AGRONEGÓCIOS

Especialistas apontam benefícios do Plano Safra 2022/23 e alertam sobre taxa de juros

Publicados

em

JB News

Por Alana Casanova

As taxas de juros mais baixas serão aplicadas aos financiamentos contratados por agricultores vinculados ao Pronaf..

O Governo Federal anunciou o Plano Safra 2022/23 com previsão de R$ 340,8 bilhões em financiamentos para apoiar a produção agropecuária nacional. Para especialistas em Direito do Agronegócio e planejamento patrimonial o aumento de 36% em comparação ao anterior, de R$ 251 bilhões, é um excelente benefício, mas fazem um alerta aos pequenos, médios e grandes produtores rurais quanto às taxas de juros.

“É uma ótima notícia aos produtores rurais esse aumento, mas é bom estarem atentos às taxas de juros e buscar esses benefícios com orientação e planejamento. Algumas ficaram em 12% como a do Moderfrota para financiar trator e colheitadeira”, explicou a advogada Thais Vieira, uma das sócias do escritório Barbero e Vieira Advogados.

A distribuição dos recursos do Plano Safra ficou em R$ 246,28 bilhões para custeio e comercialização e R$ 94,6 bilhões serão para investimentos. Os recursos com juros controlados – fixados no momento do empréstimo – somam R$ 195,7 bilhões (alta de 18%) e, os com juros livres, R$ 145,18 bilhões (alta de 69%). Já o montante de recursos equalizados cresceu 31%, chegando a R$ 115,8 bilhões na próxima safra.

Leia Também:  Cartórios registram o janeiro mais mortal da série histórica no Brasil

“As regras e condições das linhas de crédito rural do Plano Safra 2022/2023 foram aprovadas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Embora todas as taxas de juros tenham ficado abaixo da taxa Selic atual, que está em 13,25% ao ano, ainda estão elevadas em relação às definidas na safra passada. Por isso, os produtores devem recorrer às linhas de crédito com planejamento e estratégia”, explicou o advogado especialista em Direito do Agronegócio Márcio Barbero.

As taxas de juros mais baixas serão aplicadas aos financiamentos contratados por agricultores vinculados ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Nas operações de custeio e investimento para esse público, no caso de itens relacionados à produção de alimentos ou com forte adicionalidade ambiental, a taxa ficou em 5% ao ano (a.a). Para os demais itens, a taxa de juros ficou em 6% (a.a). Foram estabelecidas taxas favorecidas para os financiamentos aos médios produtores rurais do Pronamp (8% a.a.) e para os Programas ABC e PCA (8,5% a.a.), bem como, para o investimento empresarial (10,5% a.a.).

Leia Também:  Unemat oferta 123 vagas de estágio para acadêmicos em diferentes câmpus e reitoria

Sustentabilidade

Este ano, o Programa ABC, que financia a recuperação de áreas e de pastagens degradadas; a implantação de sistemas de integração lavoura-pecuária-florestas e a adoção de práticas conservacionistas de uso, manejo e proteção dos recursos naturais, contará com R$ 6,19 bilhões.

As taxas de juros serão de 7% ao ano para ações de recomposição de reserva legal e áreas de proteção permanente e de 8,5% para as demais.

Tecnologias

Outra linha de financiamento do Plano Safra, o Inovagro, terá R$ 3,51 bilhões em recursos, com juros de 10,5% ao ano. A categoria disponibiliza financiamento para o incentivo à inovação tecnológica e para investimentos necessários para a adoção de boas práticas agropecuárias e de gestão da propriedade.

Armazéns

O Programa para Construção e Ampliação de Armazéns (PCA), que financia investimentos necessários para a ampliação e construção de novos armazéns, terá R$ 5,13 bilhões disponíveis na próxima safra, com taxas de juros de 7% ao ano para investimentos relativos à armazenagem com capacidade de até 6 mil toneladas, e de 8,5 % ao ano para os demais investimentos. O prazo de reembolso desses empréstimos é de até 12 anos, com carência de até 3 anos.

Foto: Pixabay

COMENTE ABAIXO:

AGRONEGÓCIOS

Petrobras anuncia nova redução no preço do diesel

Publicados

em

Por

A Petrobras anunciou nesta quinta-feira (11) uma nova redução no preço do diesel comercializado às distribuidoras. Com isso, a partir desta sexta-feira (12), o litro do diesel vendido passa de R$ 5,41 para R$ 5,19, com redução de R$ 0,22, ou 4,07%. Os preços dos demais combustíveis não foram alterados.

 Essa já é a segunda queda consecutiva anunciada pela estatal no diesel. Na semana passada, o valor do litro foi reduzido em R$ 0,20. No entanto, apesar das duas quedas, o preço do diesel vendido às distribuidoras ainda é 55,39% maior que o praticado no final de 2021. 

Conforme a Petrobras, considerando a mistura obrigatória de 90% de diesel A e 10% de biodiesel para a composição do diesel comercializado nos postos, a parcela da empresa no preço ao consumidor passará de $ 4,87, em média, para R$ 4,67 a cada litro vendido na bomba, de acordo com a estatal.

Em nota, a Petrobras afirmou que a redução acompanha o avanço dos preços de referência, que se estabilizaram em patamar inferior para o diesel, e é coerente com a prática de preços da empresa, que busca o equilíbrio dos seus custos com o mercado global, sem repassar para os preços internos a volatilidade conjuntural das cotações internacionais e da taxa de câmbio. 

Leia Também:  Audiência pública virtual debate causas e consequências da seca na baía de Chacororé

Fonte: AgroPlus

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA