Pet

Animal resgatado na BR-163 ganha nova família

Publicados

em

JB News 

 

A primeira cachorra resgatada na BR-163, após firmada a parceria entre a Rota do Oeste e o Projeto Luta e União de Amigos para Animais em Risco (Projeto Lunaar) de Cuiabá, ganhou novos donos. A família estava em busca de uma companhia para a cadela que já tinha, e em um pouco mais de um mês a Ruth já estava no novo lar.

A adotante, Vânia da Silva Oliveira, mora na zona rural e considera a parceria uma forma de ajudar animais que precisam de amparo. Para ela é importante ter quem resgate e leve para tratamento. “Melhor ainda, é que eles podem se recuperar em um abrigo e têm a chance de encontrar uma família”. A escolha aconteceu porque a Ruth tem um problema na pata. Silva acredita que este seria um motivo para que as pessoas rejeitassem a cadela.

O gerente de Sustentabilidade da Rota do Oeste, Wilmar Manzi, conta que esta foi a primeira adoção de um animal resgatado pela equipe, depois do início da parceria com o Projeto Lunaar, e espera o mesmo desfecho com todos. “O resgate é o início da nossa preocupação com a causa. Retiramos da BR-163, para que não corram risco, mas desde sempre nos preocupamos com as demais etapas do processo, como a recuperação e adoção”.

Leia Também:  Padrasto é denunciado por matar menino de dois anos com chutes na cabeça

Carla Fahima, membro da diretoria do Lunaar, explica que a procura por animais aumentou durante a pandemia. “Hoje o Projeto tem ao todo, 80 gatos e cerca de 10 cachorros, mas a rotatividade foi grande nos últimos meses e eles têm ficado nos abrigos apenas durante o tempo de recuperação, logo são adotados. É ótimo, pois significa que o mesmo irá acontecer com aqueles que forem resgatados pela Rota”.

A nova dona conta também que, ao chegar no sítio, a cachorra estava agitada e não permitia ser retirada da caixa de transporte. Depois de algumas horas ela saiu por conta própria e começou a conhecer o ambiente. Fahima explica que existe um período de adaptação entre os dois locais. “Primeiro, eles se acostumam com o lar temporário, depois que vão para a casa definitiva, podem sim ficar um pouco ariscos ou bravos, mas dura apenas o tempo de adaptação”. Ao chegar no abrigo, Ruth também apresentava bastante agressividade. Segundo ela, é normal que eles fiquem assim quando passam por algum trauma.

Leia Também:  Mais de 30 bichinhos aguardam por adoção responsável neste Natal

Sobre a parceria

 

Manzi explica que a empresa resgata os animais que são localizados às margens da rodovia, em todo o trecho sob concessão (que vai de Itiquira a Sinop) e os direciona para tratamento em clínicas veterinárias. Assim, podem se recuperar de ferimentos ou até mesmo de uma possível doença. “A parceria é uma melhoria no procedimento, porque após este processo, o Projeto Lunaar vai oferecer moradia para que eles aguardem a adoção”.  A empresa também irá fornecer apoio nos custos de tratamento dos animais resgatados pelo próprio Projeto.

Fahima acredita que a atitude da Concessionária irá possibilitar que muitos animais ganhem os cuidados necessários. “O Projeto sobrevive de doação e é muito importante que tenhamos apoio. A gente sabe que os animais ficam receosos depois do resgate, o lar temporário é o local de recuperação e a primeira adaptação”, completa.

Como adotar

 

Os interessados em adotar um animal resgatado pela Rota do Oeste e também pelo Projeto Lunaar, podem acessar as redes sociais buscando por @projetolunaar no Facebook ou no Instagram.

 

COMENTE ABAIXO:

Pet

Adotar animal idoso é muito diferente de um filhote? Especialista dá dicas de adaptação

Publicados

em

Por

JB NEws

Foto:Getty-image

Pets mais velhos acabam ficando mais tempo em abrigos, enquanto os mais novos ganham novo lar com facilidade, por conta da idade

O abandono de animais é um assunto sério e quando falamos em adoção, os filhotes são os primeiros a ganharem um lar, enquanto os idosos acabam permanecendo em abrigos. Segundo o Projeto Lunaar, de Cuiabá, ONG que resgata, abriga e disponibiliza animais para adoção, gatos idosos raramente são adotados e acabam ficando no abrigo. Acrescenta ainda que, até hoje, apenas três cães de idade avançada ganharam um lar, mas todos os outros acabam permanecendo na ONG até o fim da vida. Geralmente, o custo que um animal mais velho pode gerar, e a dificuldade de adaptação, são as primeiras justificativas de quem opta por um pet mais jovem. Mas será que realmente há tanta diferença?

O coordenador do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Cuiabá (Unic), Lázaro Camargo, explica que qualquer animal irá precisar de cuidados. “Independente da idade, as vacinas devem estar em dia, será preciso acompanhar a saúde do animal e tudo mais. A única diferença é que um animal mais idoso pode demandar cuidados especiais mais cedo. No entanto, um filhote também precisa de um maior atenção, então a situação acaba não mudando muito”, comenta.

Sobre as vantagens de adotar um pet mais velho, o professor destaca a noção do porte do animal. “Quando você opta por um filhote de abrigo, não dá para se ter certeza do tamanho que o animal vai ficar. A pessoa terá, no máximo, uma noção. Já um cachorro idoso, a pessoa já sabe o porte do animal e pode escolher o que melhor se adaptará ao seu espaço”. Além disso, Lázaro fala do fato de se poder adotar os mais tranquilos. “Para quem mora em apartamento, ou precisa de um bichinho mais quieto, os idosos são as melhores companhias”, diz.

Leia Também:  Mato-grossense Feminino 2020: FMF divulga regulamento e tabela detalhada da competição

Ao falar de adaptação do pet de idade avançada ao novo lar, o coordenador elenca algumas dicas. Primeiramente, diz que mesmo traumatizados com o abandono ou qualquer outro motivo, uma nova casa, com donos amorosos e pacientes, são essenciais para que eles se sintam ambientados.

Confirma alguns cuidados que ajudam na integração de um animal idoso:

– Mantenha uma rotina: animais adoram ter hora correta para passeio, brincar, comer etc. O organismo deles funciona como um reloginho e ter horário definido para todas as atividades, ajuda no processo;

– Caso o animal tenha um pano preferido, caminha, pote de ração/água, ou até um brinquedo que goste, leve os itens com você para casa. Isso ajuda na familiarização do ambiente e faz com que ele se sinta bem;

– Mantenha o pet ativo. Atividades e brincadeiras não são dispensáveis apenas porque o animal é mais velho. Brinque, estimule pulos e corridas. Saia para passear ao menos uma vez por dia;

– Tem outros animais em casa? Faça o primeiro contato em locais neutros e fique por perto caso perceba algum estranhamento. Algum deles estranhou? É só chamar atenção e seguir com a tentativa de contato;

– Choros, inquietudes e grunhidos são normais nos primeiros momentos, principalmente depois de ficarem sozinhos por um tempo. Esses sinais são comuns e passageiros, então, não há com o que se preocupar, apenas ofereça amor e atenção;

– Mantenha as vacinas em dia e faça visitas periódicas ao veterinário.

UNIC 

 

Fundada em 1988, a Unic foi a primeira instituição privada de ensino superior no Mato Grosso e é uma das universidades mais conhecidas e tradicionais da região, tendo formado milhares de alunos nos cursos presencias e a distância. Com unidades em várias cidades do estado e representatividade em diversos campos de atuação, a instituição oferece cursos de extensão, graduação, pós-graduação lato sensu, além de programas de mestrado e doutorado.

Leia Também:  Cães sem coleira ou focinheira - Descuido fere a lei e à saúde de outros pets

 

De portas abertas para a comunidade, a instituição presta inúmeros serviços à população por meio das Clínicas-Escola na área de Saúde e Núcleos de Práticas Jurídicas, locais em que os acadêmicos desenvolvem os estudos práticos. Focada na excelência da integração entre ensino, pesquisa e extensão, a Unic oferece formação de qualidade e tem em seu DNA a preocupação em compartilhar o conhecimento com a sociedade também por meio de projetos e ações sociais.  

Em 2010, a Unic passou a integrar a Kroton. Para mais informações, acesse o site.

Sobre a Kroton

A Kroton nasceu com a missão de transformar a vida das pessoas por meio da educação, compartilhando o conhecimento que forma cidadãos e gera oportunidades no mercado de trabalho. Parte da holding Cogna Educação, uma companhia brasileira de capital aberto dentre as principais organizações educacionais do mundo, a Kroton leva educação de qualidade a mais de 936 mil estudantes do ensino superior em todo o País. Presente em mais 1.900 municípios, a instituição conta com 131 unidades próprias, sob as marcas Anhanguera, Pitágoras, Unic, Uniderp, Unime e Unopar e é, há mais de 20 anos, pioneira no ensino à distância no Brasil. A Kroton possui a maior operação de polos de EAD no país, com 2.259 unidades, e oferece no ambiente digital 100% dos cursos existentes na modalidade presencial. Com a transmissão de mais de 1.000 horas de aulas a cada mês em ambientes virtuais, a Kroton trabalha para oferecer sempre a melhor experiência aos alunos, apoiando sua jornada de formação profissional para que possam alcançar seus objetivos e sonhos. Para mais informações, acesse o site.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA