Abastecimento

Produção de alevinos atenderá agricultores familiares da Região do Araguaia

Publicados

em

Está sendo implantado um laboratório no Assentamento Mãe Maria para recepção e treinamento alimentar dos alevinos

Rosana Persona
Com informações Empaer – MT

Produção do pirarucu de forma sustentável e ambientalmente correta – Foto por: Ésio Mendes/Secom Governo de Rondônia
A | A

O projeto para criação de pirarucus em cativeiro está sendo realizado em Mato Grosso, na Região Araguaia, e tem como meta para 2020, a construção de 20 tanques escavados de 800 metros quadrados para abrigar um casal de pirarucu em cada tanque.

Mario Cezar Barboza, coordenador do Projeto Pirarucu e técnico agropecuário da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) fala que a proposta é organizar a cadeia produtiva de produção do pirarucu na região de forma sustentável e ambientalmente correta.

De acordo com Barboza, o projeto começou devido à demanda por alevinos, já que alguns agricultores familiares estavam interessados na criação comercial em confinamento da espécie. Para o início da atividade, os alevinos de pirarucu serão produzidos em laboratório e repassados para os agricultores.

“O pirarucu é o peixe que mais cresce em cativeiro. No primeiro ano atinge o peso de até 10 quilos, considerado ideal para o abate”, comenta.

Leia Também:  Deputado discute energia e leva torre de telefonia a Agrovila das Palmeiras

Na Associação do Assentamento de Trabalhadores Rurais do Projeto Mãe Maria Núcleo Embu e vizinhos (Itog), localizada em São Félix do Araguaia (1.200 km a Nordeste de Cuiabá), está sendo implantado um laboratório para recepção e treinamento alimentar dos alevinos. A prioridade do Projeto é a formação de casais, produção de alevinos e, em seguida, a engorda e produção de carne.

O laboratório está sendo instalado com a finalidade de atender produtores dos municípios de São Félix do Araguaia, Luciara, Alto da Boa Vista, Serra Nova Dourada, Novo Santo Antônio e Bom Jesus do Araguaia, Canabrava do Norte, Porto Alegre, Confresa, Vila Rica, Santa Terezinha, Santa Cruz do Xingu e São José do Xingu.

Segundo o coordenador, o objetivo é desenvolver e difundir tecnologias e práticas de manejo do pirarucu para criação em cativeiro e conservação da espécie no seu habitat natural. Serão instaladas Unidades de Referência Tecnológicas (URTs) para capacitação de piscicultores, técnicos, formação de mão de obra e divulgação da atividade.

“Pelas vantagens comerciais, o pirarucu tornou-se presa cobiçada pela pesca predatória, sendo a criação em cativeiro uma alternativa para manter a preservação da espécie”, salienta.

Leia Também:  Políticas públicas, igualdade de gênero e empreendedorismo feminino são temas de evento realizado em parceria internacional entre OIT e Fatec Senai MT

O pirarucu é um dos maiores peixes de água doce do mundo e o maior do Brasil. O bicho pode chegar a mais de dois metros de comprimento e pesar cerca de 200 quilos. Para criação dessa espécie serão executados dois projetos: o tanque elevado com alta concentração de peixe por metro quadrado de lâmina d’água, visitado no Estado de Rondônia que cria em cativeiro e tem legislação própria para o cultivo; e em tanques tradicionais.

O Projeto Pirarucu vem sendo executado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), Empaer e prefeituras.  Barboza fala que o projeto teve início em 2017 e, desde então, foram realizadas diversas reuniões, treinamentos e visitas técnicas às propriedades.

“O pirarucu é uma espécie extremamente delicada para manuseio e captura, e estamos aprendendo todo manejo”, conclui Mário.

COMENTE ABAIXO:

Abastecimento

Deputado discute energia e leva torre de telefonia a Agrovila das Palmeiras

Publicados

em

Por

JB News

 

Expansão do fornecimento da eletricidade foi discutido em audiência pública; moradores contarão com sinal de telefonia celular

O deputado estadual Wilson Santos (PSDB) liderou na quinta-feira (25) uma audiência pública na comunidade Agrovila das Palmeiras, localizada no município de Santo Antônio de Leverger, para discutir a expansão do fornecimento de energia elétrica na região e ainda temas vinculados à agricultura familiar.

Com a participação de populares no Centro Comunitário José Piccini na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, a audiência pública seguiu os protocolos da OMS (Organização Mundial de Saúde) com a obrigatoriedade de utilização de máscaras faciais e constante uso de álcool em gel nas mãos para prevenção ao coronavírus (Covid-19).

O presidente da concessionária Energisa, Riberto José Barbanera, recebeu a demanda de moradores e destacou que o fornecimento de energia elétrica depende de critérios técnicos que serão criteriosamente avaliados para atender a população.

“Nós estamos dispostos a atender a população. Mas isto depende de uma análise técnica feita pelos engenheiros que serão analisadas”, disse.

Leia Também:  Exposição traz fotos do Pantanal mato-grossense assinadas pelos fotógrafos José Medeiros e Deny Kobayashi

O presidente da Associação de Santo Antônio do Taquaral, Gesubet Rodrigues Ferreira, revelou que o fornecimento de energia elétrica precisa ser expandido para garantir qualidade de vida aos moradores.

“Nós temos uma área para formar um núcleo urbano. São 30 moradores já com mercadinho, Igreja fábrica de pré-moldado e precisamos de energia elétrica. A gente quer atuar na legalidade e não ficar com ligações ilegais”, disse.

Já a presidente da Associação Rural “Seis Marias”, Miguelina Marques da Silva,  declarou que a necessidade de energia elétrica é constante na região, ainda mais porque a economia é movida pelos pequenos agricultores.

“Nós produzimos queijo e leite e a falta de energia constante tem levado à perda de equipamentos. Espero que a nossa necessidade seja atendida. São muitas famílias que precisam. É uma questão de sobrevivência. Não podemos ter uma rede precária de abastecimento”, destacou.

Sinal de telefonia e escritório da Empaer

Na audiência pública, o chefe de gabinete da Metamat (Companhia Mato Grossense de Mineração), confirmou que será atendida uma reivindicação do deputado Wilson Santos (PSDB) para instalar uma torre de telefonia na comunidade Agrovila das Palmeiras.

Leia Também:  Chances de cura de câncer são maiores em estágio inicial

“Até 60 dias a torre de telefonia já estará instalada e fornecerá sinal aos aparelhos dos moradores. Nossa equipe técnica passou os últimos dias avaliando qual seria o melhor ponto de localização para já concluir este projeto”.

A Metamat, também já deu início, com dinheiro de emenda parlamentar do deputado Wilson Santos liberado pelo governo do Estado, a perfuração de três poços artesianos para ampliar o abastecimento de água.

O presidente da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Renaldo Loffi, o “Alemão”, comunicou ainda que a autarquia vai disponibilizar um escritório na comunidade Agrovila das Palmeiras para atender a demanda de pequenos produtores.

“A agricultura familiar encontra no deputado Wilson Santos um parceiro de longa data. E é com muito orgulho que iremos abrir este escritório para ajudar no desenvolvimento da comunidade”, destacou.

Por RAFAEL COSTA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA