Internacional

Maior jornal da Nicarágua retira funcionários do país por ameaças

Publicados

em

Daniel Ortega nicarágua
Reprodução

Daniel Ortega nicarágua

Depois de vários anos de perseguição por parte do governo de Daniel Ortega, que se agravou depois das eleições presidenciais de 2021, o tradicional jornal La Prensa, o maior do país, foi obrigado a tirar todos os funcionários da Nicarágua. Nos últimos anos, o La Prensa já teve vários profissionais presos e intimidados, e desde ano passado funciona apenas online.

O diretor do La Prensa, Juan Lorenzo Holmann Chamorro está detido desde agosto do ano passado e, em abril deste ano, foi condenado a nove anos de prisão por lavagem de dinheiro.

Segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), os últimos funcionários do jornal deixaram a Nicarágua clandestinamente entre 9 e 25 de julho, a fim de continuar realizando o trabalho de fora do país sem riscos junto com outros que já tinham se exilado.

O estopim foram buscas nas casas de vários funcionários, no dia 6 de julho, em reação a uma reportagem sobre a expulsão de freiras católicas de uma ordem fundada por Madre Teresa de Calcutá. Após a publicação, a polícia de Manágua revistou as residências de um jornalista, um fotógrafo, um assistente administrativo e dois motoristas do La Prensa.

Os motoristas, que não tiveram suas identidades reveladas, foram presos sem qualquer acusação, acusa a RSF. Alertados sobre as prisões, os demais funcionários cujas casas foram revistadas se esconderam e conseguiram evitar a prisão. Mas foram forçados a fugir do país clandestinamente.

Leia Também:  Dólar sobe 0,66%, fecha a R$ 5,49 e atinge maior valor desde janeiro

A Repórteres Sem Fronteiras declarou apoio à equipe do jornal e a todos os meios de comunicação independentes do país “que estão sendo submetidos aos extraordinários e chocantes abusos autoritários do presidente Ortega ”.

“O aparato repressivo estabelecido pelo governo Ortega para silenciar os jornalistas é tão aterrorizante quanto intolerável”, disse Emmanuel Colombié, diretor do escritório da RSF na América Latina.

Na segunda-feira, o bispo nicaraguense Rolando Álvarez, crítico do governo, denunciou que as autoridades fecharam cinco emissoras de rádio em sua diocese, na região de Matagalpa, no Norte do país. Autoridades afirmaram que as estações católica tiveram que parar de operar porque suas licenças de operação não eram válidas, o que Álvarez nega.

O fechamento se soma à suspensão, em junho do ano passado, do canal de televisão da Conferência Episcopal da Nicarágua (CEN). As tensões entre a Igreja e o governo aumentaram em 2018, quando vários templos católicos deram abrigo a manifestantes feridos nos protestos que eclodiram contra Ortega.

Entre 2018 e 2019, a Igreja também tentou mediar um diálogo entre o governo e a oposição, mas não teve sucesso. Em março, o Vaticano informou que o governo nicaraguense retirou a aprovação para permanecer no país ao seu núncio em Manágua desde 2018, Waldemar Sommertag.

Leia Também:  Rússia inicia construção da 1ª usina nuclear do Egito

Apagão de informação

No fim de 2020, o governo aprovou três leis, de crimes cibernéticos, agentes estrangeiros e traição, que vêm sendo usadas para silenciar vozes críticas, principalmente a dos repórteres e suas fontes de informação.

A de crime cibernético, por exemplo, é utilizada para decidir quando uma publicação é uma “notícia falsa” e tem como alvo direto funcionários públicos que vazam informações do Estado, chave para o jornalismo. As penas estabelecidas pela lei de crimes cibernéticos variam de um a oito anos de prisão. Com o aumento da repressão, as edições dos jornais começaram a ficar repletas de “fontes anônimas” e os nomes dos jornalistas sumiram por “segurança”. Ou seja, os repórteres pararam de assinar suas notas.

Além da perseguição a jornalistas e à Igreja, o governo Ortega ordenou a prisão dos sete candidatos da oposição com maior chance de enfrentá-lo nas eleições — das quais ele foi proclamado vencedor, apesar de terem sido rejeitadas pela comunidade internacional.

Entre os detidos estão ex-guerrilheiros sandinistas, antigos companheiros de Ortega na luta contra a ditadura da família Somoza, que governou a Nicarágua por 47 anos. Também prendeu analistas políticos, feministas, ativistas sociais e até empresários.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:

Internacional

‘EUA estão buscando prolongar o conflito’, diz Putin sobre guerra

Publicados

em

Por

Putin ataca EUA em discurso na Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional
Reprodução/Kremlin – 09.05.2022

Putin ataca EUA em discurso na Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, atacou os  Estados Unidos durante seu discurso na 10ª Conferência de Moscou sobre Segurança Internacional nesta terça-feira (16) e afirmou que Washington quer “prolongar” a guerra na Ucrânia – iniciada por Moscou em 24 de fevereiro.

“A situação na Ucrânia demonstra que os Estados Unidos estão buscando prolongar o conflito. Além disso, estão agindo de forma similar e alimentando o potencial de conflitos na Ásia, na África e na América Latina”, disse o mandatário.

Além disso, Putin afirmou que o Ocidente usa o povo ucraniano como “carne de canhão” e que essas nações “têm necessidade de conflitos para manterem a sua hegemonia” no mundo. Segundo o mandatário, eles têm um “projeto anti-Rússia, fecharam os olhos para o uso da ideologia neonazista e sobre a morte em massa de civis no Donbass e forneceram armas, também pesadas, ao regime de Kiev”.

As acusações são as mesmas feitas por Putin para justificar a invasão da Ucrânia em fevereiro e, desde então, Moscou vem sendo alvo de pesadas sanções ocidentais, que causam danos à economia do país – apesar das negativas do Kremlin.

Leia Também:  Lula sobre PEC: 'maior distribuição de dinheiro desde o Império'

A princípio, Moscou queria derrubar o governo de Volodymyr Zelensky com uma campanha militar rápida, mas os planos fracassaram e a Rússia começou a concentrar suas operações nas áreas ao sul e na área do Donbass, que conta com as regiões separatistas de Donetsk e Lugansk.

Em outro ataque a Washington, o presidente russo afirmou que a visita da presidente da Câmara dos Representantes dos EUA, Nancy Pelosi, a Taiwan no início de agosto foi uma tentativa de “desestabilizar” a região indo-pacífica.

“Como vocês sabem, recentemente, os Estados Unidos tentaram mais uma vez, deliberadamente, jogar gasolina no fogo e estremecer a situação na região Ásia-Pacífico. A aventura norte-americana em Taiwan não foi só uma viagem de um único político irresponsável, mas faz parte de uma estratégia deliberada e consciente dos EUA para desestabilizar e deteriorar a situação na região. Uma falta de respeito”, acusou ainda.

Após o discurso de Putin, o Ministério da Defesa informou que fechou um contrato para a entrega de mísseis balísticos intercontinentais Sarmat.

Em junho deste ano, em outro evento, o mandatário russo havia informado que esperava que os Sarmat estariam disponíveis “até o fim do ano” e que eles dariam “garantias de segurança” à Rússia contra “as atuais ameaças”, fazendo “refletir quem está nos ameaçando”.

Os mísseis do tipo tiveram o primeiro teste oficial realizado em abril deste ano e os equipamentos têm a capacidade de transportar até 15 ogivas para ataque.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Mundo

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA