OPINIÃO

O bom Pedro

Publicados

em

 

Por Arnaldo Justino da Silva

E aí Pedro morreu!

Foi o que disse João ao terminar a notícia. Nem precisou encerrar a frase, as pessoas já estavam com os olhos lacrimejantes, chorando, profundamente emocionados. Por que todos choraram? Qual o mistério atrás do banho de lágrimas que surgiu naquele instante.
Você não conseguiria entender se não conhecesse Pedro.

Essa empatia não iniciou ali. Quem era Pedro? É o que vem antes que produz a emoção!
É saber quem ele era. Que emoção haveria se Pedro não fosse aquele homem do bem, que ajudava a todos, que repartia seu lanche com o vizinho, que passava fome para ceder sua parte do almoço para o colega de trabalho.

Éh! Pedro era panacão. Bobão! Sempre perdia, e não fazia questão de sair bem no sorteio de quem ia ganhar mais dinheiro ou ficar de férias no período preferido. Sempre ficava quieto quando o espertalhão não o deixava falar. Amava a todos e tratava cada pessoa como a mais especial do mundo. Cedia sempre o seu lugar porque pensava que suas necessidades eram menos importante que a dos outros.

Leia Também:  Não é suficiente instruir apenas

Por que todos ficaram tão emocionados e lamentaram profundamente quando ouviram a notícia de que Pedro morreu? Porque todos sabiam quem era Pedro! Era um homem querido e verdadeiro. Era companheiro e dedicado. Era despido de vaidade e nunca falou de “berço” deste ou daquele, porque acreditava que o ser humano, independente de berço de ouro, pode ter vida dourada, bastando que tenha a humildade daqueles que conseguem enxergar o futuro e saber o pouco tempo que tem para fazer tantas coisas importantes e, por isso, deve aproveitar para escolher os valores que realmente importam, pois não há minuto para perder com as coisas fúteis e mesquinhas.

Enfim, a ausência de Pedro vai fazer muita falta, porque era especial. Morreu! Não pensou em vida que ia deixar tanta saudade, mas deixou. Sua morte não emocionou porque morreu, mas porque foi ao exício o Pedro, o bom Pedro.

Não são todos que ao morrerem deixam olhares lacrimejantes e almas sentindo que houve uma perda que por muito tempo nos deixará vazio. Só os Pedros ao morrerem deixam a gente assim.

Leia Também:  Presunção da inocência: um direito de todos

Arnaldo Justino da Silva é Promotor de Justiça em Mato Grosso

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

OPINIÃO

Procedimento estético deve realçar sua beleza não transformá-la em outra pessoa

Publicados

em

Todos os dias aparecem novos procedimentos aliados a novas técnicas que prometem o visual dos sonhos. Como aumentar mandíbula, afinar nariz, aumentar os lábios, aumentar as bochechas, paralisar aquela rugas, preencher as olheiras, diminuir as pálpebras, a papada, etc e tal. Porém vale a pergunta? Será que preciso de tudo isso? Ou será que me deixei levar por modismos?

Nós cirurgiões plásticos temos como prática ouvir as queixas da paciente o que ela quer o que a incomoda para depois fazer uma análise do que realmente é apenas seguir o modismo ou se é necessidade da paciente e ainda o que realmente deixe seu rosto em harmonia.

Nossa função é realçar o que a pessoa já tem de bonito e muitas vezes precisa de um simples retoque para que a beleza existente fique visível aos olhos da própria paciente.

É importante que sempre que você receba um ‘diagnóstico’ de vários procedimentos que faça uma segunda avaliação. Não se deixe levar e nem faça um procedimento que você tem pouca informação e ainda com profissionais que não sejam habilitados só porque ‘sua amiga’ fez não quer dizer que seja também a sua necessidade.

Leia Também:  Não é suficiente instruir apenas

É comum na mídia ver casos de pacientes que ficaram com o rosto deformado ou por ter injetado produtos de mais, ou por contaminação, reação alérgica ou ainda inabilidade do profissional que está aplicando.

Por isso é importante pesquisar o procedimento a que tem interesse em se submeter, consultar profissionais habilitados para tirar todas as dúvidas, e se ainda assim não tiver certeza, pegue uma segunda opinião. Não faça nada em local que não seja um local apropriado como um consultório.

E lembre-se, um procedimento estético tem como função realçar o que você já tem de bonito, não torna-lo outra pessoa.

Benedito Figueiredo Junior é cirurgião plástico na Angiodermoplastic. CRM 4385 e RQE 1266. Email: drbeneplastica@gmail.com

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA