Economia

Economista do Banco Mundial alerta que MT precisa da Reforma para não aumentar imposto

Publicados

em

Cornelius Fleischhaker alertou que um sistema previdenciário desequilibrado é um grande risco em qualquer lugar do mundo

Laice Souza | Secom-MT

Economista do Banco Mundial, Cornelius Fleischhaker – Foto por: Reprodução
A | A

O economista do Banco Mundial, Cornelius Fleischhaker, afirmou que Mato Grosso precisa aprovar a reforma da previdência para que o Estado não corra o risco de ter que “sacrificar a qualidade dos serviços públicos, ou aumentar impostos”.

Fleischhaker, que é gerente do projeto de políticas de desenvolvimento para ajuste fiscal e sustentabilidade ambiental do Estado de Mato Grosso, alertou ainda que um “sistema previdenciário desequilibrado é um grande risco em qualquer lugar do mundo e com freqüência tem levado a crises fiscais”.

Para o gerente, a reforma também é importante para Mato Grosso, principalmente, no momento atual, em que o “Estado vem melhorando muito as suas contas públicas desde o ano passado. Contudo, sem reformas, o déficit da previdência seria uma constante fonte de pressão fiscal”.

“Nas nossas projeções, vimos claramente que há uma tendência do aumento de déficit caso as reformas não sejam feitas. Quando fizemos as contas, vimos que, sem reforma, o déficit previdenciário do estado ia triplicar em termos reais até 2035 comprometendo uma parcela cada vez maior da receita estadual”, destacou.

Ainda de acordo com ele, outro fator que preocupa é o caso de que em Mato Grosso a idade média dos servidores públicos “é ainda mais baixa do que a de outros estados, a reforma tem impactos relevantes e pode de fato reduzir a curva do déficit nos próximos anos e décadas”.

“Será muito pior para os mato-grossenses, se o Estado tiver que gastar cada vez mais para pagar a dívida da previdência e ter menos dinheiro para serviços públicos ou, talvez pior ainda, ter que cobrar mais impostos”, afirmou.

Na avaliação técnica de Fleischhaker, a reforma é fundamental para consolidar os avanços fiscais que vêm acontecendo desde o ano passado. Para ele, “isso vai permitir que o estado continue pagando todos os servidores e fornecedores em dia e que consiga fazer investimentos em melhores serviços públicos”.

“Com base no perfil demográfico dos servidores, o sistema previdenciário de Mato Grosso vai enfrentar um grande aumento das aposentadorias nas próximas décadas. O número de aposentados no regime público de Mato Grosso tende a dobrar nos próximos 15 anos. Acompanhar a reforma feita em nível federal e também introduzir a previdência complementar permitirão o estado reduzir o déficit previdenciário e proteger os serviços essenciais como saúde, educação, e infraestrutura”.

Justiça Social

Leia Também:  STF nega liminar impetrada pela Prefeitura de Cuiabá para suspender o isolamento obrigatório

O gerente do Banco Mundial também ressaltou a importância de se alinhar a previdência do setor público com a do setor privado. Para ele, é uma questão de justiça social. “Ao retirar dinheiro dos serviços essenciais para pagar aposentadorias custosas a determinados setores, o estado está contribuindo para o aumento da desigualdade social ao invés de priorizar o bem estar de todos os cidadãos”, explicou.

“Para o desenvolvimento social e econômico e importante o estado manter a capacidade de gastar no que de fato traz avanços de desenvolvimento, como melhorias na qualidade da saúde, educação e infra-estrutura. Reformar a previdência para ficar mais equilibrada vai ajudar muito em isso”, concluiu.

Confira os principais pontos da entrevista

1. Pela função que o senhor ocupa, acompanha a situação financeira de vários países e estados. Por isso lhe pergunto qual o impacto nas economias que realizam a reforma da previdência perante as que continuam com o desequilíbrio?

Um Sistema previdenciário desequilibrado é um grande risco em qualquer lugar do mundo e com frequência tem levado a crises fiscais.

Ter um sistema equilibrado sem déficit ou pelo menos um déficit limitado permite que o estado gaste o dinheiro dos contribuintes nos serviços que de fato geram benefícios para a sociedade, como educação, saúde, saneamento e infraestrutura.

Hoje alguns estados brasileiros, mesmo tendo pouca dívida estão quebrados porque o custo da previdência é cada vez mais alto, altíssimo. Para tentar pagar esse custo, os estados precisam sacrificar a qualidade dos serviços públicos, ou aumentar impostos. Para não correr esse risco, é importante que o estado do Mato Grosso faça sua reforma da previdência agora.

2. Mato Grosso prevê um déficit na previdência estadual, nos próximos 10 anos de R$ 13 bilhões, caso não aprove a reforma. Como um rombo desse nas contas públicas pode comprometer a situação fiscal do Estado?

Acabamos de observar nesta semana, durante a supervisão do nosso projeto, que o estado vem melhorando muito as suas contas públicas desde o ano passado. Contudo, sem reformas, o déficit da previdência seria uma constante fonte de pressão fiscal.

Nas nossas projeções, vimos claramente que há uma tendência do aumento de déficit caso as reformas não sejam feitas. Quando fizemos a as contas, vimos que, sem reforma, o déficit previdenciário do estado ia triplicar em termos reais até 2035 comprometendo uma parcela cada vez maior da receita estadual.

Como a idade média dos servidores públicos do Mato Grosso é ainda mais  baixa do que a de outros estados, a reforma tem impactos relevantes e pode de fato reduzir a curva do déficit nos próximos anos e décadas.

Leia Também:  Governo de MT propõe adicional a servidores da linha de frente do combate à covid-19

Será muito pior para os mato-grossenses, se o estado tiver que gastar cada vez mais para pagar a dívida da previdência e ter menos dinheiro para serviços públicos ou, talvez pior ainda, ter que cobrar mais impostos.

3. Muitos defendem que acompanhar a reforma feita em nível federal é prejudicial. Qual sua opinião sobre a reforma realizada no Brasil? Como isso pode ajudar a situação de MT que o senhor acompanha de perto?

Na nossa análise, acompanhar a reforma federal é a melhor opção disponível a todos os governos estaduais neste momento. A reforma brasileira não resolve todos os problemas, mas ajuda muito para ajustar o sistema à realidade demográfica do país e permite aos estados tomarem medidas para limitar o crescimento das suas obrigações com aposentadorias futuras.

Mesmo depois da reforma, a idade de aposentadoria no Brasil (65/62) não será muito alta em comparação com o resto do mundo, e vale lembrar que mesmo com a reforma os professores ainda poderão se aposentar 5 anos antes.

Acho que para Mato Grosso, a reforma é fundamental para consolidar os avanços fiscais que vêm acontecendo desde o ano passado. Isso vai permitir que o estado continue pagando todos os servidores e fornecedores em dia e que consiga fazer investimentos em melhores serviços públicos.

Com base no perfil demográfico dos servidores, o sistema previdenciário de Mato Grosso vai enfrentar um grande aumento das aposentadorias nas próximas décadas. O número de aposentados no regime público de Mato Grosso tende a dobrar nos próximos 15 anos. Acompanhar a reforma feita em nível federal e também introduzir a previdência complementar permitirão o estado reduzir o déficit previdenciário e proteger os serviços essenciais como saúde, educação, e infraestrutura.

4. Qual a importância para a economia e desenvolvimento social de um estado em se ter uma isonomia entre os setores público e privado no que diz respeito ao sistema previdenciário?

Alinhar a previdência do setor público com a do setor privado também é uma questão de justiça social. Ao retirar dinheiro dos serviços essenciais para pagar aposentadorias custosas a determinados setores, o estado está contribuindo para o aumento da desigualdade social ao invés de priorizar o bem estar de todos os cidadãos.

Para o desenvolvimento social e econômico e importante o estado manter a capacidade de gastar no que de fato traz avanços de desenvolvimento, como melhoras na qualidade da saúde, educação e infra-estrutura. Reformar a previdência para ficar mais equilibrada vai ajudar muito em isso.

COMENTE ABAIXO:
Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COVID-19

Lucimar Campos destaca queda de 35% na arrecadação de impostos no município

78 Milhões já vieram definidos por Lei

Publicados

em

JB News

 

78.6 milhões de reais estão sendo destinados para  Várzea Grande, através do Programa Federativo de Enfrentamento ao Coronavírus, (COVID-19), um montante de aproximadamente R$ 78.6 milhões, dos quais a princípio seriam destinados R$ 4 milhões 127 mil, exclusivamente para a Saúde e para a Promoção Social, e agora serão ampliados em mais R$ 20 milhões, após uma reunião entre a prefeita Lucimar Campos (DEM), e os vereadores.


O recurso, além de atender um reestruturação da Saúde para atendimento da população, também será usado para a manutenção das Secretarias e para garantir as perdas da arrecadação municipal.
Segundo o vereador Ícaro Reveles (PDT), foi um grande avanço o aumento nos valores, em mais de 20 milhoes de reais, destinados a Saúde, após um longo dia de diálogo do Legislativo com o Executivo municipal.
Para o vereador Reveles, esse remanejamento no recurso vai muito além, de somente ser investidos na Saúde, servirá para dar equilíbrio nas contas, e pagamentos das Folhas do Funcionalismo público e a manutenção do serviços essenciais que neste momento de pandemia não pode recuar, bem como  as obras estruturantes  que também precisam continuar.
Os mais de 78 milhões, serão divididos em 12 Secretarias e também servirá para estruturar a Guarda municipal.
Pelo novo projeto de número 58/2020, à construção da Orla da Alameda ficará com pouco mais de 1,5 milhão de reais, Procuradoria municipal com 2,78 milhões, e 3,231 milhões para Administração, Meio Ambiente com 1, 100 milhão, e Desenvolvimento Urbano, 1,5 milhao de reais. Será destinado tbm, 14 milhões para Viação, Obras e o Asfaltamento, Limpeza de ruas com 2 milhões.
Para o vereador, “O ideal é aguardar a confecção do novo projeto, para termos realmente a certeza da destinação de cada recurso en cada uka das secretarias.
Ressaltou também, a importância da criação de um hospital de campanha ou da criação de um espaço para triagem de pessoas infectadas pelo coronavírus.
O novo projeto, deve ficar pronto nos próximos dias, segundo o executivo.
Em entrevista, a prefeita de VG, Lucimar Campos disse que: “É preciso compreensão das pessoas que nem todo o valor divulgado foi repassado pelo Governo Federal. Fora isto, os recursos já vieram divididos, pela própria lei.”
E que o montante além de ser aplicado na Saúde servirá para recuperar a economia que se encontra em desaceleração, com a crise do Coronavírus, e provocou uma queda em média de 35% na arrecadação de impostos no município, e mesmo assim manteve  22% do total arrecadado das receitas em Saúde.

COMENTE ABAIXO:
Leia Também:  FPM e ICMS apresentam queda de mais de 30% esta semana em MT
Continue lendo

CUIABÁ

VÁRZEA GRANDE

POLÍTICA

POLICIAL

MAIS LIDAS DA SEMANA