COVID-19

Médica voluntária de 27 anos é a primeira ser vacinada contra o Coronavírus no Brasil

Publicados

em

JB News

A médica Stefania Teixeira Porto, de 27 anos, foi a primeira voluntária a ser vacinada contra o Coronavírus ( Covid-19) no Brasil.

O teste foi realizado no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), está é a terceira fase do teste, cerca de 9 mil profissionais da saúde devem participar dos testes nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Paraná, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Brasília.

Uma equipe científica irá acompanhará os voluntários por três meses, cerca de 20 mil doses serão utilizadas,após a aplicação da primeira dose, os voluntários receberão uma segunda dose da vacina 14 dias depois.

Conforme protocolo metade dos voluntários irão receber placebo e a outra metade a vacina. Esse tipo de estudo é denominado de duplo cego, pois pesquisadores e pesquisados não sabem quem recebeu qual tipo de tratamento.

A médica Stefania Teixeira definiu a experiência como “momemto único” resultado sua felicidade em poder participar de uma grande experiência mundial.

Leia Também:  Cidades precisam abandonar cegueira auditiva e ver o invisível diz arquiteta

“A gente passou por meses tão difíceis, então, é uma injeção de ânimo em poder participar disso e poder contar para as pessoas no futuro que eu fiz parte disso, eu fico muito contente”, afirmou

O G1 ressaltou que o Butantan,poderá ser o primeiro país do mundo a utilizar a vacina contra o coronavírus em larga escala.

Os voluntários nesse momento só poderão participar os profissionais da saúde que atuaram diretamente no combate ao Coronavírus.

Veja o que disse o governador João Doria

https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2020/07/21/hospital-das-clinicas-comeca-testes-da-vacina-chinesa-contra-covid-19-em-profissionais-de-saude-voluntarios.ghtml

 

 

COMENTE ABAIXO:

COVID-19

Justiça derruba decreto de Emanuel Pinheiro e manda Cuiabá seguir medidas do governo estadual

Publicados

em

Por

Justiça manda Emanuel Seguir decreto estadual

JB News

A guerra jurídica travada pelo combate a pandemia do novo Coronavirus (Covid-19) em Mato Grosso está demandando grande esforço judicial para aparar e uniformizar as ações de combate a pandemia.

Nesta segunda-feira 01, ao ser anunciado pelo governo de Mato Grosso as mais novas medidas de restrição para a não proliferação do vírus, no mesmo dia foi anunciado pelo prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MD),  que não iria cumprir as medidas de biossegurança imposta pelo Estado que alega a incapacidade de atendimento, por conta de que 88% das UTI´s já estarem ocupada, o prefeito editou um novo decreto onde não reconheceu a imposição, e decretou outro horário de funcionamento do comercio  que encerraria a partir das 23hs.

Diante do imbróglio, o Ministério Público Estadual (MPE), com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADIN) requerendo ao Poder Judiciário, em caráter liminar, que determine ao Município de Cuiabá a aplicação dos artigos 1º, 2º e 3º do Decreto Estadual nº 836, que trata de medidas restritivas para prevenção à Covid-19.

Na ação, o MPMT argumenta que a existência de disparidades entre os decretos estadual e municipal enfraquece o combate à pandemia e estimula a prática de transgressão de normas jurídicas essenciais ao corpo social, no momento em que a harmonia da política pública sanitária se mostra primordial. Além disso, gera insegurança jurídica.

Leia Também:  Mato Grosso recebe 25,4 mil doses da CoronaVac nesta quarta-feira

A principal divergência refere-se às condições que deverão ser observadas para o funcionamento de todas as atividades e serviços na capital. Conforme o decreto estadual, somente está autorizado o funcionamento no período compreendido entre as 5h e 19h. Aos sábados e domingos, autorizado o funcionamento somente no período compreendido entre as 05h e 12h.

A decisão que determina o prefeito de Cuiabá a acompanhar o decreto estadual foi proferida pelo desembargado do tribunal de Justiça de MT Orlando Perri ainda no começo da tarde desta quarta-feira.

Segundo o desembargador, “E, a existência de danos m assim sendo, visualizando a plausibilidade do direito substancial invocado pelo autor, e a existência de danos irreparáveis ou de difícil reparação com cessão da liminar que se impõe”.

Para Perri , a medida adotada pelo Município de
Cuiabá, a toda a evidência, como bem ressaltou a parte autora, “enfraquece
o combate à pandemia e estimula a prática de transgressão de normas
jurídicas essenciais ao corpo social, no momento em que a harmonia da
política pública sanitária se mostra primordial”.
Além disso, vale ressaltar que “a existência de regras
e restrições repercutem de modo amplo não apenas quanto aos serviços
prestados e administrados pelo Município de Cuiabá, e que os cidadãos
afetados não ficam, e não ficarão, internados apenas nas unidades
hospitalares sediadas na Capital, de modo que o problema não são da
alçada exclusiva do ente Município de Cuiabá” (sic), uma vez que espraia
seus efeitos por todo o Estado de Mato Grosso. Decidiu Perri.

Leia Também:  O cavalinho Xomano e o cuiabanês

Veja aqui a decisão:👇

DecisãoPerri

 

 

 

Leia íntegra da nota da Prefeitura de Cuiabá sobre o tema:👇

NOTA À IMPRENSA

A Prefeitura Municipal de Cuiabá informa que irá cumprir as medidas parcialmente suspensas em caráter liminar pelo desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, Orlando Perri. *A decisão suspende, por ora, os efeitos dos artigos 1º, 2º, § 3º, 5º, 7º, caput, e § 1º, 8º, 14 e 16, do Decreto Municipal n. 8.340, de 2/3/2021, prevalecendo em todo o Estado de Mato Grosso, inclusive, no município de Cuiabá, as medidas impostas nos artigos 1º, 2º e 3º, do Decreto Estadual n. 836, de 1º/3/2021. A decisão foi proferida na tarde de hoje (3), em face de solicitação do Ministério Público de Mato Grosso versando sobre as medidas emergenciais adotadas na tentativa de mitigar os efeitos da pandemia causado pelo coronavírus. *

A Prefeitura de Cuiabá, informou que ainda que estuda recorrer da decisão.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA