COVID-19

Mato Grosso registra 323.191 casos e 112 mortes de covid em 24 horas

Publicados

em

COVID-19

JB News

Por Denise Niederauer

A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) notificou, nesta quarta-feira (07.04), 323.191 casos confirmados e 112 mortes de covid em 24 horas da Covid-19 em Mato Grosso, sendo registrados 8.346 óbitos em decorrência do coronavírus no Estado.
Foram notificadas 3.213 novas confirmações de casos de coronavírus no Estado. Dos 323.191 casos confirmados da Covid-19 em Mato Grosso, 14.116 estão em isolamento domiciliar e 298.627 estão recuperados.
Entre casos confirmados, suspeitos e descartados para a Covid-19, há 507 internações em UTIs públicas e 503 enfermarias públicas. Isto é, a taxa de ocupação está em 95,12% para UTIs adulto e em 58% para enfermarias adulto.
Dentre os dez municípios com maior número de casos de Covid-19 estão: Cuiabá (69.258), Rondonópolis (24.298), Várzea Grande (20.821), Sinop (16.214), Sorriso (11.951), Tangará da Serra (11.095), Lucas do Rio Verde (10.711), Primavera do Leste (9.413), Cáceres (7006) e Alta Floresta (6.252).
A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada por meio do Painel Interativo da Covid-19, disponível neste link http://www.saude.mt.gov.br/painelcovidmt2/
O documento ainda aponta que um total de 285.316 amostras já foram avaliadas pelo Laboratório Central do Estado (Lacen-MT) e que, atualmente, restam 1.206 amostras em análise laboratorial.
Cenário nacional
Nesta quarta-feira (07.04), o Governo Federal confirmou o total de 13.193.205 casos da Covid-19 no Brasil e 340.776 óbitos oriundos da doença. No levantamento do dia anterior, o país contabilizava 13.100.580 casos da Covid-19 no Brasil e 336.947 óbitos confirmados de pessoas infectadas pelo coronavírus.
Recomendações
Já existem vacinas para prevenir a infecção pelo novo coronavírus, mas ainda é importante adotar algumas medidas de distanciamento e biossegurança.
Os sites da SES e do Ministério da Saúde dispõem de informações oficiais acerca da Covid-19. A orientação é de que não sejam divulgadas informações inverídicas, pois as notícias falsas causam pânico e atrapalham a condução dos trabalhos pelos serviços de saúde.
O Ministério da Saúde orienta os cuidados básicos para reduzir o risco geral de contrair ou transmitir infecções respiratórias agudas, incluindo o novo vírus. Entre as medidas estão:
– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão por pelo menos 20 segundos. Se não houver água e sabão, usar um desinfetante para as mãos à base de álcool;
– Evitar tocar nos olhos, nariz e boca com as mãos não lavadas;
– Evitar contato próximo com pessoas doentes;
– Cobrir boca e nariz ao tossir ou espirrar com um lenço de papel e jogar no lixo;
– Limpar e desinfetar objetos e superfícies tocados com frequência.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  “Precisamos olhar para quem mais precisa de ajuda neste momento”, diz Max Russi

COVID-19

Senadores farão diligências em laboratórios do agro para produção de vacinas anticovid

Publicados

em

Por

A ideia da visita ‘in loco’ é acelerar os procedimentos para inclusão dos laboratórios na produção de vacinas.

A Comissão Temporária do Senado, que acompanha as ações de enfrentamento à Covid-19, deverá realizar diligência externa nas três fábricas de produtos veterinários classificados com nível de segurança NB3+, potencialmente utilizáveis para a produção de vacinas humanas anticovid. O requerimento foi apresentado pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT), relator da CT e que tem conduzido as tratativas com os laboratórios do agro.

Além de senadores, deverão ser convidados para a diligência os representantes do Ministério da Saúde, da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), do Ministério da Agricultura, e do Instituto Butantan. A Anvisa já notificou os laboratórios que fabricam produtos para saúde animal interessados em produzir o Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) para produção de vacinas.

O objetivo, segundo o senador do PL de Mato Grosso, é conhecer as instalações e seu potencial de aproveitamento para a produção de vacinas. A ideia da visita ‘in loco’ é acelerar os procedimentos para inclusão dos laboratórios na produção de vacinas. Os senadores acreditam que a inserção de mais indústrias somariam ao trabalho já realizado pelo Instituto Butantã e a Fiocruz.

Leia Também:  TCE-MT emite recomendação a municípios com baixo índice de vacinação contra Covid-19

As três fábricas capazes de produzirem o IFA a partir da transferência tecnológica pertencem a Merck & Co. ou Merck Sharp & Dohme, empresa farmacêutica, química e de ciências biológicas global presente em 67 países; Ceva Brasil, que dispõe de quatro centros internacionais principais, com 19 centros regionais de produção pelo mundo, e a Ouro Fino, que exporta produtos para vários países.

“Não há dúvida de que estamos muito atrasados na vacinação, especialmente em comparação com outros países. Estamos hoje na casa dos 21 milhões de pessoas vacinadas com a primeira dose e 6 milhões que receberam as duas doses, o que representa cerca de 10% dos brasileiros, com a primeira dose, e 2,8%, com a segunda” – frisou Fagundes.

Além de enfatizar o crescimento do número de mortos pela Covid-19, Fagundes ressaltou que o Brasil é atualmente o epicentro mundial da doença e motivo de preocupação para todos os países. “Certamente, a falta de vacinas é o principal fator para o cenário de atraso na vacinação, que nos conduziu ao colapso do sistema de saúde que hoje estamos vivendo, com falta de leitos de terapia intensiva e carência de oxigênio medicinal, de medicamentos e de insumos essenciais” – acrescentou.

Leia Também:  Novo decreto autoriza funcionamento em Cuiabá de atividades não essenciais, aulas híbridas e academia em condomínios

Em documento enviado a mim, datado de 22 de março, o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Saúde Animal (SINDAN), informou que as plantas industriais indicadas reúnem condições de atender a toda a demanda por vacina do País, com produção completamente interna e sem depender de importação de insumos. Afirma, ainda, que a indústria de saúde animal detém a tecnologia necessária para o cultivo de inativação e o preparo de vacinas de vírus inativados, como é o caso de algumas das vacinas contra o novo coronavírus.

O requerimento do senador Wellington deve ser votado na reunião de segunda-feira, com definição da data da diligência.


Foto: Reprodução TV Senado

imagem

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA