Policial

Empresário preso com 500 mil em Cuiabá pagava propina por prorrogação de contratos milionários e barrou até gigantes em T.I da Argentina em MT

O Poder milionário da T.I

Publicados

em

JB News.

Uma prisão realizada na quarta-feira (14.07), pelas Policias Civil de Goiás, (GO) e de Mato Grosso vem abalando as estruturas de vários poderes, nos últimos dias.

O JB News recebeu a informação que José Antônio Fernando Pereira Ribeiro era conhecido como o rei da propina e supostamente fraudava diversas licitações por onde passava. Também consta que para manter e prorrogar seus contratos nos órgãos públicos nos Estados, em alguns casos chegam a mais de seis anos de prorrogação.
Mas para conseguir a prorrogação e a manutenção dos contratos de altíssimos valores, o empresário chegava a oferecer cerca de R$ 3 milhões e às vezes, superior, e chegando a R$ 6 milhões até mais de 10 milhões em propinas aos respectivos gerentes de contratos, ou até mesmo à prefeitos, e deputados estaduais no comando da administração desses órgãos que estão sendo alvo de investigação, o qual a LagLob Inteligência Artificial onde tem contratos milionários
Muitas vezes, o que esses contratos passavam de uma administração para outra, sem nenhuma fiscalização ou impedimento, simplesmente era prorrogado, por 12 (doze) meses ou mais.
O empresário Antônio Fernando Ribeiro, presidente da empresa de Tecnologia de Informação LogLab Inteligência Digital foi preso, em seu apartamento de luxo, no bairro Duque de Caxias, em Cuiabá.
O JB News recebeu a informação, de que  empresas gigantes no ramo de Tecnologia de Informação (T.I), sediado na Argentina, foram barrados em Mato Grosso por força de suas negociações pesadas que envolvem números astronômicos.
Quem definia a permanência das empresas, de acordo com a investigação, não eram os dirigentes órgãos públicos, e sim Antônio que tinha carta branca para negociar os valores.
O empresário Antônio Fernando Pereira Ribeiro foi preso e está sendo denunciado por lavagem de dinheiro, fraude em licitações , tráfico de influência, propina.
O JB News conversou com delegado Fábio Delta, da Policia Civil de Goiás, que informou que o empresário Antônio Ribeiro ficará preso em Goiânia, (GO), até as próximas diligências.
Antônio foi ouvido nessa sexta-feira, (17.07), em um depoimento que durou mais de 6 horas.
O caso está sendo tratado em segredo de Justiça.
O delegado da Polícia Civil de Mato Grosso, Eduardo Botelho que ajudou na prisão do empresário em Cuiabá, não detalhou  e nem informou a redação, se Antônio Ribeiro também está sendo investigado em MT, pelos crimes de corrupção e fraudes em licitações, já que tem contratos milionários no Estado.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  Roberto França faz carreata no CPA e promete ‘limpeza’ no Alencastro
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Policial

Operação da polícia civil de SP cumpre em MT mandados contra Golpistas que agiam pela OLX

Publicados

em

JB News

Por Denise Niederauer

Quatro mandados de busca e apreensão são cumpridos nesta quinta-feira (22.09), em Cuiabá, em uma operação da Polícia Civil de São Paulo, com apoio da Polícia Civil de Mato Grosso, com objetivo de apurar a atuação de um grupo envolvido na aplicação de golpes cometidos por meio de site de compra e venda OLX, pela internet e em aplicativos de celulares.

A operação Camaleão, deflagrada pelo Setor Especializado no Combate à Corrupção, Organização Criminosa e Lavagem de Dinheiro (Seccold) da Seccional de Guaratinguetá (SP) constitui a fase externa de uma investigação de crimes de estelionato cometidos pelas plataformas OLX e WhatsApp.

O trabalho conta com apoio da Delegacia Especializada de Combate a Corrupção (Deccor), Delegacia Especializada de Crimes Fazendários e Contra a Administração Pública (Defaz), Gerência de Operações Especiais (GOE) e Delegacia de Diamantino.

Após instauração de inquérito policial e emprego de técnicas de investigação, foram colhidos indícios de autoria e materialidade que apontam a participação de ao menos quatro pessoas residentes em Cuiabá envolvidas no crime.

Leia Também:  Roberto França faz carreata no CPA e promete ‘limpeza’ no Alencastro

No golpe aplicado em um vendedor e um comprador de veículos anunciante na plataforma OLX, ambos residentes em Guaratinguetá, o estelionatário conseguiu obter R$ 26 mil da vítima que pretendia adquirir o veículo.

Com base nas investigações, a Seccold representou ao Juízo de Guaratinguetá pelo sequestro do valor da pessoa titular da conta bancária destino da vantagem ilícita, bem como pelo deferimento dos  quatro mandados de busca e apreensão domiciliar em quatro endereços localizados em Cuiabá com objetivo de apreender aparelhos celulares e outros elementos que possam contribuir com as investigações. Com informações da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA