Estadual

Panes veiculares deixam mais de 36 mil motoristas parados na BR-163  

Publicados

em

 

Problemas mecânicos lideraram os casos de panes, que podem ser evitados com revisão

 

Na BR-163 ocorrem, em média, cinco casos de atendimentos por panes em veículos, a cada hora, no período de 1° de janeiro a 30 de novembro de 2019. As panes podem acontecer por motivos mecânicos; elétricos; falta de combustível; ou por superaquecimento. A análise feita pela Rota do Oeste mostra que foram 36.001 ocorrências desta natureza e, deste total, 77,93% foram ocasionadas por problemas mecânicos.

 

Por dia, 108 veículos precisaram de atendimento por causa de uma pane de algum tipo. Apesar disso, em 2019 a Concessionária registrou queda no número desses casos. Em 2018 foram de 36.871, representando uma diminuição de 2,35% de um ano para o outro. Segundo o gerente de operações da Rota do Oeste, Wilson Ferreira, “o principal motivo das ocorrências é a falta de manutenção e/ou revisão dos veículos antes que eles sigam pelas rodovias. Ter este cuidado, além de garantir que a viajem não tenha atraso, evita com que, tanto os passageiros quanto as outras pessoas que trafegam nas vias, se envolvam em acidentes”, explica Ferreira.

Leia Também:  Espaço de Acolhimento da Mulher funciona como espécie de delegacia 24 horas

 

Os problemas mecânicos são as panes mais frequentes nos 850,9km do trecho sob concessão. De setembro de 2014 até novembro de 2019, elas ocuparam 66% dos casos, seguidos pelas panes secas, com 10% das ocorrências, elétricas com 7% e as de superaquecimento, ocupando 4% dos registros na rodovia durante este período.

 

De janeiro a novembro deste ano as equipes da Concessionária atenderam 28.057 motoristas em que os veículos apresentaram alguma falha mecânica. Os registros também apontam 3.769 casos de panes secas, 2.635 de panes elétricas e outros 1.540 motoristas pararam na BR-163 com problemas de superaquecimento do motor.

 

O Código Brasileiro de Trânsito (CTB) não considera a pane mecânica uma infração, quando o motorista não tinha como prevenir que ela acontecesse. Mas é importante ressaltar que a revisão antes do veículo ir para a rodovia pode mitigar transtornos.

 

Se precisar, chame a Rota

 

Os usuários podem contar com os serviços de remoção da Rota do Oeste, acionando o 0800 065 0163.  A concessionária dispõe de 18 guinchos leves para remoção de veículos e oito guinchos pesados para remoção de caminhões e veículos pesados. É importante lembrar que o serviço de atendimento fica disponibilizado por 24 horas, 7 dias por semana, e é custeado pelo valor arrecadado pelo pedágio.

Leia Também:  Governador vai decretar estado de calamidade pública em Mato Grosso

 

Depois que o automóvel é retirado pela Concessionária e encaminhado para o ponto de apoio, é responsabilidade do motorista dar seguimento nos procedimentos de reparos cabíveis.

 

 

 

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

AGRONEGÓCIOS

Itamar Canossa é reeleito presidente da Acrismat

Publicados

em

Suinocultor da cidade de Sorriso foi reeleito para comandar a associação para o biênio 2020/2022

Itamar Canossa, atual presidente da Associação dos Criadores de Suínos de Mato Grosso (Acrismat) foi reeleito por unanimidade em votação aberta a associados da entidade. Canossa ressaltou que para o próximo mandato as questões a cerca do milho, um dos componentes da ração dos suínos, deverá receber atenção especial de trabalho da diretoria. A eleição aconteceu na última sexta-feira (24), quando foi definida também a composição da diretoria para gestão do biênio 2020/2022.

Por conta da pandemia do novo coronavírus, a eleição foi realizada também virtualmente, além das urnas presenciais na sede da associação em Cuiabá e no núcleo localizado em Sorriso.

Canossa, que já foi diretor do Núcleo Regional de Sorriso e membro do Conselho Fiscal Efetivo, avalia como positiva a primeira gestão e conta com o apoio dos membros da diretoria e de todos os suinocultores para desenvolver ainda mais o setor nos próximos anos. “A questão do milho é uma das quais precisamos nos atentar e dedicar esforços para trabalhar em curto prazo. O milho está cada vez mais escasso no mercado, e o próprio mercado está agindo de forma diferente em relação ao grão, tanto que o preço tem subido muito nos últimos meses e isso para a suinocultura é preocupante”, afirma.

Leia Também:  Mato Grosso registra 48.854 casos e 1.752 óbitos por Covid-19 até o final desta quarta-feira

Ainda de acordo com o presidente, o custo de produção da carne suína em Mato Grosso aumentou consideravelmente com o direcionamento de parte da safra de milho colhida no Estado para a produção de etanol. Além do cereal, o presidente reforçou as questões sanitárias que serão intensificadas para manter o Estado com o status de zona livre da Peste Suína Clássica.

“Vamos continuar investindo na fiscalização em parceria com o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea), em conter a entrada de animais de áreas consideradas não livres desta doença. Para isso a construção e reforma de postos de fiscalização são fundamentais e a Acrismat reconhece e trabalha na solução deste problema”, explica.

 

Diretoria para o biênio 2020/2022

Diretor presidente – Itamar Antônio Canossa

Diretor vice-presidente – Moisés Sachetti

Diretor secretário – Matheus Pereira de Morais

Diretor 2º secretário – Aréssio José Paquer

Diretor tesoureiro – Raulino Teixeira Machado

Diretor 2º tesoureiro – Luiz Antônio Ortolan Salles

Conselho fiscal efetivo – Paulo Cezar Lucion

Leia Também:  Pequenos negócios se transformam em correspondentes bancários

Conselho fiscal efetivo – Ailor Carlos Anghinoni

Conselho fiscal efetivo – Frederico W. F. Tannure Filho

Conselho fiscal suplente – Daiane Gebert

Conselho fiscal suplente – José Tirloni

Conselho fiscal suplente – José Luiz Serra

 

Por :Paola Carlini
COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA