AGRONEGÓCIOS

Abortamento de vagens de soja acarretou perdas de até 20% durante a safra 20/21 em relação às colheitas dos anos anteriores

Publicados

em

 

Os resultados de pesquisa apontam perdas no sequeiro e áreas irrigadas

 Por Julianne Caju

Resultados de pesquisas durante a safra 2020/2021, realizadas nas lavouras da região médio norte de Mato Grosso, revelam que o abortamento de vagens e sementes em soja resultaram em perdas de 4 a 8% no sequeiro, e nas áreas irrigadas, de 4 a 20%, em relação a mesma produtividade obtida nestas áreas na safra 2019/2020. Esse dano tem relação, principalmente, com o efeito do ambiente no desenvolvimento e na fisiologia da cultura da soja, podendo ocorrer também na fase final de enchimento de grãos, devido ao desbalanceamento na relação fonte/dreno.

As informações foram disponibilizadas por produtores através de amostras sintomáticas e analisadas pela Clínica de Diagnose de Doenças de Plantas da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus de Sinop.

Esses dados foram apresentados pela pesquisadora em Fitopatologia, doutora Solange Maria Bonaldo, na palestra sobre os impactos do clima na fisiologia e fitossanidade da soja na safra 20/21, realizada na última terça-feira (1º), na programação do Circuito Master Meeting Soja, evento realizado pela Proteplan e reúne os maiores especialistas do Brasil para debates sobre temáticas importantes da agricultura. De acordo com a pesquisadora, a umidade e as temperaturas são fatores que contribuem para o crescimento de fungos nas vagens e sementes abortadas. Com elevada umidade e temperaturas favoráveis ao desenvolvimento de fitopatógenos – que infectam após os danos nos tecidos -, foi possível observar o crescimento desses fungos.

“Nas amostras que analisamos observamos a presença de fungos como Colletotrichum spp., Macrophomina sp., Phoma sp. e Phomopsis sp., nas vagens e sementes. Porém, com maior frequência nas amostras foi observado a presença de Colletotrichum spp. e Phoma sp., fungos considerados oportunistas, sapróbios ou endófitos da própria planta”, revela.

Leia Também:  Recuperação Judicial é alternativa para produtores estancarem a crise e negociarem passivos

Alana Tomen, pesquisadora da Proteplan, explica que o distúrbio nas vagens, com consequente apodrecimento, é resultado de um conjunto de fatores edafoclimáticos. “Nas duas últimas safras tivemos temperaturas acima da média nos meses de outubro e novembro. Além disso, houve meses com restrição hídrica e com excesso de radiação solar. Em situações extremas como essas, não há como esperar que as plantas se comportem exatamente da maneira como estávamos acostumados”, explica.

A Clínica de Diagnose de Doenças de Plantas da UFMT, recebeu na safra 2020/2021, um total de 40 amostras apresentando os sintomas de apodrecimento nas vagens, provenientes de áreas de irrigação ou sequeiro, sendo que nas áreas de sequeiro, ocorreu estresse hídrico na implantação e estabelecimento da cultura.

 

Outras análises

 

Segundo a pesquisadora, além das vagens e grãos, analisou-se o sistema radicular destas amostras e observou-se comprimento médio de 11,78 cm, com mínimo de 7 cm e máximo de 22 cm, sendo que 62,50% das amostras das raízes de plantas com apodrecimento de vagens e grãos apresentaram crescimento de Macrophomina sp., fungo naturalmente encontrado em solos cultivados e amplamente distribuído. Também se observou a presença de Rhizoctonia sp., Fusarium sp. e nematoides no sistema radicular.

Fitopatógenos no sistema radicular e/ou colo das plantas comprometem os processos fisiológicos de absorção e transporte de água e nutrientes, o que, conforme relatos da pesquisadora, provavelmente acarretou o desbalanço na relação fonte/dreno.

Leia Também:  Exportações ajudam produtores de aves a superar alta nos custos

Sobre a infecção por Macrophomina sp., ela explica que a incidência ocorre em função da predisposição da planta ao patógeno, e pode ser favorecida por solos compactados, solos sob elevada temperatura e déficit hídrico. “Além disto, a compactação favorece a ocorrência de doenças causadas por patógenos presentes no solo (afetando o sistema radicular) e o baixo potencial hídrico reduz a atividade de microrganismos benéficos (antagonistas)”.

  

Buscando solução

 

Diante da abertura precoce das vagens de soja, Solange recomenda ao produtor buscar o diagnóstico correto do que está causando o problema em sua lavoura. “Se a causa for abiótica (estresse hídrico, por exemplo), os produtores devem adotar estratégias de manejo do solo que evitem compactação, adoção de rotação de culturas, uso de condicionadores de solo e microrganismos benéficos. A semeadura deve ser realizada com teores adequados de umidade no solo, manejo adequado da irrigação em pivô, bem como determinar o espaçamento entre linhas e número de plantas/m mais adequado para o nível de fertilidade do solo, uma vez que a redução de plantas na linha permite maior engalhamento das mesmas, contribuindo para preservação do terço inferior das plantas e exposição das folhas a luz”, explica Bonaldo.

Diferentes locais

 

Foi possível observar os mesmos sintomas em amostras de diferentes municípios do médio norte de Mato Grosso, como Sorriso, Nova Mutum, Tabaporã, Nova Ubiratã, Feliz Natal e Lucas do Rio Verde. Além desses municípios mato-grossenses, houve também amostras recebidas do estado de Rondônia.

COMENTE ABAIXO:

AGRONEGÓCIOS

Exportações ajudam produtores de aves a superar alta nos custos

Publicados

em

Por

JB News
Com as intensas valorizações da cotação do milho desde setembro/20, a avicultura não poderia ficar de fora da tendência altista de custos. O poder de compra do avicultor frente ao grão atingiu o menor patamar no mês de abril de 2021.

Ainda que com ligeiro aumento, o mês de maio registrou o segundo pior índice de poder de compra da série histórica do Cepea Esalq/BM&FBOVESPA. Esta redução no poder de compra está atrelada à quebra de safra e, sobretudo, pelo receio do repasse dos custos de produção para os consumidores nesse período.

O levantamento realizado pela Neo Agro Consultoria, com base nos dados do Cepea/Esalq aponta que em maio/21, para cada quilo do frango congelado vendido pelo avicultor paulista, era possível comprar 4,15 quilos do milho. A relação de troca ficou 15,4% inferior ao que foi registrado em maio/20.

A realidade dos avicultores com relação aos custos e a situação do mercado está desafiadora, especialmente para os pequenos e médios produtores. Na avicultura integrada, os desafios são compartilhados entre produtores e agroindústria. Os insumos, em abril, compuseram 75,3% do custo total dos avicultores, segundo o Índice de
Custo de Produção da Embrapa.

Leia Também:  MPMT instaura procedimento para apurar declarações homofóbicas de padre durante missa em Tapurah

O respiro para os criadores vem com o resultado das exportações de frango congelado, que compensaram os entraves da produção no período. De acordo com os dados da Secex, em maio foram exportadas 383,2 mil toneladas de carne de frango in natura, número 5,6% maior que o volume escoado em abril/21.

Mesmo com a notícia positiva das exportações, o avicultor deve procurar medidas para driblar o preço do cereal.
Com a chegada do milho safrinha e as culturas de inverno, como sorgo, somado com o planejamento, os embarques aquecidos e o recuo do dólar frente ao real, as perspectivas na produção avícola podem ser mais animadoras para os próximos meses.

📈 A análise completa está disponível em www.neoagroconsultoria.com.br

Lá também é possível acessar análises técnicas, notícias e outros artigos de opinião produzidos pela equipe da Neo Agro.

  1. Por Laís Costa Marques
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA