Saúde

Ter filhos pequenos protege famílias contra formas graves da Covid-19

Publicados

em


Estudo indica que ter filhos pequenos em casa protege família da Covid-19
Pexels

Estudo indica que ter filhos pequenos em casa protege família da Covid-19


Além de manter o calendário vacinal em dia, há uma outra realidade surpreendente que pode oferecer proteção contra formas mais graves da Covid-19: ter filhos pequenos em casa. A descoberta faz parte de um estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences. Os autores explicam que a resposta para a menor incidência de hospitalizações entre aqueles com crianças de até cinco anos pode estar na infecção prévia por outros coronavírus mais brandos, que causam quadros de resfriado e podem oferecer uma proteção, ao menos contra desfechos severos, para a Covid-19 .

O trabalho foi conduzido por pesquisadores da organização americana de saúde Kaiser Permanente junto a cientistas da Universidade de Stanford e da Universidade de Columbia, ambas nos Estados Unidos. Eles analisaram dados de mais de três milhões de adultos, com ou sem filhos, até janeiro de 2021.

No final, constataram que adultos que não conviviam com crianças tiveram cerca de 15% menos infecções, porém níveis de hospitalização consideravelmente mais altos. Em comparação ao grupo de pais com filhos de até cinco anos, a necessidade de internação pela Covid-19 chegou a ser 49% maior. Quando avaliada a admissão em Unidades de Terapia Intensiva (UTI), foi até 75% maior.

Leia Também:  Timão faz último treino antes de Derby contra o Palmeiras

“Nossas descobertas fornecem evidências epidemiológicas potenciais para sugerir a possibilidade de que a imunidade cruzada por coronavírus não-SARS-CoV-2 (que não causam a Covid-19) possa fornecer um nível de proteção contra doença grave da Covid-19”, escreveram os autores do estudo.



Isso porque os resfriados comuns, que são mais prevalentes em crianças pequenas, podem ser causados por uma ampla variedade de vírus respiratórios, como o adenovírus, o rinovírus e outros coronavírus. Embora da mesma família do Sars-CoV-2, patógeno responsável pela Covid-19, esses coronavírus são mais brandos e já circulavam antes da pandemia.

Os pesquisadores sugerem que o convívio com crianças de até cinco anos, e consequente maior risco de contaminação por esses coronavírus, pode ter levado ao desenvolvimento de uma imunidade que oferece algum nível de proteção contra o Sars-CoV-2.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:

Saúde

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro

Publicados

em

Por

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro
Redação EdiCase

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro

Alguns alimentos e hábitos do dia a dia podem auxiliar nas funções cognitivas cerebrais. Outros, porém, podem se transformar em grandes vilões e até potencializar a destruição dos neurônios. “A pessoa que não tem o hábito de realizar a primeira refeição matinal, no caso o café da manhã , estimula constantemente processos pontuais de hipoglicemia, que gera uma quantidade insuficiente de nutrientes ao cérebro, causando sua degeneração paulatinamente”, explica a nutricionista clínica esportiva Fernanda Alves.

Principais vilões para o cérebro

Ainda que vários hábitos e alimentos possam prejudicar o cérebro, alguns, em específico, são considerados os mais perigosos. “Os maiores vilões são o estresse , o álcool, as drogas, a má alimentação, a poluição e o cigarro. A alimentação rica em produtos industrializados, especialmente adicionados de corantes, aromatizantes e conservantes, também se mostra bastante nociva para o cérebro, inclusive para as crianças”, sintetiza a nutricionista Pérola Ribaldo. 

Cafeína também é prejudicial

A nutricionista Gabriela Taveiros explica que a ingestão excessiva de cafeína, presente no café, refrigerantes à base de cola, chocolate e alguns chás, como o mate, também é prejudicial, pois ela é um estimulante do sistema nervoso. 

Leia Também:  Jornalista russa que exibiu cartaz na TV contra guerra é presa

Outros h ábitos que também são perigosos 

A seguir, a nutricionista clínica esportiva Fernanda Alves lista alguns hábitos negativos para o cérebro! 

Consumo de alta quantidade de alimentos

O consumo exagerado de alimentos , principalmente dos industrializados, causa o endurecimento das artérias do cérebro, o que influencia na diminuição da capacidade mental. 

Nicotina

Os fumantes contam com os malefícios proporcionados pela nicotina, substância tóxica que tem como um dos sintomas a diminuição encefálica, com a aceleração da morte de alguns neurônios, o que facilita o aparecimento dos sintomas iniciais da doença de Alzheimer. 

Consumo excessivo de açúcar

O alto consumo de açúcar interrompe a absorção de proteínas e outros nutrientes, causando má nutrição e podendo interferir no desenvolvimento do cérebro. 

Noites de sono mal dormidas

Dormir pouco também é ruim. Isso porque o ato de dormir permite ao cérebro descansar. A falta de sono por períodos prolongados acelera a perda de células cerebrais. 

Poluição

O cérebro é o maior consumidor de oxigênio do corpo, por isso, inalar ar contaminado ou poluído diminui sua oxigenação, provocando uma diminuição da eficiência cerebral. 

Leia Também:  Várzea Grande terá quatro postos de atendimentos exclusivos para o população com Síndrome Gripal

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA