Polícia Federal

Empresas investigadas forneciam orçamentos de suporte em simulacros e faziam contratações e procedimentos de emergência para desviar recursos da secretaria de saúde de Cuiabá

Publicados

em

JB News

Por Jota de Sá

A Polícia Federal (PF), deflagrou nesta sexta-feira (30.07), uma operação, contra fraudes no sistema de saúde com e tem como alvo a Secretaria Municipal de Saúde de Cuiabá.

Com o apoio do DENASUS (Ministério da Saúde), a PF deflagrou nas primeiras horas da manhã a Operação Curare, para desarticular uma organização criminosa investigada pelo envolvimento em fraudes a contratações emergenciais e recebimento de recursos públicos a título “indenizatório”, em ambos os casos sem licitação dentro da prefeitura de Cuiabá.

Segundo informações um dos alvos da PF além do ex-secretário da pasta Luiz Possas de Carvalho  o atual secretário Célio Rodrigues da silva.

O que se sabe até o momento é que existe indícios de desvios de recursos federais na Secretaria municipal coma emissão de notas frias.

Segundo a PF, a quadrilha formada dentro da secretaria de saúde atuavam nas contratações emergenciais e nos pagamentos “indenizatórios” abarcavam serviços variados como a realização de plantões médicos, disponibilização de profissionais de saúde, sobreaviso de especialidades médicas, comodato de equipamentos de diagnóstico por imagem, transporte de pacientes.

Leia Também:  Prefeito Kalil Baracat acompanha instalação de novas bombas de captação de água e da nova adutora que abastecerá a ETA Grande Cristo Rei

 

A pasta já vem sendo alvo de uma comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), por conta de vários desmandos, entre eles a suspeita de compra de remédios vencidos e desvio de recursos públicos em todos os níveis.

Os investigadores descobriram que empresas que participavam dos certames forneciam orçamentos de suporte em simulacros de procedimentos de compra emergencial, como se fossem concorrentes. Contudo, a investigação demonstrou a existência de subcontratações entre as pessoas jurídicas, que, em alguns casos, não passam de sociedades empresariais de fachada.

 

O nome da operação policial, curare, remete a substâncias tóxicas que produzem asfixia pela ação paralisante do sistema respiratório, cuja origem é associada ao conhecimento tradicional indígena. Na medicina, fármacos curarizantes são empregados em unidades de terapia intensiva, auxiliando o procedimento de intubação.

 

COMENTE ABAIXO:

Polícia Federal

Operação da PF desarticula quadrilha na prefeitura de Jangada na manhã desta quinta-feira

Publicados

em

Por

JB NEws

Por Jota de Sá

 

A polícia federal (PF) desencadeou na manhã desta quinta-feira (26.08), em parceria com Controladoria Geral da União (CGU), a operação Escorpiones, para desarticular um esquema de corrupção entre a prefeitura e empreiteiras.

O esquema se dava pela pratica de fraudes em processos licitatórios realizado pelo prefeitura de jangada.

A ordem de busca e apreensão foi dada pelo juiz da 5ª Vara Federal da Sessão jurídica de Cuiabá-MT, além de Jangada ordem também foi cumprida em Cuiabá.

A justiça também determinou o bloqueio de valores nas contas dos investigados, além de sequestros de bens, bloqueio de previdência privada, e o afastamento de um servidor público da suas funções.

Após uma notícia-crime recebida pela PF acerca da existência de um esquema de fraudes nas licitações de obras públicas realizadas entre os anos de 2018 e 2020, as fraudes aconteciam com a permissão e ajuda de agentes públicos e empresários.

Foram identificados irregularidades com o objetivo de favorecer indevidamente algumas empresas que segundo as investigações jamais haviam realizadas qualquer obra pública.

Leia Também:  PF deflagra operação na secretaria municipal de Saúde de Cuiabá na manhã desta sexta-feira

Segundo a PF os direcionamentos de licitações eram feitos para pessoas sem capacidade técnica e operacional, que eram vinculadas a agentes públicos municipal, além das execuções de obras de infraestrutura básicas em loteamentos de caráter privado. As obras culminaram na valoração de 359 lotes pertencentes a ex-secretária municipal.

Pelas investigações da CGU o prejuízo aos cofres públicos chegou na casa de R$ 1.776.998,81, também foram constatado que no ano de 2017 a 2020 foram efetuados saques de R$ 2.160.430,00 em espécie pela quadrilha, diretamente das contas da prefeitura de Jangada.

As investigações  serão continuadas para saber se existe a possibilidade de outros atores da politica municipal  estão envolvidos no esquema de corrupção.

 

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA