Saúde

Max Russi apresenta demanda de Central de Regulação e cobra providências da SES

Cáceres

Publicados

em

 

 

Falta de médicos estaria inviabilizando trabalhos da Regional, que atualmente atende 22 municípios.

 

Com a demissão de três servidores da Central Regional de Regulação de Urgência e Emergência de Cáceres, o órgão tem encontrado dificuldades para dar andamento nas autorizações de procedimento cirúrgico. Essa demanda chegou ao deputado Max Russi (PSB), que apresentou, através de uma de suas indicações na Assembleia Legislativa, o pedido de providências a Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT).

 

Realizando atendimento a 22 cidades da região e com apenas um médico regulador, a central do município tem apresentado atrasos nas regulações. Em decorrência desse baixo número de efetivo, a lista de espera tem aumentando.

 

Esse problema foi apresentado ao deputado pelo vereador Jerônimo Gonçalves (PSB), que alega ter ouvido a inúmeras reclamações de famílias, em razão da demora nas autorizações de cirurgias de pacientes, principalmente em estado grave.

 

“Estamos falando de vidas, de quem precisa de uma cirurgia com urgência e pode vir a óbito por não conseguir o atendimento. Tínhamos quatro médicos trabalhando nas regulações, três deles estavam aguardando ser chamados, porém isso não aconteceu e eles não estão mais. Apenas um médico não dá conta de todo o trabalho”, alerta o vereador.

Leia Também:  Não deixe sua visibilidade nas redes torturar você no cotidiano

 

Com a quantidade insuficiente de médicos atuantes para a função, a Regional paralisou os trabalhos desde o dia 29 de novembro desse ano, repassando as demandas para a Central de Cuiabá. Para o deputado Max Russi, essa é uma decisão paliativa, mas que precisa ter uma resolução em definitivo.

 

“Precisamos que a Secretaria de Saúde busque formas de resolver o mais rápido possível. Esse é o tipo de trabalho que não pode parar, pois as famílias já ficam mais sensíveis por estarem passando pela dificuldade da doença. Ficar aguardando em uma fila, sem saber quando poderá ser atendido, é desumano”, avalia.

 

COMENTE ABAIXO:

Saúde

Instituto promove live sobre uso medicinal da cannabis   

Publicados

em

Por

 

Por Rafaela Máximo

Discussão será mediada pelo advogado Ussiel Tavares e reunirá nomes como o do promotor de Justiça de Mato Grosso Alexandre Guedes, do presidente da OAB Nacional em Bioética Henderson Furs, do gerente de produtos controlados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) Thiago Brasil Silvério, do médico oncologista Wilson Garcia, do médico anestesiologista do Hospital de Câncer de Mato Grosso, Felipe Audi Bernardino e do advogado Marcos Marrafon.

“O uso terapêutico e legal da cannabis para pacientes oncológicos” será o tema da live promovida pelo Instituto Mario Cardi Filho em parceria com o Hospital de Câncer de Mato Grosso no dia 05 de outubro, a partir das 19h.

Para o presidente do Instituto Mario Cardi Filho, advogado Ussiel Tavares, “Esse é um assunto precisa ser discutido por toda a sociedade. E para opinarmos e nos posicionarmos é preciso entender o tema, tirar dúvidas. Para dar visibilidade ao assunto vamos promover a discussão trazendo diversos pontos de vista: o político, o do direito, o da justiça, da medicina, a bioética e da Agencia Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa”, explica o presidente.

Leia Também:  Liminar obriga Unimed Cuiabá a garantir continuidade de tratamento

 

A regulamentação da cannabis medicinal é um tema controverso. No Senado Federal projetos de leis tramitam enquanto pacientes tentam vencer além da doença, o preconceito, as ações judiciais e o alto custo para a importação das substâncias.

 

Entre os prós se sabe que essas substâncias, genericamente chamadas de canabinoides, as mais utilizadas são o CBS e o THC, são medicamentos não capazes de curar doenças propriamente ditas, mas sim de minimizar ou até eliminar certos sintomas e, dessa forma, melhorar a qualidade de vida do paciente.

 

Por outro lado, os críticos se dividem entre os que afirmam que os estudos sobre a segurança não são conclusivos e os que acreditam que a disseminação dos remédios seria apenas o primeiro passo para a legalização da maconha no país.

 

“Será uma boa discussão, convidamos a todos os interessados a participar e tirar suas dúvidas”, pontua Ussiel Tavares.

 

A live será transmitida ao vivo pelo canal do YouTube do Instituto Mário Cardi Filho, dia 05 de outubro, a partir das 19h.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA