Saúde

Entenda por que carne vermelha aumenta risco de doenças no coração

Publicados

em

Carne vermelha
Reprodução: pixabay – 01/08/2022

Carne vermelha

Ter uma rotina alimentar que envolve porções diárias de carne vermelha pode não ser a melhor ideia para uma boa saúde do coração. Um novo estudo, conduzido por pesquisadores da Universidade de Tufts e do Instituto de Pesquisa Lerner, ambos nos Estados Unidos, quantificou o impacto do alimento no aumento do risco de doenças cardiovasculares para os mais velhos. A cada 1,1 porção extra por dia, cerca de 75 gramas, o risco aumentou 15%. O trabalho mostra ainda que parte dessa consequência é devido a substâncias liberadas por bactérias que ficam na microbiota intestinal durante a digestão de uma série de nutrientes presentes na carne.

Para chegar à conclusão, o estudo, publicado na revista científica Arteriosclerosis, Thrombosis, and Vascular Biology, analisou dados de quase 4 mil participantes com mais de 65 anos, monitorados durante em média 12 anos e meio. Ao final, eles constataram um risco aumentado de aterosclerose em 15% entre quem consumia o volume de carne vermelha acima da média, percentual que chegava a 22% considerando todos os tipos de carne em excesso.

Segundo os pesquisadores, o aumento no risco de 15% para 22% foi atribuído principalmente pela adição das carnes processadas, não tendo sido observado um impacto significativo para doenças do coração relacionados à alimentação com aves e peixes.

A aterosclerose é o acúmulo de substâncias como colesterol e gordura nas artérias que leva ao espessamento ou entupimento dos vasos sanguíneos. Isso leva à perda da oxigenação nas regiões irrigadas por esses vasos, o que causa uma série de doenças cardiovasculares, como infarto e acidente vascular cerebral (AVC).

Leia Também:  Covid-19: Brasil tem 41,7 mil novos casos e 244 mortes em 24 horas

No entanto, não é apenas o aumento da gordura e do colesterol causado pelo excesso da carne vermelha que leva ao maior risco para os problemas no coração. Pesquisas anteriores já apontavam que certos metabólitos – substâncias liberadas pelas bactérias da microbiota intestinal durante a digestão – aumentam as chances de doenças cardiovasculares.

Com isso, os cientistas do trabalho atual decidiram avaliar as taxas de metabólitos dos participantes para encontrar se havia um aumento dessas substâncias a partir do consumo de carne. Segundo os autores, foi observado de fato um aumento nos níveis de três metabólitos produzidos por bactérias intestinais a partir de nutrientes abundantes na carne vermelha: a TMAO, a gama-butirobetaína e a crotonobetaína.

“Essas descobertas ajudam a responder a perguntas de longa data sobre os mecanismos que ligam as carnes ao risco de doenças cardiovasculares. As interações entre a carne vermelha, nosso microbioma intestinal e os metabólitos bioativos que eles geram parecem ser um caminho importante para o risco, o que cria um novo alvo para possíveis intervenções para reduzir doenças cardíacas”, disse uma das autoras do artigo, Meng Wang, pesquisadora da Universidade de Tufts, em comunicado.

Os pesquisadores afirmam que os metabólitos justificam cerca de 10% da variação no risco de doenças cardiovasculares pelo excesso de carne vermelha. Os demais são fatores como aumento no nível de açúcar do sangue e a ativação de vias gerais de inflamação do organismo pela carne. Esses motivos foram mais significativos para provocar a aterosclerose que o impacto na pressão arterial ou na taxa de colesterol, apontam os autores do estudo.

“Curiosamente, identificamos três caminhos principais que ajudam a explicar as ligações entre carne vermelha e processadas e doenças cardiovasculares – metabólitos relacionados ao microbioma, níveis de glicose no sangue e inflamação geral – e cada um deles parecia mais importante do que os caminhos relacionados ao colesterol ou pressão arterial do sangue. Isso sugere que, ao escolher alimentos de origem animal, é menos importante se concentrar nas diferenças de gordura total, gordura saturada ou colesterol, e mais importante entender melhor os efeitos sobre a saúde de outros componentes desses alimentos, como os metabólitos”, afirma o também autor do estudo e pesquisador da Universidade de Tufts, Dariush Mozaffarian.

Fonte: IG SAÚDE

COMENTE ABAIXO:

Saúde

Diagnóstico de varíola dos macacos será feito nos Lacens até agosto

Publicados

em

Por

Com 2.584 casos confirmados, o Brasil deverá ser capaz de diagnosticar a varíola dos macacos em todos os laboratórios centrais de saúde pública (Lacens) do país até o final de agosto, informou hoje (12), em entrevista ao programa A Voz do Brasil, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

De acordo com o ministro, o governo federal se antecipou à emergência de saúde pública de importância global declarada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em julho e articulou formas de lidar com a doença e receber pacientes no sistema público.

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil O ministro da Saúde Marcelo Queiroga é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga é o entrevistado no programa, A Voz do Brasil – Valter Campanato/Agência Brasil

“Desde maio, quando surgiram os primeiros casos na europa, o sistema único de saúde se preparou para enfrentar essa ameaça. Enfrentamos a emergência de saúde pública causada pela covid-19 e, desde o início, organizamos as estruturas dos laboratórios para fazermos o diagnóstico [da varíola dos macacos]”, informou.

Queiroga falou sobre a letalidade e a taxa de infecção da varíola dos macacos no Brasil, que em âmbito internacional causou cinco mortes em países considerados não endêmicos, segundo dados da OMS.

Leia Também:  Entenda o que é a terapia de reposição hormonal

“Vale lembrar que a letalidade dessa doença [varíola dos macacos] é baixa, ou seja, a maioria dos casos é simples, de tal sorte que não é algo que se assemelhe à covid-19, apesar de ser uma emergência de saúde pública global reconhecida pela OMS”, informou o ministro.

O ministro da Saúde lembrou que a grande maioria de casos de varíola dos macacos acomete homens que fazem sexo com outros homens, e que o principal vetor de transmissão é o contato direto pele a pele ou pelas mucosas. “Isso é uma observação epidemiológica. Não tem cunho de estigmatizar cidadãos. Qualquer um pode adquirir”, complementou.

Outro ponto apresentado pelo ministro da Saúde é que o uso de preservativos não impede a contaminação pela varíola dos macacos. Dentre as principais características da enfermidade estão: febre, lesões de pele, ínguas e crostas. “Os indivíduos devem ficar isolados”, explicou Queiroga, que estimou em três semanas o período de convalescência.

O ministro, que é médico, também afirmou que o tratamento da doença até o momento se dá pelo tratamento dos sintomas, enquanto medicamentos antivirais específicos contra a doença ainda estão sendo estudados.

Leia Também:  Entenda os benefícios do banho frio

Poliomielite

Erradicada no Brasil em 1989, a poliomielite teve casos diagnosticados em outros países recentemente, relatou o ministro. Para evitar qualquer ocorrência da doença em solo nacional, Queiroga reforçou a importância da vacinação da Campanha Nacional de Vacinação, lançada no dia 7 de agosto.

“Qual é a nossa arma? A vacinação. É por isso que nós fazemos um apelo aos pais, aos avós: que levem filhos e netos para as salas de vacinação”, disse o ministro.

O esquema vacinal para a poliomielite tem duas fases. Na primeira, a criança toma 3 doses injetáveis: a primeira aos dois meses de vida; a segunda aos 4 meses de vida; a terceira aos 6 meses de vida. A segunda fase, de reforço, por via oral, deve ser administrada a partir de 1 ano e 3 meses de vida. A segunda dose das gotinhas deve ser dada aos 4 anos, e não deve ultrapassar os 6 anos, 11 meses e 29 dias de vida da criança.

Assista à entrevista em A Voz do Brasil:

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Fonte: EBC Saúde

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA