Geral

Policia prende 33 pessoas e desmantela facção criminosa em MT

Operação Vitae III

Publicados

em

Ação integrada resulta em 33 prisões preventivas e desmantela facção criminosa

Organização que agia no tráfico de drogas e ordens de execução no Norte e Noroeste de MT era comandada por uma mulher de 29 anos

Débora Siqueira

Informações da Sesp/MT

Operação Vitae III – Foto por: Sesp
A | A

As forças de segurança pública do Estado cumpriram 87 mandados de prisão, busca e apreensão, dos quais 33 prisões são preventivas e três em flagrante delito nas cidades de Alta FlorestaCarlindaNova Monte VerdeParanaítaJuínaJuruenaCotriguaçuCuiabáSorriso e Sinop.

As investigações apontam que a suspeita de comandar a organização em Alta Floresta e regiões adjacentes é uma presa de 29 anos, que cumpre mais de 100 anos de condenação na Penitenciária Ana Maria do Couto, em Cuiabá.

O delegado Pablo Carneiro, da Delegacia Municipal de Alta Floresta, coordena a investigação e representou pelos pedidos de prisões dos membros da quadrilha que ordenaram execuções e são responsáveis pelos crimes nos municípios das Regiões Integradas de Segurança Pública de Juína e Alta Floresta.

Para chegar aos integrantes do grupo criminoso, a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp) organizou a Operação Vitae III, reunindo cerca de 150 agentes públicos entre a Polícia Militar, Polícia Civil, Sistema Penitenciário, Politec e o Corpo de Bombeiros.

Operação Vitae III em Juína e Alta Floresta
Créditos: Sesp

Investigações

No segundo semestre de 2019, houve uma concentração de esforços por parte da PM e da Polícia Civil no combate ao tráfico de drogas em Alta Floresta. Foi constatado na época que a maior parte dos entorpecentes que chegava à região era proveniente de ações coordenadas por um líder de facção criminosa, que cumpre pena na Penitenciária Central do Estado (PCE), mas que hoje se diz convertido e está na ala evangélica da unidade.

Leia Também:  Especialista fala sobre a importância de ser anfitrião da família na pandemia

Depois de muitas investidas policiais, o grupo sofreu um abalo financeiro, o que fez com que esta liderança perdesse o controle do tráfico na região, sendo o comando assumido por outro grupo, liderado pela mulher de 29 anos.  Ela escolheu Alta Floresta como “cidade polo” para concentrar as ações da organização criminosa, sobretudo a distribuição de entorpecentes, pela posição geográfica privilegiada da cidade, que possui conexão em diferentes rotas com outros municípios.

“A privação de liberdade não foi obstáculo para que ela comandasse todo o comércio de entorpecente na cidade e demais municípios que têm Alta Floresta como referência na distribuição de entorpecentes. Pela apuração, pode-se afirmar que ela teve uma rápida ascensão na estrutura da facção por conta de seu perfil cruel, frio e calculista, agindo sem nenhuma piedade diante àqueles que ela vê como um obstáculo na busca do monopólio e domínio do comércio de drogas no extremo norte”, destacou o delegado Pablo Carneiro.

Para o comandante regional de Alta Floresta, tenente-coronel PM Denílson de Arruda, a operação Vitae III tem impacto positivo na região.

“É a demonstração dos órgãos de segurança agindo em prol da sociedade. Foi um impacto extremamente positivo e a criminalidade percebe e sente que os órgãos de segurança atuam de forma integrada para dar segurança a todos. Esperamos que isso se reflita na sensação de segurança e a redução dos crimes na região”.

Juína

O delegado regional de Juína, Carlos Francisco de Moraes, destacou que na região foram cumpridos 18 mandados de buscas, sete mandados de prisão, quatro prisões em flagrante, um boletim de ocorrência circunstanciados para apuração de ato infracional, além de três flagrantes por porte ilegal de arma de fogo.

Leia Também:  Justiça proíbe supermercado Comper em Várzea Grande de vender produtos vencidos

“Esse grupo migrou de Alta Floresta para a região de Juara e Juruena, inclusive um dos suspeitos que já está sendo investigado como por ter cometido três homicídios na cidade de Juara. Eles queriam impor a facção criminosa, se estabelecendo por meio da violência. Nós apreendemos em operações anteriores armas de fogo, como metralhadora e pistolas. Essas investigações geraram a informação que essas pessoas faziam parte e integravam essa organização criminosa e isso tudo vinculado às pessoas que estavam sendo investigadas em Alta Floresta”.

Para ele, o resultado da Operação Vitae III é satisfatório por prender integrantes da facção criminosa e também pela expectativa de que esse baque possa diminuir índices de criminalidade e violência na região, sobretudo, os crimes de homicídios, roubo e furto.

Fase 2 da operação

Comandante da Polícia Militar em Juína, tenente-coronel Fábio Luiz Bastos destacou que a operação é desenvolvida em duas fases. A primeira fase foi a repressiva, com cumprimento de mandados de prisão e busca apreensão, resultado das investigações da Polícia Civil que a Polícia Militar, Sistema Penitenciário, Corpo de Bombeiros e a Politec atuaram como apoio no cumprimento.

“Agora nós estamos na segunda fase da operação que é a fase preventiva e, nessa fase, a Polícia Militar fica responsável em planejar e coordenar as ações preventivas por meio de patrulhamento, saturação, bloqueios policiais, abordagens da pessoa, veículos, estabelecimentos, bares, pontos de estacionamento ostensivo em locais estratégicos visando, após a parte repressiva de prisão de infratores, fazer a parte preventiva voltada a população de bem, para melhorar a segurança, a sensação de segurança e inibir  a atuação de criminosos. Esse é o fruto da operação integrada”.

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Geral

Nas academias dá para estabelecer um controle, que nos parques não é possível, explica Pinheiro

Publicados

em

Segundo o chefe do Executivo, a não reabertura dos espaços públicos de lazer visam coibir a aglomeração de pessoas

BRUNO VICENTE

Luiz Alves

Clique para ampliar 

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro, explicou o motivo de ter liberado o funcionamento das academias academias de musculação, ginástica, natação e congêneres, ao mesmo tempo em que manteve suspensas as atividades em parques e outros equipamentos públicos municipais. Os atos constam no decreto nº 8.020 e estão em vigor na Capital desde o dia 27 de julho.

Em entrevista concedida a rádio Mega FM, na quarta-feira (05), o chefe do Executivo destacou que as medidas seguem as recomendações das entidades de saúde, que determinam a coibição da aglomeração de pessoas. Segundo Pinheiro, diferentes dos parques e outros espaços públicos de lazer, nas academias é possível manter um maior controle sobre isso.

“Nas academias dá para estabelecer um controle, que nos parques não é possível. O distanciamento, limite no acesso de pessoas e higienização constante dos equipamentos. Nas áreas públicas, não é possível por conta do grande fluxo de pessoas. Tanto é que, mesmo com a suspensão, a população continua indo e não quer saber se está ou não proibido. Com isso, os espaços acabam tornando-se focos de propagação do vírus”, explicou.

Leia Também:  TCE-MT vistoria armazenamento de materiais e equipamentos no Ginásio Aecim Tocantins e não encontra respiradores

O gestor argumentou ainda que as atividades de lazer provocam um relaxamento natural nas pessoas, fazendo com que a atenção com as medidas de biossegurança diminua. “Muitas vezes acontece o contato entre as pessoas de forma mais próxima. É nesse contato que corremos o risco de transformar um momento de lazer em um ato de proliferação da Covid-19”, ressaltou.

O Município é responsável por quatro parques, sendo eles o Parque das Águas, Parque Tia Nair, Parque da Família e Parque da Nascente — Yone de Azevedo Campos. Em todos eles, junto com a colocação de faixas informando a suspensão das atividades, foi adotada a desativação de todos os equipamentos que compõem os espaços como banheiros, quadra de esportes, academia ao ar livre, playground, fonte luminosa, splash zone, show das águas e ParCão.

A norma abrange ainda outros equipamentos públicos como, por exemplo, quadras poliesportivas, mini estádios, ginásios de esportes e congêneres. “Mantemos esse proibição com dor no coração, pois somos uma gestão que tem investido muito no lazer à população. Todavia, isso é feito por um bem maior, que é a saúde pública. Temos a certeza que, com cada um fazendo sua parte, vamos voltar a normalidade”, disse.

Leia Também:  Especialista fala sobre a importância de ser anfitrião da família na pandemia
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA