CULTURA

MISC realiza ciclo de palestras sobre história da população afro-brasileira e racismo estrutural

Neste Sábado

Publicados

em

O evento encerra a programação especial de valorização da cultura afro-brasileira em Cuiabá, que teve início com a celebração de Lavagem das Escadarias da Igreja do Rosário e Capela de São Benedito

NAIARA LEONOR

Encerrando o mês de atividades alusivas ao Dia Nacional da Consciência Negra, o Museu da Imagem e do Som – Lázaro Papazian realiza neste sábado (30) a “Kizomba – Rota da Ancestralidade”, um ciclo de palestras e manifestações culturais afro-brasileiras. O evento é gratuito e acontece das 8h às 21h.

“Kizomba é uma provocação, por que se estuda muito a influência portuguesa, italiana, espanhola em tudo e não a africana. Estamos indo para o quinto ano do evento e temos pesquisas, levantamentos que apontam por onde nossos ancestrais passaram e quem eram. Queremos recuperar o elo entre nós e nossos ancestrais, proporcionar um reencontro por meio da pesquisa, da possibilidade de levar conhecimento ancestral para a população de Cuiabá”, comenta o coordenador do MISC, Cristovão Luiz.

O dia se inicia com um cortejo da Igreja do Rosário para a Capela de São Benedito. A inserção destes pontos tão representativos para a cultura afro-brasileira em Cuiabá marca o fim da programação de valorização da cultura afro-brasileira em Cuiabá de forma simbólica, já que foi na lavagem das escadarias que a programação se iniciou.

Leia Também:  Artistas reúne nomes do Samba num grande encontro em Cuiabá

Em seguida, às 9h30, o professor Bruno Pinheiro Rodrigues, docente da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) bate um papo com os presentes sobre “A História da População Afro-brasileira em Cuiabá”.

Dando prosseguimento a programação matutina, o presidente da Comissão de Defesa da Igualdade Racial da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT), Aurélio Augusto Gonçalves da Silva Júnior palestra sobre “Racismo e Responsabilidade Histórica do Estado Brasileiro”, finalizando o ciclo da manhã às 11h30.

A programação retorna às 16h com uma roda de capoeira Angola e segue com a palestra “Vínculo Pertencimento Negro no Centro Histórico de Cuiabá”, ministrada por Gabriela Rangel, membro do projeto Psicanálise na Rua. Na sequência, Adriana Rangel, também do mesmo projeto conversa com os presentes sobre “Racismo Institucional no Brasil”.

Encerrando as atividades, Silvana Pérola Negra comanda o sarau e uma conversa sobre “Tabuleiros das Negras e as Negras de Tabuleiros no Centro Histórico: Uma Prática Contemporânea”.

Toda a programação é gratuita e não necessita de inscrição prévia.

Leia Também:  Peça de teatro Mistérios de Tchapa e Cruz Teen será apresentado neste domingo

O que: Ciclo de palestras – Kizomba – Rota da Ancestralidade

Quando: Sábado (30) – 8h às 21h

Onde: Museu da Imagem e do Som – MISC

Veja aqui a programação

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CULTURA

Escolinha da Almê será apresentada domingo no palco do Zulmira Canavarros

Publicados

em

Os ingressos já estão sendo vendidos, a R$ 40 e R$ 20 meia entrada e ingresso solidário, com 1kg de alimento não perecível

Por Beatriz Saturnino – Da Assessoria de Imprensa

O grande sucesso da TV “Escolinha da Almê” vai para o teatro Cerrado Zulmira Canavarros, neste domingo (08.12), ás 19h. Serão 21 crianças no palco, com os personagens ícones que fizeram e fazem a história de Cuiabá e Mato Grosso, junto com a professora Almerinda, ícone do ator André D`Lucca. Uma novidade será “Jejé de Oyá” e “Lucius do Caju”, novos personagens que serão apresentados com exclusividade nesta apresentação.

“A Escolinha da Almê é a realização de um sonho. Eu sempre quis ter um quadro na TV, e te-lo na TV Centro América é melhor ainda, porque a audiência já vem garantida. A repercussão foi muito positiva, tanto que já foi confirmada a segunda temporada. Estou muito realizado com o projeto e é uma honra ter meus alunos juntos comigo”, define André D’Lucca, idealizador do projeto e do Espaço Incasa, onde são realizadas as oficinas de teatro e audiovisual.

Foi no Incasa que nasceu a ideia da Escolinha da Almê, que começou a partir de um teste seletivo, realizado no mês de agosto deste ano, com crianças entre 06 e 12 anos. Dentre os selecionados estão novos alunos e veteranos, que estão desde o início da escola (2016), como Kauany Aimme, que faz o papel de Zulmira Canavarros, Emanuel Davi, como Ezequiel dos Cachorros, Pietro Lara, como Lucius do Caju, entre outros.

Leia Também:  Tutoriais em vídeo auxiliam a inscrever projetos no Profice

Além desses personagens, entra em cena o amado escritor Manoel de Barros, interpretado por Walmir Neto, e os personagens de Liu Arruda: a esperta e desbocada Nharinha, por Kamila Arruda, o preguiçoso Juca, por Victor Hugo, que fica esperando o VLT passar para leva-lo até a escola; o animado Gladstone, que é rock na veia, por Antonny Murer e a espevitada Ramona, por Maria Eduarda Nogueira, que apesar de sentar na frente da sala, atenção é o que falta para ela, quando ela não falta aula também.

Maria Luiza é um show a parte, com a beleza e o visual de Maria Taquara, que “tora”

Cuiabá inteira, vindo lá das bandas do “quarté”, para chegar na escola.

Tem também o poeta andarilho José Inácio da Silva, mais conhecido como Zé Bolo Flô, interpretado por Ruancarlos de Oliveira, Jejé de Oyá que é revivido por Lucas Laurent, Mãe Bonifácia, por Isa Mendes, e Dunga Rodrigues, que teve papel fundamental na cultura cuiabana, como professora, musicista, historiadora e escritora, que será lembrada por Isabelle Venturoso.

E viva o siriri, viva Domingas Eleonor, dona Domingas, do Flor Ribeirinha, que será representada por Julinha Kids, como Dominguinhas. Outro ribeirinho é o Xô Ditinho, por Ian Ramos Faria, inspirado no engraçado Xô Dito, personagem que faz sucesso pelo ator Thyago Mourão.

Dois indígenas entram em cena, o camarada Raoni, por Luiz Augusto, que enche Almerinda de perguntas que ela não sabe responder, e o Cacique, pai de Raoni, por Wagton Douglas.

Leia Também:  Setor industrial alerta sobre prazo para aderir à nova lei de incentivos em MT

A escritora imortal Luciene Carvalho é contada pela atriz Eduarda Mascarenhas, que faz rima, prosa, é estudiosa, vive no mundo da lua, come sopa de letrinhas e vive das Letras.

Mais charmosa que a Penélope, personagem do conceituado ator Eduardo Butakka, só a Penelopezinha, por Marina Pretti, de apenas sete anos de idade, que também faz parte do elenco.

E claro, não podia faltar o espelho de Almerinda: a provocativa Almerindinha, por Leticia Souza, que contracena com Ariana Carla, que faz o papel de Mary Jane, mãe da pequena prodígio.

Para cuidar da escola junto com Almerinda entra em cena a diretora, por Maria Eduarda Mezavila. Sem esquecer do mascote da turma, que é o Tedy, o cãozinho que Ezequiel dos Cachorros leva para a sala de aula todos os dias.

Quer saber mais? Venha conferir no dia 08 de dezembro, às 19h, no Teatro da Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Cerrado Zulmira Canavarros.

SERVIÇO

Os ingressos já podem ser retirados antecipadamente pelo site TicMais – https://ticmais.com/escolinha-da-alme, com preço promocional, a R$ 40 e R$ 20 meia entrada e ingresso solidário, com 1kg de alimento não perecível, ou no Pão De Queijo Café, na avenida General Mello, 115. Ou na bilheteria do Teatro Cerrado Zulmira Canavarros, no dia (08) da apresentação, a partir das 14h.

Mais informações pelos telefones (65) 9292-9907, (65) 99249-5952, (65) 99232-6702 e (65) 3313-6876.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA