê a redução de impostos sobre itens como a energia elétrica, gasolina, comunicação, gás GLP e diesel foi encaminhada para a Assembleia Legislativa e aguarda aprovação dos deputados.

Com o pacote de redução de ICMS, o Governo de Mato Grosso deve deixar de arrecadar cerca de R$ 1,2 bilhão por ano, valor que permanece no bolso dos contribuintes.

Leia Também:  Patrulhamento Rural recupera 81 cabeças de gado, dois caminhões e prende duas pessoas em flagrante

Diferente do popular gás de cozinha que é comercializado por meio de botijões, o GLP é encanado e tem papel fundamental como combustível sustentável, eficiente e versátil.

A maior parte de empresas, indústrias e também o agronegócio podem se beneficiar do GLP, como a têxtil, na secagem de tecidos e fixação de pigmentos; a alimentícia, na pasteurização e preparo de alimentos e bebidas; agropecuária, na secagem e torrefação de grãos e aquecimento de ambientes; automotiva, na secagem da tinta usada para pintar os veículos; mineradora, como fonte de energia para esteiras e bombas d’água; e gráfica, na secagem do papel preso em máquinas rotativas.

Sujeito ao valor do barril do petróleo e à cotação do dólar, o GLP industrial teve reajuste médio de 8% por parte da Petrobrás este ano. As constantes altas se devem à política de preços praticada pela empresa, que faz com que os valores dos combustíveis sofram reajustes de acordo com a variação cambial.

Gás de cozinha

O Estado de Mato Grosso já aplica a menor alíquota de ICMS do Brasil sobre o gás de cozinha. Vale destacar, ainda, que o imposto cobrado a título de ICMS em Mato Grosso caiu. No mês de maio, conforme tabela da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), o valor do tributo foi de R$ 11,68, um dos mais baixos do País.

Leia Também:  Max Russi homenageia vítimas de Covid e reforça atuação em Jaciara: 17 mi já foram destinados

A composição do preço do gás de cozinha no Estado é de 12% do ICMS; 38,7% é o índice da revenda e lucro pelas distribuidoras; e 49,3% é o valor cobrado pela Petrobrás.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA