Saúde

Saiba qual a diferença entre intolerância a lactose e alergia ao leite

Publicados

em

Saiba qual a diferença entre intolerância a lactose e alergia ao leite
Redação EdiCase

Saiba qual a diferença entre intolerância a lactose e alergia ao leite

Por Renata Sbrissa

Originadas do mesmo alimento, o leite de vaca, a intolerância à lactose e a alergia à proteína do leite são condições diferentes. A primeira situação ocorre quando o intestino não produz a enzima lactase em quantidade suficiente e não é capaz de quebrar e absorver o açúcar do leite.

Já a alergia à proteína do leite de vaca (APLV) é, como já diz o próprio nome, um quadro alérgico, com um mecanismo imunológico que pode ser mediado por IgE, que é a proteína produzida pelo organismo como forma de defender o corpo contra agentes infecciosos e suas toxinas.

Causas da alergia e da intolerância

As causas da alergia e da intolerância também são distintas. A alergia é causada pela incapacidade do intestino em produzir lactose, que pode ser resultado de uma alimentação inadequada com alta quantidade de alimentos ultraprocessados e alteração de microbiota intestinal.

Já a intolerância é uma predisposição genética associada a uma exposição de proteína do leite na corrente sanguínea. “Vale ressaltar que na intolerância, tal incapacidade também se deve à uma base primária por um fator genético, muito comum em orientais e seus descendentes”, diz a médica nutróloga Dra. Daniela Gomes.

Leia Também:  Covid-19: Queiroga diz que comprará CoronaVac para crianças via Covax

Sintomas das enfermidades 

Segundo a médica nutróloga Dra. Daniela Gomes, na alergia à proteína do leite de vaca não mediada, ou seja, quando o organismo não corresponde corretamente à produção de anticorpos IgE, os sintomas são gastrointestinais, por exemplo, prisão de ventre e gases.

“[Os sintomas] podem ser muito parecidos com a intolerância à lactose, porém são condições diferentes”, explica a Dra. Daniela Gomes. Quando o problema é a intolerância, os seguintes sintomas podem ser constatados:

  • Distensão abdominal (gases);
  • Dor na região do abdômen;
  • Sensação de empachamento;
  • Diarreia;
  • Náusea e vômito. 

Diagnóstico 

O diagnóstico de intolerância à lactose é principalmente clínico, realizado após a pessoa sentir sintomas depois de consumir laticínios, podendo ser confirmado entre 3 ou 4 semanas mediante dieta sem consumo de laticínios. Enquanto o de alergia à proteína do leite é realizado medindo a glicemia sanguínea e também o teste de hidrogênio expirado. Além do teste da análise do histórico clínico do paciente e dieta de exclusão.

Tratamento  da intolerância à lactose

A intolerância à lactose, quando de base genética, não tem cura, contudo, quando causada por hábitos de estilo de vida, a melhora da alimentação e da flora intestinal pode ser feita para posterior introdução gradativa de lactose. O uso de enzima lactose também é útil nesse caso.

Leia Também:  Entenda a relação entre hormônios e estresse

Já na APLV, a maioria das pessoas apresentará os sintomas por toda a vida e deve-se excluir todo e qualquer alimento à base de proteína do leite. No entanto, a solução para o contorno dessas duas condições pode ser a utilização de fórmulas extensamente hidrolisadas (FEH), como aminoácidos, soja e outros leites vegetais suplementados com cálcio. Mas a nutróloga Dra. Daniela Gomes ressalta que é sempre importante consultar um especialista.

“Apresentando qualquer sintoma citado ou desconforto na ingestão de leite e seus derivados, o paciente deverá procurar um nutrólogo, pois, somente esse profissional poderá fazer o diagnóstico e posterior indicação da dieta apropriada”, diz a médica.

Todo tipo de leite de origem animal deve ser evitado

É importante salientar que os alérgicos à lactose jamais devem ingerir leite e/ou qualquer dos seus derivados, inclusive aqueles alimentos que têm traços de contaminação por lactose. “Há a falsa percepção de que esse grupo pode ingerir, por exemplo, leite sem lactose, o que é muito perigoso, justamente por esses traços de contaminação”, adverte a Dra. Daniela.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:

Saúde

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro

Publicados

em

Por

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro
Redação EdiCase

6 hábitos que prejudicam o desempenho do cérebro

Alguns alimentos e hábitos do dia a dia podem auxiliar nas funções cognitivas cerebrais. Outros, porém, podem se transformar em grandes vilões e até potencializar a destruição dos neurônios. “A pessoa que não tem o hábito de realizar a primeira refeição matinal, no caso o café da manhã , estimula constantemente processos pontuais de hipoglicemia, que gera uma quantidade insuficiente de nutrientes ao cérebro, causando sua degeneração paulatinamente”, explica a nutricionista clínica esportiva Fernanda Alves.

Principais vilões para o cérebro

Ainda que vários hábitos e alimentos possam prejudicar o cérebro, alguns, em específico, são considerados os mais perigosos. “Os maiores vilões são o estresse , o álcool, as drogas, a má alimentação, a poluição e o cigarro. A alimentação rica em produtos industrializados, especialmente adicionados de corantes, aromatizantes e conservantes, também se mostra bastante nociva para o cérebro, inclusive para as crianças”, sintetiza a nutricionista Pérola Ribaldo. 

Cafeína também é prejudicial

A nutricionista Gabriela Taveiros explica que a ingestão excessiva de cafeína, presente no café, refrigerantes à base de cola, chocolate e alguns chás, como o mate, também é prejudicial, pois ela é um estimulante do sistema nervoso. 

Leia Também:  CoronaVac: menos de 1% das aplicações tiveram efeitos adversos

Outros h ábitos que também são perigosos 

A seguir, a nutricionista clínica esportiva Fernanda Alves lista alguns hábitos negativos para o cérebro! 

Consumo de alta quantidade de alimentos

O consumo exagerado de alimentos , principalmente dos industrializados, causa o endurecimento das artérias do cérebro, o que influencia na diminuição da capacidade mental. 

Nicotina

Os fumantes contam com os malefícios proporcionados pela nicotina, substância tóxica que tem como um dos sintomas a diminuição encefálica, com a aceleração da morte de alguns neurônios, o que facilita o aparecimento dos sintomas iniciais da doença de Alzheimer. 

Consumo excessivo de açúcar

O alto consumo de açúcar interrompe a absorção de proteínas e outros nutrientes, causando má nutrição e podendo interferir no desenvolvimento do cérebro. 

Noites de sono mal dormidas

Dormir pouco também é ruim. Isso porque o ato de dormir permite ao cérebro descansar. A falta de sono por períodos prolongados acelera a perda de células cerebrais. 

Poluição

O cérebro é o maior consumidor de oxigênio do corpo, por isso, inalar ar contaminado ou poluído diminui sua oxigenação, provocando uma diminuição da eficiência cerebral. 

Leia Também:  Novas tecnologias auxiliam na inclusão de pessoas com autismo e TDAH

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA