Problema social e Mundial

Especialista defende aprovação da PL 3515 para combater superendividamento

Publicados

em

Especialista defende aprovação de lei para combater superendividamento

Com informações MPMT

“O superendividamento não é um pecado apenas individual, é um problema social e mundial, de todas as sociedades de consumo. Só que as sociedades desenvolvidas solucionaram de forma legal, dando uma saída para as pessoas que querem pagar e precisam pagar para retornar à sociedade de consumo. E nós não, estamos nessa cultura da dívida, excluímos uma Argentina de pessoas da nossa sociedade. Infelizmente, vamos ter uma chaga, uma doença, uma pandemia dentro da pandemia se não aprovarmos o Projeto de Lei 3515/2015”, argumentou Claudia Lima Marques, na manhã desta sexta-feira (16). A professora titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e presidente do Comitê de Proteção Internacional do Consumidor da International Law Association foi a palestrante convidada para o webinar “Superendividamento dos consumidores na Pandemia e o PL 3515”.

A expositora relatou que, segundo levantamento do Banco Central, as principais causas do superendividamento são redução de renda, desemprego e morte ou doença na família. Situações que foram agravadas com a pandemia da Covid-19, daí a necessidade urgente da aprovação do PL 3515. “Trata-se de um projeto muito sólido e bem pensado, que daria uma luz ao país e uma saída para o pós pandemia. A Ordem dos Economistas do Brasil e o Instituto do Capitalismo Humanista da PUC São Paulo calcularam que, se o projeto fosse para pauta na próxima semana, ele traria de volta nesses planos de pagamento entre R$ 250 e R$ 555 bilhões. Então, esse projeto macroeconomicamente visto é a saída do pós pandemia brasileiro, e microeconomicamente visto é a dignidade de volta para essas famílias e consumidores que querem pagar e ter o nome de volta”, defendeu.

Leia Também:  SES promove reunião entre secretário estadual e secretária municipal de Saúde de Cuiabá

Segundo Claudia Lima Marques o superendividamento é a impossibilidade global de o consumidor de boa fé fazer frente ao conjunto de suas dívidas que venceram e que vencerão, sem prejudicar o mínimo existencial. Ela lembrou que quase 50% da população estão atualmente recebendo auxílio emergencial e ponderou que, quando ele acabar, “teremos quase metade da população ativa brasileira com problemas de pagamento de dívida”. Para a professora, é preciso que o parlamento aprove o projeto para que o dinheiro perdido volte a circular na economia. A palestrante contou que o PL 3515 se baseia no projeto francês de reeducação financeira, que busca instituir a cultura de pagamento. “Ele pode ser resumido como plano de pagamento extrajudicial, em uma conciliação semicoletiva entre um consumidor e um conjunto dos seus credores”, afirmou, reforçando que o projeto não prevê o perdão de dívidas e sim o direito de pagar dignamente, tendo preservado o mínimo existencial.

O webinar foi promovido pelo Centro de Apoio Operacional do Consumidor do Ministério Público do Estado de Mato Grosso (MPMT), com apoio do Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional (Ceaf) da instituição, e transmitido ao vivo pelo YouTube (veja aqui). O evento contou com a participação do procurador-geral de Justiça, José Antônio Borges Pereira, dos procuradores de Justiça titulares das especializadas “Cidadania e Consumidor” e “Defesa Ambiental e Ordem Urbanística”, respectivamente Edmilson da Costa Pereira e Luiz Alberto Esteves Scaloppe, bem como de promotores de Justiça e servidores do MPMT em todo o estado.

Leia Também:  Mato Grosso registra 137.287 casos e 3.744 óbitos até o final desta terça-feira

Conforme o procurador-geral de Justiça, o MPMT atua fortemente de forma a proteger o consumidor e garantir o direito à cidadania. Edmilson da Costa Pereira consignou que todos do MPMT estão ansiosos pela aprovação do projeto e Luiz Alberto Esteves Scaloppe sustentou que a defesa do Direito do Consumidor é a defesa da demoraria e da liberdade do cidadão.

“A professora Claudia é uma incansável militante da defesa ética dos consumidores e a principal referência que existe na área consumerista. O tema tratado hoje apresenta-se primordial em tempos de pandemia, em que a pobreza e desigualdade social se intensificam. Refletir e atuar acerca do superendividamento dos consumidores é essencial principalmente sob o viés do mínimo existencial e da dignidade da pessoa humana”, avaliou o promotor de Justiça coordenador do CAO do Consumidor, Paulo Henrique Amaral Motta.

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA