CULTURA

Trajetória de Vera Capilé será revisitada em livro, documentário e CD

Publicados

em

Já está em fase de produção o projeto que homenageia artista nascida em MS, mas cuja história se entrelaça com a cultura cuiabana e mato-grossense

 

Expoente da cultura cuiabana, mas que a propósito nasceu em Dourados (MS), a cantora e compositora Vera Capilé tem passado os últimos dias revivendo as memórias. Uma das homenageadas do edital Mestres da Cultura, a artista vai ter sua biografia registrada em livro, documentário e ainda, uma coletânea com as músicas mais marcantes de sua carreira será lançada.

“Disseram que precisavam do meu release e nem questionei. Depois, me chamaram para um café: ‘Vera, você vai ser homenageada’. Chorei igual criança”, se diverte ao lembrar da boa nova levada pela proponente do projeto, Tatiana Horevicht.

“Vera nasceu em Mato Grosso do Sul, numa época em que os estados eram um só. E ao viver boa parte de sua vida em Cuiabá, sua história se entrelaça de tal maneira com a cultura de Mato Grosso, que ela se tornou um dos ícones da cultura mato-grossense. Tem uma contribuição imensurável e incontestável quando revisitados os 60 anos de carreira que completa em 2021”, destaca Tatiana. Na empreitada recebe suporte do historiador Luiz Gustavo Lima e da cineasta Juliana Capilé.

E se alguém contestar a legitimidade da informação, Vera emenda brincando: “Já tenho até título de cidadã cuiabana”. E entrega: “acredita que ainda não tenho a de cidadã mato-grossense? Fica a dica!”, ri muito.

Livro, documentário e CD

No primeiro mês do projeto, cuja execução está focada na produção do livro, Vera sabe que ainda tem muito “chão” pela frente. “Me pediram para garimpar fotos antigas, vamos fazer fotos atuais e tenho dado É tanta coisa que estou revivendo”.

Leia Também:  Dos antepassados aos dias atuais: Livro contará história de Vera Capilé 

Para o documentário, cujas gravações ainda vão começar, serão promovidos encontros com amigos e importantes parceiros artísticos. “Imagina só o nível de felicidade que estou vivendo! Me reunir com grandes amigas como Glória Albues, Vitória Basaia e Lúcia Palma! Mal posso esperar”.

Tatiana ressalta que junto aos livros, serão encartados os CDs e está na lista dos pontos de distribuição, bibliotecas de todo o Estado de Cuiabá. “Dessa forma a gente contribui como fortalecimento da história cultural de nosso Estado”.

O documentário arremata as diferentes nuances da proposta selecionada pelo edital da Aldir Blanc, viabilizado pelo Governo de Mato Grosso via Secretaria de Cultura, Esportes e Lazer (Secel-MT) em parceria com o Governo Federal via Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo.

O secretário Beto Machado destaca celebrou a homenagem a Vera. “Além de ser uma artista fabulosa, Vera Capilé é uma ativista da cultura mato-grossense. Sua arte honra o conjunto do patrimônio imaterial de Mato Grosso”.

Trajetória inconteste

Nesse exercício de revisitar suas memórias, Vera tem fortalecido também sua autoestima. “Daí que eu fui olhar para trás. Foi tanta coisa que eu já fiz, representando nossa cidade, nosso Estado e até o nosso país em apresentações internacionais como a que fiz”.

Vera levou o nome e a música de Mato Grosso para todo o Brasil e para a França em turnê pelo Projeto Pixinguinha ao lado de Simone Guimarães e Renato Brás. Ela cantou, entre outras músicas, o hino de São Benedito, do qual é devota. Ela também é reconhecida por performances memoráveis entoando os hinos de Cuiabá, Mato Grosso e nacional, à capela ou ao som da viola de cocho. Muitas destas, na companhia de outro grande parceiro, Habel Dy Anjos.

Leia Também:  Campus deu início ao projeto "Nosso Palco”

Além de toda a colheita que vem de uma longa trajetória em defesa da cultura mato-grossense, Vera espera que esse momento único de sua carreira possa reforçar suas raízes. “Gostaria muito que as pessoas soubessem que tive todas essas pessoas que deram base, a principal delas, meu pai”. Sinjão Capilé foi quem sempre a orientou.

“Nunca elogiou. Ele só me olhava. Mas um dia, quando ele estava me acompanhando em um show em 2015 e ele tinha 99 anos, ficou me olhando por um tempo como se nutrisse grande admiração e disparou: eu nunca vi alguém cantar como você. Eu sabia como me amava, mas até então, nunca tinha expressado. É um momento inesquecível da minha vida”.

Para tornar esse momento que está vivendo ainda mais especial, Vera também arremata o livro em que reconta A propósito, Vera adianta que também ela teve projeto aprovado no edital MT Nascentes. Oportunidade que terá de publicar um livro sobre a trajetória do pai, que não só foi expoente da música, como também, da história política de Mato Grosso. “Mas isso é uma outra história, aguardem”.

Serviço

Homenagem a Vera Capilé

Projeto selecionado por edital da Lei Aldir Blanc/Secel-MT

Status: Em fase de produção

 

Lidiane Barros
COMENTE ABAIXO:

CULTURA

Dos antepassados aos dias atuais: Livro contará história de Vera Capilé 

Publicados

em

Por

Em seus encontros com Vera Capilé, o historiador Luiz Gustavo Lima tem aplicado a metodologia da Tecnologia Social da Memória para realizar pesquisa

Com base nas diretrizes da Tecnologia Social da Memória, metodologia de pesquisa e registro utilizada pelo Museu da Pessoa (SP), o historiador Luiz Gustavo Lima realiza imersão pelas memórias da artista Vera Capilé. O resultado poderá ser conferido em breve, em livro proposto em projeto documental que a homenageia e que foi selecionado no edital Mestres da Cultura.

Luiz Gustavo tem se encontrado regularmente com Vera e também, participou como ouvinte das gravações do documentário. Este, dirigido por Juliana Capilé. Um terceiro produto é uma coletânea com clássicos da carreira de Vera.

“Nesse processo, começamos pelos antepassados dela. Nossa sorte foi que o pai de Vera, seo Sinjão Capilé, e o irmão Júlio, escreveram um livro que conta a saga da família, desde a saída dos Capilé, do interior de São Paulo até chegar em Dourados, Mato Grosso do Sul, quando com Mato Grosso, formava um único Estado. Isso foi lá pelo final do século 19”.

Leia Também:  Dos antepassados aos dias atuais: Livro contará história de Vera Capilé 

Então, o registro ancestral é bem fiel. “Sinjão, por exemplo, nasceu na década de 1920 já em Dourados. Então, ela tem esse conhecimento dos primórdios da família, desde Mato Grosso do Sul até a transição para Cuiabá quando bem cedo, ela já começa seu precoce envolvimento com as artes, sempre com o canto, com o teatro”, conta Luiz Gustavo.

O livro segue contando a história de Vera até os dias atuais. As conversas que levavam em média duas horas, foram se desdobrando ao longo de quatro encontros.

Segundo o historiador, dentre os pontos mais marcantes dos relatos de Vera, está a presença muito marcante do pai em sua vida. “Ela esteve sempre muito conectada a ele. Uma figura muito expressiva, um grande orador, político e ainda, um homem das artes, seresteiro, gostava de cantar e tocar violão. Então, há essa facilidade na comunicação, uma das grandes heranças dele para Vera”.

A sensibilidade artística de Vera é tão presente em sua vida que alcança até mesmo a carreira que construiu na Psicologia. “Vera é especializada em psicogerontologia, ciência que se dedica aos cuidados dos idosos e ela se orgulha muito disso e faz com arte”.

Leia Também:  Em curta-metragem, Gervane de Paula transita entre a ficção e a realidade ao procurar abrigo para nova obra

Luiz Gustavo conta que ao ouvir Vera, se emocionava constantemente. “Vê-la construindo a narrativa foi emocionante. Ela carrega uma força descomunal. Tem uma dinâmica da pessoa que entende o valor de sua história. Ao falar e ao seu ouvir, ela vai de certa forma se empoderando ainda mais”.

Para arrematar a coleta de dados, o historiador considera que acompanhar as gravações do documentário foi fundamental. “Ouvi depoimentos de amigos muito próximos, como Ivens Scaff, Jaime Okamura, Vitória Basaia, Glória Albues, Lúcia Palma e o companheiro Waldir Bertúlio, além de amigas de infância e as irmãs que convivem muito perto dela. Os relatos acrescentaram dados complementares”.

O projeto proposto pela produtora cultural Tatiana Horevicht, foi contemplado pelo edital Mestres da Cultura, idealizado pelo Governo de Mato Grosso via Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer (Secel-MT), em parceria com o Governo Federal via Secretaria Nacional de Cultura do Ministério do Turismo.

  Por Lidiane Barros

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA