Tecnologia

MTI atua para restaurar redes de fibra ótica rompidas pela Energisa

Publicados

em

O rompimento ocorreu por ação de técnicos da concessionária, que determinou o corte e retirada dos cabos

Karine Miranda

 

A Empresa Mato-grossense de Tecnologia da Informação (MTI) informa que já está realizando os reparos necessários para solucionar o rompimento nos cabos de fibra ótica da rede Infovia, do Governo do Estado, causado pela concessionária de energia elétrica Energisa.

O rompimento ocorreu por ação de técnicos da concessionária, que determinou o corte e retirada dos cabos instalados nos postes na segunda-feira (16.12), sem o conhecimento da empresa de telecomunicações que dá manutenção aos cabos da Infovia e da própria MTI.

Tal ação afetou diversos serviços e órgãos do Estado atendidos pela Infovia. Entre eles, o Instituto de Terras de Mato Grosso (Intermat), o Comando Geral da Polícia Militar (PM), o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope), o Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJ) e a Secretaria de Fazenda (Sefaz).

No caso da Sefaz, como existe uma rota alternativa, a comunicação não foi prejudicada e não houve registro de qualquer indisponibilidade dos serviços que dela dependem.

Leia Também:  Seis cirurgias de média complexidade e 66 atendimentos de urgência e emergência marcam funcionamento do novo HMC

A equipe técnica da MTI já está atuando para proceder com a recuperação emergencial dos links de comunicação, para que os serviços sejam restabelecidos e os atendimentos aos cidadãos sejam normalizados. Além disso, a MTI já está em contato com a Energisa a fim de assegurar que novos problemas semelhantes não ocorram.

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Tecnologia

MP de MT regulamenta uso de WhatsApp para comunicação de atos processuais com à vítima e o investigado

Publicados

em

 

Com informações MP-MT

Foi publicado no Diário Oficial do Ministério Público do Estado de Mato Grosso, nesta segunda-feira (20), o Ato Administrativo 879/2020, que dispõe sobre o uso de aplicativos de mensagens instantâneas para comunicação de atos processuais. A medida visa assegurar, no âmbito institucional, a racionalização de custos operacionais e otimização de recursos materiais e humanos.

Desde dezembro do ano passado, com o advento da Lei Federal 13.964 (“Lei anticrime”), o Ministério Público passou a ter que comunicar à vítima e ao investigado sobre os arquivamentos dos inquéritos policiais ou de quaisquer elementos da mesma natureza. O uso de aplicativos de mensagens instantâneas ou recursos tecnológicos similares para esta finalidade está previsto em Resolução 199/2019 do Conselho Nacional do Ministério Público.

Em Mato Grosso, o Ministério Público utilizará o aplicativo “Whatsapp Business”. A Procuradoria-Geral de Justiça autorizará a conta a ser utilizada, que será vinculada à linha de telefonia fixa da unidade ministerial ou do celular já utilizado no plantão. Os números oficiais serão disponibilizados no site do MPMT.

Conforme o ato administrativo, o referido canal não poderá ser utilizado para registro de reclamações, representações, esclarecimento de dúvidas ou qualquer outra finalidade. A comunicação dos atos processuais por meio do aplicativo, no entanto, será facultada ao interessado e dependerá de sua anuência expressa, mediante assinatura de termo de assentimento específico.

Confira o Ato Administrativo

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Rogério Gallo culpa Silval Barbosa e diz que aumento abusivo na economia será monitorado podendo virar caso de policia em MT
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA