Saúde

Simony: entenda o que é câncer de intestino e quais são os sintomas

Publicados

em

Simony e médico Paulo Maluf
Reprodução / Instagram

Simony e médico Paulo Maluf

A cantora Simony revelou aos fãs que está com câncer no intestino. A artista contou observou uma íngua na virilha e foi procurar ajuda médica. O diagnóstico ocorreu após a realização um exame de colonoscopia. Ela se disse confiante em enfrentar a doença.

O médico responsável pelo tratamento da cantora é o oncologista Paulo Maluf. O especialista explicou que o tumor encontrado na cantora está localizado no final do intestino, próximo ao ânus. O tumor encontrado em Simony é chamado de epidermóide e ocorre em cerca de 98% dos casos de câncer de intestino.

“É um tumor que começou nesta região e tem alguns gângliosinhos. Foi por causa de um desses gânglios na região da virilha que a Simony percebeu que alguma coisa estava errada”, disse Maluf.

“Costumo dizer que esse gânglio me salvou”, complementou a cantora.

O oncologista deixou claro que este tipo de câncer tem tratamento — que será quimioterapia e radioterapia e terá duração de aproximadamente seis meses. Além disso, afirmou que baseado na literatura médica e nos resultados de outros pacientes, a esperança de cura para Simony é “muito grande”.

“Temos esperança muito grande de que essa princesa vai ser uma história feliz. Feliz para ela, feliz para a família e para a equipe médica que terá a honra e privilégio de poder participar desse processo de cura dela. Esse é um câncer curável na maioria das pessoas”, disse o médico, que ouviu um “e comigo não será diferente” vindo da cantora.

Leia Também:  Entenda a relação entre hormônios e estresse

Sobre o câncer de intestino Segundo o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa é que 40.990 novos casos de câncer de intestino sejam diagnosticados a cada ano no Brasil. Homens e mulheres são afetados na mesma proporção.

Os principais fatores de risco relacionados a esse tipo de câncer são: idade igual ou acima de 50 anos; excesso de peso corporal; alimentação não saudável (ou seja, pobre em frutas, vegetais e outros alimentos que contenham fibras); consumo de carnes processadas (salsicha, mortadela, linguiça, presunto, bacon, peito de peru e salame); ingestão excessiva de carne vermelha (acima de 500 gramas de carne cozida por semana).

Doenças inflamatórias do intestino, como retocolite ulcerativa crônica e doença de Crohn, também aumentam o risco de câncer do intestino, bem como doenças hereditárias, como polipose adenomatosa familiar (FAP) e câncer colorretal hereditário sem polipose (HNPCC). Pacientes com essas doenças devem ter acompanhamento individualizado.

Os sintomas mais frequentemente associados ao câncer do intestino são:

  • sangue nas fezes;

  • alteração do hábito intestinal (diarreia e prisão de ventre alternados);

  • dor ou desconforto abdominal;

  • fraqueza e anemia;

  • perda de peso sem causa aparente.

  • alteração na forma das fezes (fezes muito finas e compridas)

  • massa (tumoração) abdominal

Leia Também:  Governo publica licitação para contratar empresas para construção do Hospital Regional em Tangará da Serra

Na maior parte das vezes esses sintomas não são causados por câncer, mas é importante que eles sejam investigados por um médico, principalmente se não melhorarem em alguns dias.

A detecção precoce pode ser feita por meio da investigação com exames clínicos, laboratoriais, endoscópicos ou radiológicos, de pessoas com sinais e sintomas sugestivos da doença (diagnóstico precoce) ou de pessoas sem sinais ou sintomas (rastreamento), mas pertencentes a grupos com maior chance de ter a doença.

O rastreamento dos tumores de cólon e reto (colorretal) pode ser realizado através de dois exames principais: pesquisa de sangue oculto nas fezes e endoscopias (colonoscopia ou retossigmoidoscopias).


Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:

Saúde

Diagnóstico de varíola dos macacos será feito nos Lacens até agosto

Publicados

em

Por

Com 2.584 casos confirmados, o Brasil deverá ser capaz de diagnosticar a varíola dos macacos em todos os laboratórios centrais de saúde pública (Lacens) do país até o final de agosto, informou hoje (12), em entrevista ao programa A Voz do Brasil, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

De acordo com o ministro, o governo federal se antecipou à emergência de saúde pública de importância global declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em julho e articulou formas de lidar com a doença e receber pacientes no sistema público.

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil O ministro da Saúde Marcelo Queiroga é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil – Valter Campanato/Agência Brasil

“Desde maio, quando surgiram os primeiros casos na europa, o sistema único de saúde se preparou para enfrentar essa ameaça. Enfrentamos a emergência de saúde pública causada pela covid-19 e, desde o início, organizamos as estruturas dos laboratórios para fazermos o diagnóstico [da varíola dos macacos]”, informou.

Queiroga falou sobre a letalidade e a taxa de infecção da varíola dos macacos no Brasil, que em âmbito internacional causou cinco mortes em países considerados não endêmicos, segundo dados da OMS.

Leia Também:  Anvisa recebe pedido de registro para teste de varíola dos macacos

“Vale lembrar que a letalidade dessa doença [varíola dos macacos] é baixa, ou seja, a maioria dos casos é simples, de tal sorte que não é algo que se assemelhe à covid-19, apesar de ser uma emergência de saúde pública global reconhecida pela OMS”, informou o ministro.

O ministro da Saúde lembrou que a grande maioria de casos de varíola dos macacos acomete homens que fazem sexo com outros homens, e que o principal vetor de transmissão é o contato direto pele a pele ou pelas mucosas. “Isso é uma observação epidemiológica. Não tem cunho de estigmatizar cidadãos. Qualquer um pode adquirir”, complementou.

Outro ponto apresentado pelo ministro da Saúde é que o uso de preservativos não impede a contaminação pela varíola dos macacos. Dentre as principais características da enfermidade estão: febre, lesões de pele, ínguas e crostas. “Os indivíduos devem ficar isolados”, explicou Queiroga, que estimou em três semanas o período de convalescência.

O ministro, que é médico, também afirmou que o tratamento da doença até o momento se dá pelo tratamento dos sintomas, enquanto medicamentos antivirais específicos contra a doença ainda estão sendo estudados.

Leia Também:  Entenda a relação entre hormônios e estresse

Poliomielite

Erradicada no Brasil em 1989, a poliomielite teve casos diagnosticados em outros países recentemente, relatou o ministro. Para evitar qualquer ocorrência da doença em solo nacional, Queiroga reforçou a importância da vacinação da Campanha Nacional de Vacinação, lançada no dia 7 de agosto.

“Qual é a nossa arma? A vacinação. É por isso que nós fazemos um apelo aos pais, aos avós: que levem filhos e netos para as salas de vacinação”, disse o ministro.

O esquema vacinal para a poliomielite tem duas fases. Na primeira, a criança toma 3 doses injetáveis: a primeira aos dois meses de vida; a segunda aos 4 meses de vida; a terceira aos 6 meses de vida. A segunda fase, de reforço, por via oral, deve ser administrada a partir de 1 ano e 3 meses de vida. A segunda dose das gotinhas deve ser dada aos 4 anos, e não deve ultrapassar os 6 anos, 11 meses e 29 dias de vida da criança.

Assista à entrevista em A Voz do Brasil:

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA