Policial

Gefron apreende homem com 121 tabletes de cocaína, suspeito foi preso pela segunda vez

Publicados

em

Gefron apreende 121 tabletes de cocaína e prende suspeito pela segunda vez

A ação ocorreu por volta das 23h desta quinta-feira (13.02), durante operação que investigava uma organização criminosa encarregada do transporte de entorpecentes da Bolívia para o Brasil

Nara Assis | Sesp-MT

A ação também resultou na apreensão de duas motocicletas e prisão do suspeito – Foto por: Gefron

A ação também resultou na apreensão de duas motocicletas e prisão do suspeito

A | A

O Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron) apreendeu 121 tabletes de substância análoga a cocaína, na região de Nova Fortuna, em Vila Bela da Santíssima Trindade (540 km a Oeste de Cuiabá). Os policiais também prenderam um suspeito, que já havia sido preso transportando 214 tabletes de cocaína em 2019, na mesma região.

A ação ocorreu por volta das 23h desta quinta-feira (13.02), durante operação conjunta entre o Gefron e a Delegacia Especial de Fronteira (Defron), que investigava uma organização criminosa encarregada do transporte de entorpecentes da Bolívia para o Brasil. Os suspeitos atuavam com a utilização de motocicletas e batedores/olheiros denominados “mulas”.

Foram apreendidas ainda duas motocicletas, sendo uma Honda Bros e uma Honda CG Titan, avaliadas em R$ 15 mil. Já a droga foi avaliada em R$ 992,2 mil, portanto o prejuízo estimado ao crime foi de pouco mais de R$ 1 milhão.

Leia Também:  PSDB oficializa empresário Carlos Nigro pré-candidato a prefeito de Cuiabá

O suspeito possui uma passagem pelo art. 33 e art. 35 da Lei de Drogas, e havia sido preso pelos próprios policiais do Gefron, no ano passado, ao ser flagrado transportando 214 tabletes de cocaína. Ele ficou preso durante sete meses e saiu há cerca de três meses.

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Policial

Mato Grosso registra queda nos índices de criminalidade no período de isolamento social

Publicados

em

Houve redução nos casos de homicídio doloso, roubo, furto, latrocínio, lesão corporal, tráfico e violência contra a mulher

Débora Siqueira

Polícia Civil e Polícia Militar fazem trabalho integrado para redução de crimes – Foto por: Reinaldo Lima/PJC
A | A

Com o isolamento social, medida imposta para controlar a disseminação do coronavírus em Mato Grosso, as ocorrências policiais reduziram no Estado, conforme a análise do Observatório de Violência, da Adjunta de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança Pública. O período analisado é 10 a 29 de março, com base nos boletins de ocorrência registrados pela Polícia Militar e Polícia Civil no Sistema de Registro de Ocorrências Policiais (SROP). Por ser dados preliminares, estão passíveis de alterações após a consolidação pelo Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp).

Comparado com o mesmo período do ano passado, os crimes de latrocínio (roubo seguido de morte) caíram 85,7%. Foi registrado 1 caso este ano contra 7 no ano passado. Da mesma forma os casos de roubos caíram em 30,7%, furto 40,4%, lesão corporal 34,4%, tráfico de drogas 36,3% e 4,3% nos casos de homicídios dolosos (com intenção de matar). No caso dos assassinatos, foram considerados números absolutos de vítimas. Foram 44 mortes em 2020 no período de 10 a 29 de março, enquanto foram 46 no ano passado.

Leia Também:  Suspeito de envolvimento em roubo a casa da deputada Janaína é trazido do Acre para MT

Em outro estudo do Observatório da Violência, mas no período de 10 de março a 24 de março, apontam que os casos de violência contra a mulher caíram 35% em Mato Grosso. Os dados levam em conta a comparação deste ano (1.402 casos) com o mesmo período do ano passado (2.170).

Nestes números, levantados pela Superintendência do Observatório de Violência da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp-MT), estão incluídas as 23 principais naturezas criminais praticadas contra mulheres, como ameaça, homicídio doloso e assédio sexual, por exemplo.

A Secretaria de Estado de Segurança Pública destaca que as razões para a redução não significam necessariamente que o crime contra a mulher caiu, mas pode ser caso de subnotificações dos casos. Dentre os motivos pode ser que o agressor está em casa inibindo a vítima, ou caiu porque os bares estão fechados, já que o álcool é um potencializador da violência doméstica.

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA