Saúde

Melatonina: médicos afirmam que uso do hormônio ‘saiu do controle’

Publicados

em

Remédio em comprimido
Christine Sandu / Unsplash

Remédio em comprimido

Mais de 2% dos americanos adultos usam regularmente a melatonina como auxilio na hora de adormecer. O número é cinco vezes maior do que em relação há duas décadas. Nos Estados Unidos, assim como no Brasil, o suplemento pode ser adquirido em farmácias populares sem prescrição médica.

Ainda não há estudos que comprovem os riscos de usar a melatonina por longos períodos, mas o Instituto Nacional de Saúde (NIH) do Reino Unido garante que o uso prolongado pode levar a uma série desconhecida de problemas graves de saúde, incluindo declínio cognitivo grave e problemas psiquiátricos a longo prazo.

Em um novo relatório publicado na revista JAMA, especialistas descrevem o aumento não regulamentadodno suplemento de auxílio ao sono sem receita médica como “uma situação louca que saiu do controle”, e alertam que as pessoas que se automedicam com altas doses por um período de longo prazo estão se colocando em risco de efeitos colaterais de curto prazo, incluindo fadiga, tontura e dores de cabeça.

Leia Também:  Programa Amor realiza mais de 140 atendimentos em 3 dias de funcionamento

O recomendado atualmente de melatonina para consumo é cinco miligramas por noite. Os usuários que tomam mais e sem acompanhamento médico podem ter consequências mais graves para a saúde a longo prazo, especialmente se tomadas em conjunto com outros medicamentos.

Os médicos também tem alertado para o aumento do uso do suplemento entre crianças. Segundo relatório do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), divulgado no início do ano, afirma que, de 2011 a 2021, as linhas de ajuda atenderam mais de 260 mil chamadas sobre crianças que ingeriram doses altíssimas de melatonina. Destes, dois morreram, 300 acabaram precisando ficar em observação na UTI e 4 mil crianças foram hospitalizadas.

Muitos suplementos de melatonina tem a forma de uma goma de mascar, por isso, especialistas acreditam que há uma grande chance de as crianças acreditarem falsamente que são doces e comer em grande quantidade. Embora isso possa tornar a hora de dormir um pouco mais fácil, os especialistas alertam que isso pode dar ao filho um equívoco perigoso sobre a melatonina.

Leia Também:  Influenza H3N2 causa primeiro óbito em Cuiabá

“Como qualquer outra droga, você não a deixa no balcão da cozinha para o seu filho entrar”, afirma Judith Owens, diretora do Centro de Distúrbios do Sono Pediátrico do Hospital Infantil de Boston.

Ao contrário da maioria dos outros países, nos EUA a melatonina não é regulamentada pelo FDA e pode ser comprada on-line e fora das prateleiras das farmácias sem receita médica.

Assim como no Brasil, onde o hormônio é autorizado pela Anvisa para venda como suplemento alimentar e pode ser encontrado em farmácias, no país americano também é comercializado como um suplemento natural e seguro para ajudar a dormir.

Os dados mostram que a venda do medicamento cresceu mais de 142% nos Estados Unidos — de US$ 339 milhões de dólares em 2017 para US$ 821 milhões em 2020.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:

Saúde

Covid-19: Brasil registra 220 mortes e 27,6 mil casos em 24 horas

Publicados

em

Por

As secretarias estaduais e municipais de Saúde registraram 27.644 novos casos de covid-19 na últimas 24 horas em todo o país. De acordo com os órgãos, foram confirmadas também 220 mortes por complicações associadas à doença no mesmo período. 

Os dados estão na atualização do Ministério da Saúde divulgada nesta quinta-feira (11), com exceção do dado de óbitos do estado do Mato Grosso do Sul, que não foi informado, de acordo com a pasta federal. 

Com as novas informações, o total de pessoas infectadas pelo novo coronavírus durante a pandemia já soma 34.124.579.

O número de casos em acompanhamento de covid-19 está em 515.811. O termo é dado para designar casos notificados nos últimos 14 dias que não tiveram alta nem resultaram em óbito.

Com os números de hoje, o total de óbitos alcançou 681.006, desde o início da pandemia. Ainda há 3.232 mortes em investigação. As ocorrências envolvem casos em que o paciente faleceu, mas a investigação se a causa foi covid-19 ainda demanda exames e procedimentos complementares.

Leia Também:  Varíola dos macacos: Ministério da Saúde fixa nível máximo de alerta

Até agora, 32.927.762 pessoas se recuperaram da covid-19. O número corresponde a pouco mais de 96% dos infectados desde o início da pandemia.

Estados

Segundo o balanço do Ministério da Saúde, no topo do ranking de estados com mais mortes por covid-19 registradas até o momento estão São Paulo (173.523), Rio de Janeiro (75.130), Minas Gerais (63.239), Paraná (44.776) e Rio Grande do Sul (40.616).

Já os estados com menos óbitos resultantes da pandemia são Acre (2.023), Amapá (2.153), Roraima (2.165), Tocantins (4.189) e Sergipe (6.421).

Vacinação

Até esta quinta, o vacinômetro do Ministério da Saúde apontava um total de 470.954.665 doses de vacinas contra covid-19 aplicadas no país, desde o início da campanha de imunização. Destas, 178,6 milhões como primeira dose, 159,7 milhões como segunda e 4,9 milhões como dose única. A dose de reforço já foi aplicada em mais de 104,1 milhões de pessoas e a segunda dose extra ou quarta dose, em pouco mais de 18,5 milhões. O painel registra ainda 4,7 milhões de doses como “adicionais”, que são aquelas aplicadas em quem tinha recebido o imunizante da Janssen, de dose única.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil. Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil.

Boletim epidemiológico do Ministério da Saúde atualiza os números da pandemia de covid-19 no Brasil. – Ministério da Saúde

Leia Também:  Programa Amor realiza mais de 140 atendimentos em 3 dias de funcionamento

Edição: Lílian Beraldo

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA