Economia

Petrobras convoca acionistas para eleição de novos conselheiros

Publicados

em

Petrobras decidirá sobre indicações de Bolsonaro
Fernando Frazão/Agência Brasil

Petrobras decidirá sobre indicações de Bolsonaro

A Petrobras convocou seus acionistas para a Assembleia Geral Extraordinária que vai eleger novos membros do Conselho de administração da companhia. A assembleia, que será realizada online, foi marcada para o dia 19 de agosto.

A assembleia deverá eleger oito dos 11 membros e o presidente do conselho. Três outros membros atuais do conselho não poderão ser substituídos na reunião de agosto.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

O governo, que é o acionista majoritário da estatal, propôs oito candidatos. Dois já têm assentos: Márcio Weber e Ruy Schneider. E outros dois tiveram seu nome rejeitado em reunião anterior do atual Conselho de Administração, mas ainda assim o governo decidiu submetê-los à apreciação dos acionistas.

Os indicados pelo presidente Jair Bolsonaro que tiveram seus nomes questionados foram o atual secretário-executivo da Casa Civil, Jônathas Castro; e o procurador-geral da Fazenda Nacional, Ricardo Soriano de Alencar.

Esses dois nomes foram rejeitados por unanimidade em reunião realizada pelo Conselho de Administração no dia 18 de julho, seguindo recomendação do Comitê de Elegibilidade (Coleg), instância da estatal que avalia se as indicações estão de acordo com as diretrizes de governança da companhia.

Castro e Soriano foram considerados inelegíveis por conflito de interesses. Em seus cargos atuais, ambos têm informações privilegiadas que podem ir contra interesses da Petrobras, favorecendo o acionista majoritário da estatal, a União.

Apesar da rejeição, o governo decidiu manter as indicações e submetê-las aos acionistas da estatal. Como o governo é acionista majoritário da empresa, ele tem maioria para aprovar os nomes.


Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:

Economia

Dólar fecha a R$ 5,13 com expectativas sobre inflação nos EUA

Publicados

em

Por

A expectativa em torno da inflação nos Estados Unidos interrompeu a sequência de três quedas seguidas do dólar. A bolsa de valores passou a maior parte do dia em baixa, mas se recuperou e fechou em alta com a ajuda das commodities (bens primários com cotação internacional).

O dólar comercial encerrou esta terça-feira (9) vendido a R$ 5,13, com alta de R$ 0,017 (+0,33%). A moeda iniciou o dia em baixa, chegando a R$ 5,09 pouco antes das 11h. No entanto, a pressão do mercado externo e a compra de dólares por parte de investidores que aproveitaram o preço baixo empurraram a cotação para cima.

No mercado de ações, o dia também foi marcado pela volatilidade. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 108.651 pontos, com alta de 0,23%. Com ganhos pela sexta sessão seguida, o índice foi impulsionado por mineradoras e petroleiras, que reagiram à alta nos preços das commodities, e pela divulgação de balanços de bancos, que revelaram lucro no segundo trimestre.

O dólar subiu em todo o planeta, com os investidores aguardando a divulgação amanhã (10) da inflação ao consumidor em julho nos Estados Unidos. Caso os números venham acima do previsto, aumentarão as pressões para o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) elevar os juros em 0,75 ponto na próxima reunião. Taxas mais altas em economias avançadas estimulam a fuga de capitais de países emergentes, como o Brasil.

Leia Também:  China convoca embaixador dos EUA por visita de Nancy Pelosi a Taiwan

No Brasil, a divulgação de que a inflação oficial fechou julho em -0,68%, a menor taxa da série histórica para o mês, reduziu as pressões para que o Banco Central aumente, em setembro, a taxa Selic para 14% ao ano.

Na ata do Comitê de Política Monetária (Copom), publicada hoje, a autoridade monetária não descartou a possibilidade de elevação da Selic (juros básicos da economia) no próximo mês. O órgão, no entanto, informou que a decisão dependerá do comportamento da inflação e de outras variáveis econômicas até lá.

*Com informações da Reuters

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Economia

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA